“Quando eu lembro da massa da mandioca”

memórias dos saberes do trabalho na história do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8665789

Palavras-chave:

Educação, Saberes do trabalho, Saberes sociais, Mandioca, Brasil, Casas de Farinha

Resumo

Os saberes do trabalho são construtos sociais, que nascem do processo educacional entre homem e natureza, na reprodução ampliada da vida. No desenvolvimento dos estudos acerca das memórias do trabalho familiar em casas de farinha, pesquisaram-se as importantes contribuições indígenas no cultivo da mandioca e na produção dos seus derivados na história do Brasil. Neste sentido, o presente artigo tem como objetivos: apresentar o demarco de um recorte histórico da aproximação dos europeus com os saberes da produção com a mandioca – produção e produtos –,  que não somente precintariam um marco da adaptação alimentar dos até então “visitantes”, mas também forjariam o interesse de exploração do tubérculo; e, ao mesmo tempo, analisar a desarticulação da primeira base de trabalho familiar e a troca de saberes sociais, os do trabalho indígena, compreendidos como rastros das primeiras casas de farinha existentes no país. Os fundamentos teóricos de Cascudo (1983; 2004); Pedroza (2014); Algranti (1997); Rodrigues (2012), entre outros, respaldaram a discussão preterida. Ao término das contribuições, verificou-se que os interesses mercantis, embora se aproximem dos saberes sociais pelas vias capitalistas, nem sempre conseguem anulá-los integralmente, pois subsistem na processualidade histórica por meio da resistência no saber-fazer e nos modos de vida de homens e mulheres do campo, perceptíveis nas casas de farinha dos dias atuais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marisa Oliveira Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutorado em Memória: Linguagem e Sociedade pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Professora Adjunta do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

 

 

Ana Elizabeth Santos Alves, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Referências

ALGRANTI, L. M. Família e vida doméstica. In: NOVAIS, F. A. (Coord.) SOUZA, L. M. e (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. (Coleção História da Vida Privada no Brasil, v. 1).

AMARAL, L. História geral da agricultura brasileira: no tríplice aspecto político-social-econômico. São Paulo: Companha Editora Nacional, 1958. v. 1.

CARVALHO, E. de. O mandiocal. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano X, n. 2, p. 152-153, abr./jun. 1948. Disponível em https://bit.ly/3Dua8bj. Acesso em: 08 out. 2021.

CASCUDO, L. da C. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, 1954.

CASCUDO, L. da C. História da alimentação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia: São Paulo: Edusp, 1983. v. 1.

CASCUDO, L. da C. Histórias da alimentação no Brasil. 3. ed. São Paulo: Global, 2004.

CASIMIRO, A. P. B. S. Organização social e trabalho no Brasil Colonial: a presença da igreja católica e a escravidão. In: ALVES, A. E. S.; LIMA, G. de O. P.; CAVALCANTI, J. M. N. (Org.). Interfaces entre história, trabalho e educação. Campinas, SP: Alínea, 2009.

CASTRO, J. de. Geografia da fome. São Paulo: Brasiliense, 1959.

CIAVATTA, M. (Org.). A historiografia em trabalho-educação: como se escreve a história da educação profissional. Uberlândia, MG: Navegando publicações, 2019. DOI: https://doi.org/10.29388/978-85-53111-86-2

CONCEIÇÃO, A. J. A mandioca. São Paulo: Nobel, 1981.

DURÃO, F. J. S. R. Caramurú. Poema épico do descobrimento da Bahia de Santa Rita Durão, da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, 1781. São Paulo: Cultura, 1945. Disponível em: https://bit.ly/3oBjJsH. Acesso em: 28 jan. 2020.

FREYRE, G. Casa grande & senzala. 36. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. Tradução Sérgio Faraco. Porto Alegre, RS: L&PM, 2018.

GANDAVO, P. M. Tratado da terra do Brasil. Edições do Senado Federal. Volume 100. Brasília: Senado Federal: Conselho Editorial, 2008.

HOUAISS, A. Dicionário de língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KUENZER, A. Z. Pedagogia da fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1985.

LUXEMBURG, R. A acumulação do capital: contribuição ao estudo econômico do imperialismo; anticrítica. São Paulo: Nova Cultural, 1985. (Os Economistas).

MAGALHÃES, J. V. C. de O Selvagem. Rio de Janeiro: Typ. da Reforma, 1876. Disponível em: https://bit.ly/3AiDHdZ. Acesso em: 23 maio 2018.

MARTINS, J. de S. A chegada do estranho. São Paulo: Ed. HUCITEC, 1993.

MAZOYER, M.; ROUDART, L. Histórias das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Ed. UNESP; Brasília, DF: NEAD, 2010.

PEDROZA, M. A roça, a farinha e a venda: a produção de alimentos, mercado interno e pequenos produtores no Brasil colonial. In: FRAGOSO, J.; GOUVÊA, M. de F. (Org.). Coleção o Brasil Colonial: 1720-1821. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. v. 3.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3. ed. São Paulo: Global, 2015.

RODRIGUES, D. do S. Saberes sociais e luta de classes: um estudo a partir da colônia de pescadores artesanais z-16 – Cametá/Pará. Belém: UFPA, 2012.

SILVA, F. C. T. da. Conquista e colonização da América Portuguesa. O Brasil Colônia – 1550/1750. In: LINHARES, M. Y. (org.). História Geral do Brasil. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1990.

SODRÉ, R.; PORTUGAL, J. A massa, 2018. Salvador, BA. Disponível em: https://bit.ly/3aeKdIe. Acesso em: 05 de março de 2021.

SOUSA, G. S. de Tratado descritivo do Brasil 1587. 2. ed. Rio de Janeiro: Tipografia de João Ignácio da Silva, 1946. Biblioteca do Senado Federal.

TIRIBA, L.; FISCHER, M. C. B. Espaços/tempos milenares dos povos e comunidades tradicionais: notas de pesquisa sobre economia, cultura e produção de saberes. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 24, n. 56, p. 405-428. maio/ago. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3lfGpN6. Acesso em: 14 maio 2021.

TUFANO, D. A carta de Pero Vaz de Caminha. Comentada e ilustrada. São Paulo: Moderna, 1999.

Downloads

Publicado

2022-03-30

Como Citar

SANTOS, M. O. .; ALVES, A. E. S. . “Quando eu lembro da massa da mandioca”: memórias dos saberes do trabalho na história do Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022001, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8665789. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8665789. Acesso em: 1 dez. 2022.