Os Salões de Arte Contemporânea de Campinas durante a década de 1960
PDF

Palavras-chave

Salões de Arte
Museu de Arte Contemporânea de Campinas
Grupo Vanguarda
Acervo
Arte Contemporânea.

Como Citar

ZAGO, R. C. de O. M. Os Salões de Arte Contemporânea de Campinas durante a década de 1960. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 1, n. 3, p. 237–262, 2017. DOI: 10.24978/mod.v1i3.890. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662235. Acesso em: 2 mar. 2024.

Resumo

Os Salões de Arte Contemporânea de Campinas aconteceram no Museu de Arte Contemporânea de Campinas de 1965 a 1977, retomados posteriormente em duas edições, nos anos 1980. As exposições podem ser divididas em dois momentos distintos: no primeiro, de 1965 a 1969, em que as obras eram inscritas nas categorias estéticas tradicionais e, no segundo, de 1970 a 1976, em que houve uma grande preocupação dos organizadores da mostra em atualizá-la. Neste artigo será analisada a trajetória das exposições realizadas durante a década de 1960, procurando dar ênfase às diretrizes que as nortearam e ao tipo de arte que abrigaram.

https://doi.org/10.24978/mod.v1i3.890
PDF

Referências

AMARAL, Aracy (org.). Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Editora Perspectiva, 1981.

________ et al. Apresentação. V Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Campinas: MACC, 1969.

BRETT, Guy. Ativamente o vazio. In: SALZSTEIN, Sônia (org.). No vazio do mundo: Mira Schendel. São Paulo: Editora Marca D’Água, 1996.

CATTANI, Icleia. Os salões de arte são espaços contraditórios. In: FERREIRA, Glória (org.). Crítica de Arte no Brasil: temáticas contemporâneas. Rio de Janeira: Funarte, 2006.

CORDEIRO, Waldemar (org.). Propostas 65. São Paulo: FAAP, 1965. Catálogo de exposição.

FAVARETTO, Celso. Das Novas Figurações à Arte Conceitual. In: Tridimensionalidade. São Paulo: Instituto Cultural Itaú, 1997.

FERRO, Sérgio. Apresentação. In: III Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Campinas: MACC, 1967.

FONSECA, Days Peixoto. Thomaz Perina – Paisagens. Campinas: Aliança Francesa, 1990. Catálogo de exposição.

FONSECA, Days Peixoto; SILVA, José Armando Pereira da. Thomaz Perina – Pintura e Poética. Campinas: [s.n.], 2005.

LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.

LUZ, Angela Ancora da. Uma Breve História dos Salões de Arte. Da Europa ao Brasil. Rio de Janeiro: Caligrama Edições, 2005.

MORAIS, Frederico. Artes plásticas: a crise da hora atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

________. Antônio Henrique Amaral: Obra em processo. São Paulo: DBA editora, 1997.

________ (org.). Opinião 65. Rio de Janeiro: BANERJ, 1985. Catálogo de exposição.

OLIVEIRA, Emerson Dionísio Gomes de. Identidade, arte e instituições: as disputas nos salões de arte nos anos 1960. Revista Esboços. Florianópolis, v.18. nº 25, p. 212-236, ago. 2011a.

________. A arte de julgar: apontamentos sobre os júris de salões brasileiros nos anos de 1960. In: Anais do XXXI Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte, 2011, Campinas: UNICAMP, 2011b, p. 475-487.

________. Material Educativo: Acervo em Evidência. Campinas: MACC, 2004.

________. Museus de Fora: a visibilidade dos acervos de arte contemporânea no Brasil. Porto Alegre: Zouk, 2010.

PEDROSA, Mário. Arte Ambiental, Arte Pós-Moderna, Hélio Oiticica. In: AMARAL, Aracy (org.). Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Editora Perspectiva, 1981.

PONTUAL, Roberto. Arte Brasil hoje. 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.

¬¬________. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

RIBEIRO, Marília Andrés. Neovanguardas: Belo Horizonte – anos 1960. Belo Horizonte: C/Arte, 1997.

SCHENBERG, Mário. Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988.

