Banner Portal
Pesquisa e ensino de artes em tempos pandêmicos
PDF

Palavras-chave

Pesquisa
Ensino remoto emergencial
Pandemia

Como Citar

NOGUEIRA, Ana Paula; NERES, Celi Correa. Pesquisa e ensino de artes em tempos pandêmicos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023011, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8669958. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8669958. Acesso em: 22 jul. 2024.

Resumo

Este artigo resulta de uma pesquisa desenvolvida em um Programa de pós-graduação stricto sensu, nível de Mestrado, na modalidade profissional. Utilizando-se da abordagem sócio-histórica, este texto objetiva apresentar os primeiros impactos da pandemia de COVID-19 acerca da rotina pedagógica de professoras de Arte, atuantes em 2 escolas especiais, na cidade de Campo Grande – MS, cujos relatos foram norteadores para definir intervenção prática, requisito para as pesquisas do citado programa de pós-graduação. Ao versar a respeito da relação entre uma das pesquisadoras e as profissionais participantes da pesquisa, o texto evidencia que é possível executar a intervenção prática, mesmo em situação adversa, como a vivenciada no ano de 2020. A ação ocorreu de maneira virtual, através de um canal no youtube, intitulado APN-Arte educação. O uso do youtube, como instrumento de mediação, possibilitou divulgação de conteúdos que auxiliassem as professoras, no período de ensino remoto emergencial, bem como, foi possível estender os conteúdos provenientes da pesquisa, para um público pessoas de interessadas nas temáticas abordadas. Dito isso, este artigo propõe uma observação mais atenta sobre o uso emergencial dos recursos digitais, em todos os níveis do sistema de ensino, suscitando reflexões sobre o futuro da educação brasileira num cenário pós-pandêmico.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8669958
PDF

Referências

BATISTA, F. M. R. C. Concepções do professor de arte sobre aspectos de sua formação para atuar com alunos surdos. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”, Marilia, 2015. Disponível em: https://bityli.com/iz9zR. Acesso em: 15 jan. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: ensino fundamental. Brasília: MEC: Secretaria de Educação Básica, 2018.

BRASIL. Decreto n. 9.057, de 25 de maio de 2017. Brasília. Disponível em: https://bityli.com/QTbKI. Acesso em: 27 set. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996. Atualizada em 2017. Disponível em: https://bityli.com/MNTFV8. Acesso em: 15 maio 2020.

BRASIL. Lei n. 13.146 de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Diário Oficial da União, Brasília, 2015.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 5, de 28 de abril de 2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Conselho Pleno [2020]. Disponível em: https://bityli.com/Fabpw. Acesso em: 09 out. 2020.

CAMPO GRANDE. Decreto n. 15.391, de 16 de março de 2020. Dispõe sobre as medidas temporárias a serem adotadas, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato Grosso do Sul, para a prevenção do contágio da doença COVID-19 e enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (SARS-CoV-2), no território sul-mato-grossense. Diário Oficial Eletrônico n. 10.115.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos, contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas: Autores Associados, 2016.

FREITAS, M. T. de A. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, n. 116, jul. 2002. Disponível em: https://bityli.com/RHQDx. Acesso em: 20 maio 2020.

JANUZZI, G. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2004.

MATO GROSSO DO SUL. Conselho Estadual de Educação. Deliberação CEE/MS n. 11.883 de 05 de dezembro de 2019. Campo Grande, 2019.

MICHELETTO, F. S. M. Ensino de arte para alunos com deficiência: relato dos professores. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”, Marilia, 2009. Disponível em: https://bityli.com/iz9zR. Acesso em: 15 jan. 2020.

MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

NERES, C. C. As instituições especializadas e o movimento da inclusão escolar: intenções e práticas. Tese (Doutorado em educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

NOGUEIRA, E. G. D.; NERES, C. C.; BRITO, V. M. de. Mestrado Profissional em Educação: a constituição do professor/pesquisador e o retorno para a escola. Revista da FAEBEBA – educação e contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 47, p. 63-75, set./dez. 2016. Disponível em: https://bityli.com/fUBkx. Acesso em: 7 jun. 2021.

PESSOTTI, I. Deficiência mental: da superstição à ciência. Marília, SP: Ed. ABPEE, 2012.

RUSSO, K.; MAGNAN, M.; SOARES R. A pandemia que amplia as desigualdades: a Covid-19 e o sistema educativo de Quebec/Canadá. Revista Práxis Educativa, v. 15, p. 1-28, 2020. Disponível em: https://bityli.com/ZvErD. Acesso em: 10 jul. 2021.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. Ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

SENE, M. R. Aulas de arte: reflexões sobre currículo, docência, criatividade e a escola inclusiva. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”, Araraquara, 2016. Disponível em: https://bityli.com/iz9zR. Acesso em: 15 jan. 2020.

SORJE, B.; GUEDES, L. E. Exclusão digital: problemas conceituais, evidências empíricas e políticas públicas. Novos Estudos, n. 72, jul. 2005. Disponível em: https://bityli.com/BSJeQ. Acesso em: 10 jul. 2021.

SOUZA, F. F. de; DAINEZ, D. Educação especial e inclusiva em tempos de pandemia: o lugar de escola e as condições do ensino remoto emergencial. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, p. 1-15, 2020. Disponível em: https://bityli.com/MKRrr. Acesso em: 12 jul. 2021.

VELHO, R. M. G. A. O papel dos vídeos de ciência na divulgação científica: o caso do projeto ScienceVlogs Brasil. 2019. Dissertação de Mestrado em Divulgação Científica e Cultural – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2019. Disponível em: https://bityli.com/kAjUe. Acesso em: 12 jul. 2021.

VIGOTSKI, L. Semionovitch. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, dec. 2011. Disponível em: https://bityli.com/FGY7o. Acesso em: 8 nov. 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.