Banner Portal
Ensino remoto e trabalho docente no ensino superior
Créditos da imagem: Pixabay
PDF

Palavras-chave

Educação a distância
Pandemia
Sedução
Alienação
Ensino de ciências naturais

Como Citar

PRESSATO, Daiany; FERNANDES, Guilherme Augusto; LIPORINI, Thalita Quatrocchio; CAMPOS, Luciana Maria Lunardi. Ensino remoto e trabalho docente no ensino superior: um estudo sobre ideias de sedução que permeiam as concepções de professores de Ciências Naturais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022040, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8661052. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8661052. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

O objetivo desta pesquisa é analisar ideias de sedução que permeiam a subjetividade dos professores da área das Ciências Naturais, contribuindo para justificar o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs) na educação em tempos de pandemia. A partir de um formulário disponibilizado de forma online, docentes de Universidades Federais responderam a afirmações sobre o uso dessas tecnologias através de uma escala Likert. As perguntas traziam ideias sedutoras que permeiam as concepções dos professores acerca das novas determinações do mercado sobre seu trabalho docente. As categorias apreendidas foram: responsabilidade individual/autonomia; eficiência/modernidade; crítica; afetividade; continuidade/manutenção; igualdade; praticidade/facilidade. Com exceção da ideia de igualdade (de acesso aos recursos das TDICs), seguida pelas ideias de praticidade/facilidade e afetividade, questões que expressam todas as demais categorias tiveram grande concordância entre os participantes. É preciso socializar os condicionantes históricos que constituem o fetichismo tecnológico, desenvolvendo entre os docentes possibilidades de relações sociais articuladas e organizadas, combatendo pressões mercadológicas e construindo meios de resistência que superem a reprodução das relações sociais alienadas.

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8661052
PDF

Referências

ADERALDO, D. Professor deve trabalhar por amor, não por dinheiro. Ig Ceará, Último Segundo, 29 de ago. de 2011. Disponível em: https://bityli.com/wOPahQbRO. Acesso em: 21 jun. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Estabelece as diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Disponível em: https://bityli.com/yAp5q. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: https://bityli.com/9FUTM. Acesso em: 08 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Coronavírus. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2020. Disponível em: https://bityli.com/mahfaPhl. Acesso em: 12 maio 2020.

COLEMARX. Em defesa da educação pública comprometida com a igualdade social: porque os trabalhadores não devem aceitar aulas remotas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2020. Disponível em: https://bityli.com/PXtihlGk. Acesso em: 25 abr. 2020.

DUARTE, N. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. Campinas, SP: Autores Associados, 2013a.

DUARTE, N. As pedagogias do "aprender a aprender" e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Rev. Bras. Educ., n. 18, p. 35-40, dez. 2001. Disponível em: https://bityli.com/ZrMgxIio. Acesso em: 24 maio 2020.

DUARTE, N. Crítica ao fetichismo da individualidade. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013b.

DUARTE, N. Relações entre conhecimento escolar e liberdade. Cadernos de pesquisa, v. 46, n. 159, p. 78-102, jan./mar. 2016. Disponível em: https://bityli.com/SwtoKcYMr. Acesso em: 24 maio 2020.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 5. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 7. edição. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1976.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. 2. ed. São Paulo, SP: Moraes LTDA, 1964.

MALANCHEN, J. Oportunismo do capital e a precarização da educação pública via EaD: análise a partir da pedagogia histórico-crítica. Revista Pedagogia Cotidiano Ressignificado, v. 02, n. 04, p. 15-34, 2020. Disponível em: https://bityli.com/ecHRTFqJh. Acesso em: 24 maio 2020.

MARTINS, L. M. A formação social da personalidade do professor. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2015.

MARX, K. Grundrisse. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: Livro I: O processo de produção do capital. 16. ed. Tradução Reginaldo Sant’Anna. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, v. 2, 1998.

MORETTI, V. D. A teoria do calor em Marx e a educação: um olhar sobre a pedagogia das competências. In: PARO, V. H. (org.). A teoria do valor em Marx e a Educação. São Paulo, SP: Cortez, 2013. p. 203-213.

MOTOYAMA, S. Prelúdio para uma história: Ciência e Tecnologia no Brasil. São Paulo, SP: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

NASCIMENTO, A. F. do. Educação a distância e fetichismo tecnológico: Estado e capital no projeto de ensino superior no Brasil. 233f. 2011. Tese (Doutorado em Políticas Públicas) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, Maranhão, 2011. Disponível em: https://bityli.com/JYDnBafcr. Acesso em: 10 maio 2020.

PERRENOUD, P. Construir competências desde a escola. Porto Alegre, RS: ArtMed, 1999.

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas. Problema central do desenvolvimento. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1976.

ROSSLER, J. H. Sedução e alienação no discurso construtivista. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SERAFIM, M. P. O processo de mercantilização das instituições de educação superior: um panorama do debate nos EUA, na Europa e na América Latina. Avaliação, Campinas/Sorocaba, v. 16, n. 2, p. 241-265, jul. 2011. Disponível em: https://bityli.com/shgvGGZB. Acesso em: 14 maio 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.