Banner Portal
Escolas de aprendizes artífices e escolas modernas
PDF

Palavras-chave

Escolas de aprendizes artífices
Escolas modernas
Pedagogia libertária

Como Citar

BRITO, Leonardo Leônidas de; SOUZA, Francisco das Chagas Silva. Escolas de aprendizes artífices e escolas modernas: contrapontos da formação para o trabalho no Brasil na segunda década do século XX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023034, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8673982. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8673982. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

Neste artigo, busca-se construir um paralelo entre as iniciativas estatais para a educação da classe trabalhadora, mediante a criação das Escolas de Aprendizes Artífices (EAA), em 1909, e o desenvolvimento de projetos pedagógicos elaborados pelo operariado nas Escolas Modernas 1 e 2, no mesmo contexto histórico. Trata-se de um estudo exploratório com base em levantamento bibliográfico, cujo recorte temporal foi a criação das EAA e das Escolas libertárias, em princípios do século XX, sendo estas últimas encerradas violentamente pelo Estado brasileiro em 1919. Salienta-se o esforço do Estado Republicano para disciplinar a população pobre e formar mão de obra para a indústria; em contraposição, a educação racionalista, praticada nas Escolas Modernas, visava a formação integral e se opunha ao Estado e à Igreja. Conclui-se que, apesar da relevância dos estudos acerca das políticas estatais voltadas para a educação, urge que se ampliem as investigações que tenham como objeto as atuações dos trabalhadores na construção de projetos educativos voltados para os interesses de sua própria classe.  

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8673982
PDF

Referências

A LANTERNA. A escola moderna em São Paulo. São Paulo, n. 7, p. 1, 27 nov. 1909.

BAKUNIN, M. A instrução integral. São Paulo: Imaginário, 2003.

BILAC, O. A defesa nacional (discursos). Rio de Janeiro: Liga da Defesa Nacional, 1917.

BOLETIM DA ESCOLA MODERNA. Arquivo João Penteado. Pasta Jornais – Escola Moderna. Centro de Memória da Educação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 13 out. 1918.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados da República as Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Rio de Janeiro: Presidência da República, RJ, 1909. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-7566-23-setembro-1909-525411-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 24 jun. 2023.

CAIRES, V. G.; OLIVEIRA, M. A. M. Educação profissional brasileira: da Colônia ao PNE 2014-2024. Petrópolis: Vozes, 2016.

CASTRO, R. Nem prêmio, nem castigo! Educação, Anarquismo e Sindicalismo em São Paulo (1909-1919). São Paulo: Prismas, 2017.

CIAVATTA, M. Trabalho-Educação – uma unidade epistemológica, histórica e educacional. Revista Trabalho Necessário, Niterói, v. 17, n. 32, p. 132-149, mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.22409/tn.17i32.p28306. Disponível em: https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/28306/16438 Acesso em: 9 nov. 2023.

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. 2. ed. São Paulo: Unesp; Brasília: Flacso, 2005.

FAUSTO, B. História do Brasil. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1995.

FAUSTO, B. História geral da civilização brasileira. O Brasil republicano. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. Tomo 4, v. 9.

FONSECA, C. S. História do ensino industrial no Brasil. Rio de Janeiro, 1961. V. 1.

FRIGOTTO, G. A dupla face do trabalho: criação e destruição da vida. In: FRIGOTTO, G. G.; CIAVATTA, M. (org.). A experiência do trabalho e a educação básica. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 11-27.

GALLO, S. Francisco Ferrer y Guardia: o mártir da Escola Moderna. Pro-Posições, Campinas, v. 24, n. 2, p. 241-251, maio/ago. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pp/a/3kHzwpRFfcBXb4HvKGFgD9s/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 9 jul. 2023.

GONÇALVES, A. M.; NASCIMENTO, M. I. M. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 25, p. 67-74, mar. 2007. Disponível em: https://ri.uepg.br/riuepg/bitstream/handle/123456789/697/ARTIGO_FranciscoFerrerGuardia.pdf?sequence=1. Acesso em: 21 out. 2023.

KUENZER, A. Z. Educação e trabalho no Brasil: o estado da questão. Brasília: INEP; Santiago: REDUC, 1991.

LUIZETTO, F. Presença do anarquismo no Brasil: um estudo dos episódios literário e educacional. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

MANFREDI, S. M. Educação profissional no Brasil: atores e cenários ao longo da história. Jundiaí: Paco, 2016.

