A práxis político-educativa nas ocupações secundaristas na região dos Campos Gerais – PR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8660329

Palavras-chave:

Ocupações estudantis, Práxis política, Campos Gerais, Ponta Grossa, Ventania

Resumo

O tema deste artigo é a práxis político-educativa das ocupações secundaristas realizadas nos Campos Gerais, no Paraná (PR), em 2016. Sob a luz do materialismo histórico-dialético, a partir do levantamento bibliográfico sobre as ocupações de 2016 e da realização de entrevistas com jovens que participaram do processo, analisam-se as ocupações em escolas de Ponta Grossa e de Ventania, de modo a evidenciar as particularidades e os elementos comuns circunscritos às pautas políticas desenvolvidas pelos “ocupas”. As análises foram orientadas pela categoria teórica gramsciana “filosofia da práxis”. Ao final, indica-se que as ocupações se desenvolveram de modos distintos, evidenciaram a práxis político-educativa e foram norteadas por elementos comuns em defesa de direitos sociais fundamentais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone de Fátima Flach, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Professora Associada da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Aldimara Catarina Brito Delabona Boutin, Rede Estadual de Ensino do Paraná

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Professora de História da Rede Estadual de Ensino do Paraná.

Referências

BRASIL. Emenda Constitucional Nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 241, p. 2-3, 16 dez. 2016a.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [1996]. Disponível em: https://bityli.com/xBjBm. Acesso em: 20 jan. 2022.

BRASIL. Lei Nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis Nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 35, p. 1-3, 17 fev. 2017.

BRASIL. Medida Provisória Nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, Secretaria-Geral, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [2016b]. Disponível em: https://bityli.com/GdDVQW. Acesso em: 20 jan. 2022.

BRASIL. Projeto de Lei do Senado N° 193, de 2016. Inclui entre as diretrizes e bases da educação nacional, de que trata a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, o “Programa Escola sem Partido”. Brasília: Senado Federal, [2016c]. Disponível em: https://bityli.com/YhGqEe. Acesso em: 20 jan. 2022.

BRASIL. Proposta de Emenda à Constituição Nº 241-A, de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília: Câmera dos debutados, [2016d]. Disponível em: https://bityli.com/WHGUtT. Acesso em: 20 jan. 2022.

CHAGAS, L. J. V. Mediação e diversidade de vozes: a ação das fontes na cobertura do movimento de ocupação nas escolas paranaenses. Rizoma, Santa Cruz do Sul, v. 5, n. 2, p. 161-177, dez. 2017. Disponível em: https://bityli.com/rQePCc. Acesso em: 25 jan. 2021.

CORSO, M. A. O movimento de ocupação das escolas no interior do Paraná: o que motivou os estudantes a ocupar a escola. Entropia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, p. 164-185, jan./jun. 2020. Disponível em: https://bityli.com/ImRukm. Acesso em: 25 jan. 2021.

FLACH, S. F.; SCHLESENER, A. H. Análise de conjuntura sobre a ocupação de escolas no Paraná a partir do pensamento de Antonio Gramsci. Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, n. 1, p. 165-186, jan./mar. 2017. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647613. Disponível em: https://bityli.com/VCeZpLX. Acesso: 20 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647613

GOHN, M. da. G. Manifestações e protestos no Brasil: correntes e contracorrentes na atualidade. São Paulo: Cortez, 2017.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. v. I.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

GRAMSCI, A. Escritos políticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. v. I.

GROPPO, L. A. O novo ciclo de ações coletivas juvenis no Brasil. In: COSTA. A. A. F.; GROPPO, L. A. (org.). O movimento de ocupações estudantis no Brasil. São Carlos: Pedro e João, 2018a. p. 85-117.

GROPPO, L. A. Ocupações Secundaristas no Brasil em 2015 e 2016: formação e autoformação das/dos ocupas como sujeitos políticos. Projeto de Pesquisa à Chamada Universal MCTIC/CNPq 2018. Alfenas, 2018b. Disponível em: https://bityli.com/MSgYcP. Acesso em: 20 jun. 2020.

GUIMARÃES, G. B. et al. Geoparque dos Campos Gerais (PR) – Proposta. In: SCHOBBENHAUS, C.; SILVA, C. R. da. (org.). Geoparques do Brasil: propostas. Rio de Janeiro: CPRM, 2012. p. 617-646. v. I.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama. IBGE, Brasília, 2019. Disponível em: https://bityli.com/RvVgEx. Acesso em: 20 jun. 2020.

KUBOYAMA, R.; CUNHA, F. C. A da. “A escola é nossa!”: territorialidades do movimento estudantil nas ocupações das escolas de Londrina (PR) em 2016. Revista Nera, Presidente Prudente, v. 22, n. 49, p. 31-58, maio/ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.47946/rnera.v0i49.5996. Disponível em: https://bityli.com/VUQQlH. Acesso: 20 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.47946/rnera.v0i49.5996

LEME, R. B. Movimento estudantil secundarista como resistência às políticas educacionais neoconservadoras: as ocupações de escolas públicas nos estados de São Paulo, Goiás e Paraná – (2015-2016). 2018. 239 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2018.

