Banner Portal
A Base Nacional Comum Curricular como política pública reformista
PDF

Palavras-chave

Educação Básica
BNCC
Reformas educacionais
Rosa Luxemburgo
Políticas públicas

Como Citar

SOUZA, A. C.; SOARES, C. M.; RUCKSTADTER, V. C. M. A Base Nacional Comum Curricular como política pública reformista: uma análise a partir do pensamento de Rosa Luxemburgo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023026, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8674106. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8674106. Acesso em: 27 fev. 2024.

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar as características de uma política pública reformista a partir da reforma educacional brasileira que culminou na implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Por meio de pesquisa bibliográfica e documental é apresentado o papel das políticas públicas e como elas se relacionam com as propostas dos organismos internacionais, de grupos empresarias nacionais. A pesquisa tem como referência teórica o materialismo histórico-dialético, principalmente ligada à discussão sobre reforma e revolução proposta por Rosa Luxemburgo. Concluímos que as atuais reformas educacionais, principalmente aquela que resultou na consolidação da BNCC, têm caráter reformista, elaboradas para atender aos interesses da classe dominante e, portanto, não contemplam os interesses da classe trabalhadora. Porém, as reformas podem ser entendidas também como produtos da indignação, da luta, organização da classe trabalhadora por melhores condições de vida, na formação de sua consciência revolucionária, no processo de superação do modo de produção capitalista, liberal, na conquistas de seu fim último, o socialismo.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8674106
PDF

Referências

BANCO MUNDIAL. Aprendizagem para todos. Investir nos conhecimentos e competências das pessoas para promover o desenvolvimento. Estratégia 2020 para a Educação do Grupo Banco Mundial. Resumo executivo. Washington, 2011. 16 p. Disponível em: https://documents1.worldbank.org/curated/en/461751468336853263/pdf/644870WP00PORT00Box0361538B0PUBLIC0.pdf. Acesso em: 25 jul. 2023.

BRASIL. [Constituição (1998)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Senado Federal, 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 29 jul. 2023.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Ministério da Educação. Portaria nº 399, de 8 de março de 2023. Institui a consulta pública para a avaliação e reestruturação da política nacional de Ensino Médio. 2023a. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-399-de-8-de-marco-de-2023-468762771. Acesso em: 15 jul. 2023.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 2.601 de 2023. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Câmara dos Deputados, 2023b. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=2273386&filename=PL%202601/2023. Acesso em: 15 jul. 2023.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2014. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 15 out. 2023.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Reforma do Ensino Médio. Brasília, Senado Federal, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 25 jun. 2023.

BRASIL. Lei nº 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, Senado Federal, 1996. Disponível em: http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/42/1996/9394.htm. Acesso em: 20 jul. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf. Acesso em: 25 jun. 2023.

D’AVILA, J. B. As influências dos agentes públicos e privados no processo de elaboração da Base Nacional Comum Curricular. 2018. 130 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Centro Oeste. Guarapuava, Paraná, 2018. Disponível em: https://www2.unicentro.br/ppge/. Acesso em: 05 jul. 2023.

DANTAS, A. S.; LIMA, J. C.; SANTOS, M. J. A readequação das políticas educacionais brasileiras à agenda global de educação 2030. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar, Mossoró, v. 9, n. 29, 2023. Disponível em: https://periodicos.apps.uern.br/index.php/RECEI/article/view/4346. Acesso em: 15 jun. 2023.

FORNARI, M. A política de financiamento do banco mundial para a reforma

do ensino médio no governo Temer. 2020. 139 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, 2020. Disponível em: https://tede.unioeste.br/handle/tede/5218. Acesso em: 05 jul. 2023.

FRÖLICH, P. Rosa Luxemburgo: pensamento e ação. Trad. Nélio Schneider, Erica Ziegler. São Paulo: Boitempo: Iskra, 2019.

HAYEK, F. V. A. Os fundamentos da liberdade. São Paulo: Visão, 1983.

HÖFLING, E. M. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, ano XXI, n. 55, p. 30-41, nov. 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/c3PrMtP6V5XVgnWv79btvjs/?lang=pt. Acesso em: 20 jun. 2023.

JOHNSTONE, M. Bernstein, Eduard. In: BOTTOMORE, T. (org.). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

LOUREIRO, I. M. Sou a favor do luxo sob todas as formas. In: LOUREIRO, I. (org.). Socialismo ou barbárie: Rosa Luxemburgo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Estação das Artes, 2009. p. 69-88.

LUXEMBURGO, R. A crise da socialdemocracia. In. LOUREIRO, I (org.). Textos escolhidos. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 77-100.

LUXEMBURGO, R. Reforma Social ou Revolução? São Paulo: Global, 1986.

LUXEMBURGO, R. Reforma, revisionismo e oportunismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

MAISSIN, G. Rosa Luxemburgo, uma teoria em ação. Esquerda. Net. Lisboa, 2019. Disponível em: https://www.esquerda.net/dossier/rosa-luxemburgo-uma-teoria-emacao/59026. Acesso em: 11 jun. 2023.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. L. I. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. In: MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

MOVIMENTO PELA BASE. Quem Somos. 2017. Disponível em: https://movimentopelabase.org.br/quem-somos/. Acesso em: 15 out. 2023.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 17 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1991.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. Rio de janeiro: Lamparina, 2011.

SMITH, A. A riqueza das nações. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

SOARES, C. M. A concepção de estado e de escola na Base Nacional Comum Curricular. 2022. 101 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Norte do Paraná. Jacarezinho, Paraná, 2022. Disponível em: https://uenp.edu.br/mestrado-educacao-tcc-pe/trabalhos-de-conclusao-2022-2/21751-cleyson-mendes-soares/file. Acesso em: 25 jun. 2023.

UNESCO. Declaração de Incheon: rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Incheon, Coréia do Sul: UNESCO, 2016. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000243278_por. Acesso em: 16 out. 2023.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Antonio Souza; Cleyson Soares; Vanessa Ruckstadter

Downloads

Não há dados estatísticos.