MARCONI, J. G. S.; BEZERRA NETO, L. A educação anarquista e a educação pública estatal brasileira: o encontro de dois paradigmas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 33, p. 142-158, mar. 2009. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v9i33.8639559. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639559/7128 Acesso em: 9 nov. 2023.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MORAES, J. D. Educação integral: notas sobre Charles Fourier, Saint Simon e Pierre-Joseph Proudhon. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 64, p. 191-200, set. 2015. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v15i64.8641936. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641936/9434 Acesso em: 9 nov. 2023.

PERES, F. A. Revisitando a trajetória de João Penteado: o discreto transgressor de limites (1890-1940). Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-14062010-122155/publico/CONTINUACAO.pdf Acesso em: 9 nov. 2023.

PINHO, A. Pela educação e pelo trabalho e outros escritos. São Paulo: Terra Livre, 2015.

PRADO JÚNIOR, C. História econômica do Brasil. 26. ed. São Paulo: Brasiliense, 1981.

PROUDHON, P. Da justiça na revolução e na Igreja: filosofia, justiça e “Politecnia da Aprendizagem”. São Paulo: Intermezzo, 2019.

QUELUZ, G. L. Concepções de ensino técnico na República Velha (1909-1930). Curitiba: CEFETPR, 2000.

QUELUZ, G. L. Método intuitivo e serviço de remodelação do ensino técnico-profissional. Revista Educação & Tecnologia, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 1-13, 1998. Disponível em: http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/revedutec-ct/article/view/1992 Acesso em: 9 jul. 2023.

RODRIGUES, E. Os companheiros. Rio de Janeiro: Editores Associados, 1994. V. 1.

SAMIS, A. Clevelândia: anarquismo, sindicalismo e repressão política no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Entremares: Intermezzo, 2019.

SANTOS, J. A. A trajetória da Educação Profissional. In: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (org.) 500 anos de educação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 205-224.

SANTOS, V. S.; ALVES, T. C. B. Nilo Peçanha e a dinâmica protodesenvolvimentista no estado do Rio De Janeiro: industrialização e intervencionismo estatal durante a Primeira República (1903-1906; 1914-1917). In: ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ECONÔMICA, 10; CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE HISTÓRIA ECONÔMICA, 8., 2020, Osasco, SP. Anais [...]. Osasco, SP: ABPHE: EPPEN/Unifesp, 2020. Disponível em: https://www.abphe.org.br/uploads/X_Enc_Pos_Osasco_2020/Vin%C3%ADcius%20Silva%20_%20Ta%C3%ADs%20Badar%C3%B3.pdf. Acesso em: 9 jul. 2023.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. O choque teórico da politecnia. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 131-152, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462003000100010 Disponível em: https://www.scielo.br/j/tes/a/zLgxpxrzCX5GYtgFpr7VbhG/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 9 jul. 2023.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, jan./abr. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782007000100012 Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/wBnPGNkvstzMTLYkmXdrkWP/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 9 jul. 2023.

SCHUELER, A. F. M.; MAGALDI, A. M. B. M. Educação escolar na Primeira República: memória, história e perspectiva de pesquisa. Tempo, Niterói, v. 13, n. 26, p. 32-55,

DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-77042009000100003 Disponível em: https://www.scielo.br/j/tem/a/KSZxRDV8gHqmvWNmnr8bNnf/abstract/?lang=pt Acesso em: 9 nov. 2023.

SILVA, R. R.; AHAGON, V. Adelino de Pinho: traços biográficos e o pensamento de um educador anarquista. In: SILVA, R. R.; SKODA, A.; AHAGON, V. (org.). Pela educação e pelo trabalho e outros escritos: Adelino Tavares de Pinho. São Paulo: Terra Livre, 2015. p. 11-22.

SILVEIRA, L. A. Em busca do modelo ideal de cidade: as culturas urbanas e escolares em construção a partir do Plano de Melhoramentos da cidade do Rio de Janeiro de 1874. In: ENCONTRO INTERNACIONAL HISTÓRIA & PARCERIAS, 2.; SEMINÁRIO FLUMINENSE DE PÓS-GRADUANDOS EM HISTÓRIA, 6., 2019, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Anpuh, 2019. Disponível em: https://www.historiaeparcerias2019.rj.anpuh.org/resources/anais/11/hep2019/1570588778_ARQUIVO_0d6a849c945af160728d23ef2ee919bb.pdf. Acesso em: 9 jul. 2023.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Leonardo Brito; Francisco Souza

Downloads

Não há dados estatísticos.