LENIN, V. I. Que fazer: problemas candentes do nosso movimento. São Paulo: Expressão popular, 2015.

MARCOCCIA, P. C. de P.; PEREIRA, M de F. R.; SOUZA, R. D de. Processos de reintegração de posse das escolas ocupadas pelos estudantes no Paraná: a ideologia burguesa do aparelho judicial e policial. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 374-382, maio/ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592019v22n2p374. Disponível em: https://bityli.com/KdhDBv. Acesso: 20 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592019v22n2p374

MARTINS, S. A. O fazer político dos jovens das classes populares: as ocupações estudantis paranaenses. Revista pedagógica, v. 20, n. 43, p. 143-167, jan./abr. 2018. DOI: https://doi.org/10.22196/rp.v20i43.4002. Disponível em: https://bityli.com/bELFSl. Acesso: 20 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.22196/rp.v20i43.4002

MONAL, I. Gramsci, a sociedade civil e os grupos subalternos. In: COUTINHO, C. N.; TEIXEIRA, A. P. (org.). Ler Gramsci, entender a realidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 189-200.

PACHECO, C. S. Ocupar e resistir: as ocupações das escolas públicas como parte do ciclo atual de mobilização juvenil no Brasil. 2018. 271 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

PARANÁ. Consulta Escolas, Curitiba, 2019a. Disponível em: https://bityli.com/tltcJN. Acesso em: 15 jun. 2020.

PARANÁ. Escola Alberto da Silva Paraná. Consulta Escolas, Curitiba, 2022. Disponível em: https://bityli.com/oMbjBk. Acesso em: 15 jun. 2020.

PARANÁ. Instituto de Educação Pietro Martinez. Rede Escola, Curitiba, 2019b. Disponível em: https://bityli.com/FmELbO. Acesso em: 15 jun. 2020.

PENNA, F. O discurso reacionário em defesa de uma “escola sem partido”. In: GALLEGO, E. S. (org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 109-113. DOI: https://doi.org/10.22483/2177-5796.2018v20n3p567-581

POLLI, S. et al. Novas insurgências e a luta do movimento “Ocupa Paraná”. ANDES, Brasília, Ano XXVIII, n. 62, p. 136-149, jun. 2018. Disponível em: https://bityli.com/kWVFeF. Acesso em: 17 jun. 2020.

PONTA GROSSA. Decreto N° 10.065, de 27/04/2015. Regulamenta a Lei n°12.071/2015 - Programa Passe Livre. Ponta Grossa: Procuradoria Geral do Município, [2015a]. Disponível em: https://bityli.com/eDkxdL. Acesso em: 17 jun. 2020.

PONTA GROSSA. Lei N° 12.071, de 13/02/2015. Autoriza o poder executivo a adquirir créditos do transporte coletivo e a doá-los aos estudantes do município de Ponta Grossa, conforme especifica Lei do Passe Livre. Ponta Grossa: Procuradoria Geral do Município, [2015b]. Disponível em: https://bityli.com/eiBODb. Acesso em: 17 jun. 2020.

SEMERARO, G. Gramsci e os embates da filosofia da práxis. Aparecida: Ideias e Letras, 2006.

STEIMBACH, A. A. Escolas ocupadas no Paraná: juventudes na resistência política à reforma do Ensino Médio (Medida Provisória 746/2016). 2018. 348 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

STOIEV, F. A experiência das ocupações no Paraná: narrativas dos estudantes secundaristas sobre a escola pública. 2019. 208 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

UBES. União Brasileira dos Estudantes Secundaristas. UBES divulga a lista das escolas ocupadas e pauta das mobilizações. UBES, São Paulo, 11 out. 2016. Disponível em: https://bityli.com/DeVoWc. Acesso em: 16 jun. 2020.

UEPG. Universidade Estadual de Ponta Grossa. Dicionário Histórico dos Campos Gerais. UEPG, Ponta Grossa, 2019. Disponível em: https://bityli.com/itZNxD. Acesso em: 16 jun. 2020.

VÁSQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. São Paulo: Expressão popular, 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZALUSKI, J. L. “A nossa luta já entrou para a história, o movimento dos OCUPAS foi inédito”: notas sobre uma ocupação secundarista de 2016 em Guarapuava – PR. Crítica Educativa, Sorocaba, v. 5, n. 1, p. 262-276, jan./jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.22476/revcted.v5i1.345. Disponível em: https://bityli.com/dBbmDEP. Acesso: 22 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2022-08-29

Como Citar

FLACH, S. de F.; BOUTIN, A. C. B. D. A práxis político-educativa nas ocupações secundaristas na região dos Campos Gerais – PR. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022026, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8660329. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8660329. Acesso em: 9 dez. 2022.