Banner Portal
Professora Maria Gil e as pedras do caminho
Créditos da imagem: Pixabay
PDF

Palavras-chave

Escola rural
Educação do campo
Memória
Currículo

Como Citar

BATISTA, R. E. C.; RIBEIRO, B. de O. L.; ALMEIDA, M. Z. C. M. de. Professora Maria Gil e as pedras do caminho: memória dos primórdios da cultura escolar em Cônego Marinho, MG. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022037, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8667002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8667002. Acesso em: 29 nov. 2023.

Resumo

A partir dos anos 1930, o governo se preocupou com a escolarização da população rural, então a maioria. Mas o ensino rural não cumpriu a contento as funções esperadas. Levou ao meio rural uma escolarização fundada no currículo para escola urbana incapaz de conter o êxodo campo–cidade na década de 1950. O campo não se esvaziou, e novas gerações demandaram educação mais condizente com sua vida em seu meio. Assim, uma educação do campo se impôs como política pública para instituir um modelo de educação à população do campo. Este artigo adentra esse terreno ao enfocar uma escola rural particular em sua transição para o sistema educacional público. O enfoque se sustenta na entrevista com a professora e administradora da “Escolinha rural”, no então distrito de Candeal, município de Cônego Marinho, MG. O estudo partiu desta questão: que tipo de escola era e como conduziu a escolarização? A indagação objetivou dialogar com memórias da vida rural e traços do que poderia ser chamado de cultura escolar comunitário-privada informal. A pesquisa recorreu à história oral como método-guia para produzir fontes mediante diálogos não estruturados; também se valeu de fontes documentais. Os resultados apontam que a “Escolinha rural” escapava ao modelo de escola rural dissipado pela escola do campo. Sua existência não dependia do Estado. Ainda assim, tal qual o ensino rural impôs à escola rural um currículo estranho às demandas do meio, a escolinha foi subsumida por um modelo de escola do campo cujo currículo lhe era estranho.

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8667002
PDF

Referências

ALMEIDA, M. Z. C. M. Educação e memória: velhos mestres de Minas Gerais (1924–1944). 2009. Tese (Doutorado em História) — Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos do Estado: nota sobre aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BELTRÃO, J. F.; LOPES, R. C. S. Alteridade e consciência histórica: a história indígena em seus próprios termos. In: BELTRÃO, J. F.; LACERDA, P. M. (org.). Amazônias em tempos contemporâneos: entre diversidades e adversidades. Rio de Janeiro: Mórula, 2017.

BRASIL. [Constituição (1934)]. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. 1934. Disponível em: https://bityli.com/OzR2w. Acesso em: 28 ago. 2016.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: https://bityli.com/bTtAt. Acesso em: 2 maio 2021.

BRASIL. Diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo — Parecer CNE/CEB 36/2001. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n. 9.394/1996. Disponível em: https://bityli.com/91Wfj. Acesso em: 28 maio 2021.

DALMAGRO, S. L. A escola no contexto das lutas do MST. In: VENDRAMINI, C. R.; MACHADO, I. F. (org.). Escola e movimento social: experiências em curso no campo brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

FARIA FILHO, L. M. de. et al. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e pesquisa, v. 30, p. 139-59, 2004.

GIL, M. [Entrevista concedida à] Ramiro Esdras Carneiro Batista. Comunidade de Candeal, Cônego Marinho, MG, jun. 2003. Entrevista gravada em áudio.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

LEITE, S. C. Urbanização do processo escolar rural. 1996. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 1996. Disponível em: https://bityli.com/HHFOSudys. Acesso em: 13 set. 2020.

LIMA, R. G. O povo do Candeal: caminhos da louça de barro. São Paulo: Aeroplano, 2012.

MEIHY, J. C. S. B. Manual de história oral. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

MELO NETO, J. C. de. A educação pela pedra. São Paulo: Alfaguara, 2008.

OLIVEIRA, M. A. A. Os Laras no sertão dos guaybas: onde se fez morrer caboclo como o diabo. Belém: Folheando, 2020.

PORTELLI, A. História oral como arte da escuta. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

RIBEIRO, B. O. L.; SILVA, L. A. A.; QUILLICI NETO, A. Educação rural em Minas Gerais: gênese das escolas municipais de Ituiutaba (anos 1940). HISTEDBR On-line, Campinas, n. 46, p. 74-93, jun. 2012. Disponível em: https://bityli.com/ItaTfmbL. Acesso em: 8 maio 2022.

ROCHA, C. A.; MESQUITA, M. C. G. D. Educação no e do campo: dualidade de expressão e significado. In: ALMEIDA, M. Z. C. M.; BALDINO, J. M.; PEREIRA, A. M. F. (org.). Educação no/do campo: histórias, memórias, políticas públicas e práticas educativas. Goiânia: Espaço Acadêmico, 2020.

THOMPSON, P. A voz do passado. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.