Banner Portal
A crise estrutural do capital e as estratégias neoliberais na educação básica pública brasileira
PDF

Palavras-chave

Neoliberalismo
Educação básica pública
Crise estrutural do capital

Como Citar

MOURA, Lívia Romero de; SEGUNDO, Maria das Dores Mendes. A crise estrutural do capital e as estratégias neoliberais na educação básica pública brasileira. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023031, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8666148. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8666148. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

Neste ensaio, discorremos sobre a crise estrutural do capitalismo, tese defendida por István Mészáros (2002), e as estratégias neoliberais para a superação da crise e a retomada da economia, protagonizada pelo grande capital e mediada pelo Estado brasileiro. Neste propósito, analisamos o processo de reestruturação produtiva neste contexto neoliberal e seus desdobramentos na educação pública a partir das últimas décadas do século XX. Tomando como referencial teórico-metodológico a perspectiva crítica, efetuamos um resgate bibliográfico-documental sobre adequação da educação ao modelo neoliberal e ao processo de produção e acumulação no contexto de crise do capital. Em linhas gerais, atestamos que a flexibilização das relações de trabalho imposta pela reestruturação produtiva vem ajustando a educação a este conceito empresarial, atribuindo à escola as formas gerenciais de eficiência para formação deste novo trabalhador. A privatização da educação brasileira tem se ampliado, sobretudo no contexto da crise do capital, agravada na crise sanitária em decorrência da Pandemia Covid-19.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8666148
PDF

Referências

ANTUNES, R. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

ANTUNES, R. Proletariado digital, serviços e valor. In: ANTUNES, R. (org.). Riqueza e Miséria do trabalho no Brasil IV: trabalho digital, autogestão e expropriação da vida. São Paulo: Boitempo, 2019.

BALL, S.; YOUDELL, D. Privatización encubierta en la educación pública. Instituto de Educación, Universidad de Londres, 2008. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://observatorioeducacion.org/sites/default/files/ball_s._y_youdell_d._2008_la_privatizacion_encubierta_en_la_educacion_publica.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

BARLETA, I. A. A gestão educacional no plano de ações articuladas do município de Macapá-AP: concepções e desafios. 2015. 218 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Educação, Belém, 2015. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://repositorio.ufpa.br/jspui/bitstream/2011/8336/1/Tese_GestaoEducacionalPlano.pdf. Acesso em: 25 jul. 2020.

BORSOI, I. C. F. Vivendo para trabalhar: do trabalho degradado ao trabalho precarizado. Convergência, v. 18, n. 55, p. 113-133, 2011. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.scielo.org.mx/pdf/conver/v18n55/v18n55a5.pdf. Acesso em: 08 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.415. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 20 ago. 2020.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Reforma gerencial e legitimação do estado social. Revista de administração Pública, Rio de Janeiro, v. 51, n. 1, p. 147-156, 2017. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.scielo.br/j/rap/a/b3VNr8KRsgTBM4Hfktj3skn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 30 nov. 2019

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo, 2016.

DE MIRANDA, M. G. Crise na educação: a retórica conservadora. Retratos da Escola, Brasília, v. 10, n. 19, p. 567-579, 2017. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/700/707. Acesso em: 05 jul. 2020.

DELEUZE, G. Entrevista a Toni Negri, 1990. Disponível em: http://clinicand.com/596/. Acesso em: 05 ago. 2020.

DRUCK, G. A indissociabilidade entre precarização social do trabalho e terceirização. In: TEIXEIRA, M.; RODRIGUES, H.; COELHO, E. (org.) Precarização e terceirização: faces da mesma realidade. São Paulo: Sindicato dos Químicos, 2016. p. 35-58.

GAULEJAC, V. de. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias & Letras, 2007.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

HYPOLITO, Á. M. Reorganização gerencialista da escola e trabalho docente. Educação: Teoría e prática, v. 21, n. 38, p. 59-78, 2011.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

LEHER, R. Um novo senhor da educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro, v. 1, n. 3, p. 19-30, 1999. Disponível em: http://outubrorevista.com.br/wp-content/uploads/2015/02/Revista-Outubro-Edic%CC%A7a%CC%83o-3-Artigo-03.pdf. Acesso em: 02 fev. 2020.

LOBO, S. Políticas para educação sob o Governo Bolsonaro e seus impactos sobre a formação de professores. SINTEF-GO, 2020. Disponível em: https://sintef.org.br/wp/2020/06/15/artigo-politicas-para-educacao-sob-o-governo-bolsonaro-e-seus-impactos-sobre-a-formacao-de-professores/. Acesso em: 02 jan. 2021.

MARX, K. O capital: livro 1, o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013. V. 894.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. Tradução de Sergio Tellaroli. São Paulo: Penguin Classics: Companhia das Letras, 2012.

MELLO, J. Capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MENDES SEGUNDO, M. das D. O Banco Mundial e suas implicações na política de financiamento da educação básica no Brasil: o Fundef no centro do debate. 2005. 243 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza, 2005. Disponível em: https://www.uece.br/maie/wp-content/uploads/sites/92/2022/06/TESE-DE-DOUTORADO-MARIA-DAS-DORES-MENDES-SEGUNDO.pdf. Acesso em: 03 mar. 2020.

MENDES SEGUNDO, M. das D.; JIMENEZ, S. Papel do banco mundial na reestruturação do capital: estratégias e inserção na política educacional brasileira. In: RABELO, J.; SEGUNDO, M. das D. M.; JIMENEZ, S. (org.). O movimento de educação para todos e a crítica marxista. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2015.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

NARDI, H. C. Ética, trabalho e subjetividade. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

PAIVA, A. N. O viés mercadológico do Programa de Educação para todos e seus desdobramentos na política educacional brasileira: uma análise onto-crítica. 2016. 134 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Ceará, Limoeiro do Norte, Ceará, 2016. Disponível em: http://siduece.uece.br/siduece/trabalhoAcademicoPublico.jsf?id=83583. Acesso em: 04 set. 2020.

PALÚ, J.; PETRY, O. J. Neoliberalismo, globalização e neoconservadorismo: cenários e ofensivas contra a Educação Básica pública brasileira. Práxis Educativa [online], v. 15, 2020. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1809-43092020000100151&lng=pt. Acesso em: 03 dez. 2020.

PEREIRA, J. M. D. Uma breve história do desenvolvimentismo no Brasil. Cadernos do Desenvolvimento, v. 6, n. 9, p. 121-141, 2018. Disponível em: http://www.cadernosdodesenvolvimento.org.br/ojs-2.4.8/index.php/cdes/article/view/223/206. Acesso em: 08 mar. 2020.

PERONI, V. M. V. Múltiplas formas de materialização do privado na educação básica pública no Brasil: sujeitos e conteúdo da proposta. Currículo sem fronteiras, v. 18, n. 1, p. 212-238, 2018. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss1articles/peroni.pdf. Acesso em: 24 jan. 2021.

POCHMANN, M. Estado e capitalismo no Brasil: a inflexão atual no padrão das políticas públicas do ciclo político da nova república. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, p. 309-330, 2017.

SANTOS, V. A finalidade da escolarização básica no debate pedagógico contemporâneo. Revista Eletrônica Arma da Crítica, n. 4, dez. 2012. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/23162/1/2012artvmssantos.pdf. Acesso em: 24 jan. 2021.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SENNET, R. A corrosão do caráter: o desaparecimento das virtudes com o novo capitalismo. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

SEVERINO, A. J. Fundamentos ético-políticos da educação no Brasil de hoje. Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006. p. 289-320.

SILVA, I. B. G. O Banco Mundial e as políticas educacionais. Ciclo Revista, v. 1, n. 2, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edreal/a/bgZNpXhs47jqmwpP6FDqLgF/. Acesso em: 24 jan. 2021.

SILVEIRA, M.; DE OLIVEIRA, M. Neoliberalismo, educação básica e avaliações externas: desafios para a escola democrática brasileira. CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 4., 2019., Anais [...]. 2019. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/ebooks/conedu/2019/ebook3/PROPOSTA_EV127_MD4_ID12138_30082019135609.pdf. Acesso em: 24 jan. 2021.

TOSTA, K. S.; NEY, M. G.; DA SILVA, R. M. Reforma do Estado e políticas de avaliação da qualidade da Educação Básica no Brasil. Educação (UFSM), v. 45, p. 55-22, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/36288/pdf. Acesso em: 25 jan. 2021.

VIEIRA, S. L.; VIDAL, E. M. Gestão democrática da escola no Brasil: desafios à implementação de um novo modelo. Revista Iberoamericana de educación, v. 67, p. 19-38, 2015. Disponível em: https://rieoei.org/historico/documentos/rie67a01.pdf. Acesso em: 25 jan. 2021.

WOOD, E. O Império do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Lívia Moura; Maria Segundo

Downloads

Não há dados estatísticos.