VIVAS, Rodrigo. Por uma História da Arte em Belo Horizonte: artistas, exposições e salões de arte. Belo Horizonte: C/Arte, 2012.

ZANINI, Walter. Duas décadas Difíceis: 60 e 70. In: AGUILAR, Nelson (org.). Bienal Brasil Século XX. São Paulo: Fundação Bienal, 1994.

SANTOS, Nelyane. "Os Salões e Bienais na década de 1960” In> SEPOGA, 2016.

Catálogos dos SACCS:

I Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Campinas: MACC, 1965.

II Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Campinas: MACC, 1966.

III Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Campinas: MACC, 1967.

IV Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Campinas: MACC, 1968.

V Salão de Arte Contemporânea de Campinas. Campinas: MACC, 1969.

Teses e dissertações:

CAMPOS, Crispim Antônio. Um olhar sobre o Grupo Vanguarda: uma trajetória de luta, paixão e trabalho. 1996. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Educação – Universidade Estadual de Campinas, Campinas - São Paulo, 1996.

JAREMTCHUK, Dária Gorete. Jovem Arte Contemporânea no MAC da USP. 1999. [166p.] (Dissertação de Mestrado em Artes) – Escola de Comunicação e Artes – Universidade de São Paulo - São Paulo, 1999.

PORTO Filho, Geraldo Nogueira. Geraldo Porto: uma participação na arte contemporânea do brasil no contexto da contracultura dos anos setenta. 2011. [180p.] (Tese de doutorado em Artes) – Instituto de Artes – Universidade Estadual de Campinas, Campinas – São Paulo, 2011.

SANTOS, Nelyane Gonçalves. A História da Arte de Belo Horizonte a partir de Obras dos Salões Municipais entre 1964 e 1968. 2014. [166p.] (Dissertação de Mestrado em Artes) – Escola de Belas Artes – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte – Minas Gerais, 2014.

VIVAS, Rodrigo. Os salões municipais de belas artes e a emergência da arte contemporânea em Belo Horizonte: 1960-1969. 2008. (Tese de Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas – São Paulo, 2008.

ZAGO, Renata Cristina de Oliveira Maia. Os Salões de Arte Contemporânea de Campinas. 2007. [160 p.] (Dissertação de Mestrado em Artes) – Instituto de Artes – Universidade Estadual de Campinas, Campinas - São Paulo, 2007.

Depoimentos:

CARO, B. Depoimento concedido por Bernardo Caro à pesquisadora. Campinas, 24 jun. 2004.

PERINA, T. Depoimento concedido por Thomaz Perina à pesquisadora. Campinas, 22 set. 2004.

Artigos de jornais:

MENDES, José de Castro. Exposição conjunta de pintores modernistas campineiros. Correio Popular, 1957.

MENTEN, Paulo. 1º Salão de Campinas: Um Exemplo. Revista RIC, [S.I.], [1965].

Salão mobiliza mundo artístico nacional. Diário do Povo, Campinas, 4 jul. 1965.

Salão de Arte reunirá mais de duas centenas de artistas. Diário do Povo, Campinas, 6 ago.1965.

SAC: Arte de Vanguarda na Avenida da Saudade. Correio Popular, Campinas, 29 ago.1965.

Inaugurado ontem o I Salão de Arte Contemporânea de Campinas: Premiados. Diário do Povo, Campinas, 2 set.1965.

Correio Popular. Campinas, 5 set. 1957.

O Salão de Arte e o sucesso. Correio Popular, Campinas, 10 set. 1966.

Salão de Arte Contemporânea apresentará 1446 trabalhos. Diário do Povo, Campinas, 23 set. 1966.

LAUS, Harry. Salão de Campinas. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 1 jun. 1967.

Salão de Campinas tem júri. O Estado de São Paulo, 26 ago. 1967.

Salão de Arte: seleção de trabalhos. Diário do Povo, Campinas, 2 set.1967.

III Salão de Arte Contemporânea: inauguração ontem. Correio Popular, Campinas, 1 out. 1967.

Inauguração do II Salão de Arte Contemporânea. Correio Popular, Campinas, 3 out. 1967.

Museu e comissão explicam os acontecimentos do Salão. Diário do Povo, Campinas, 3 out. 1967.

O Salão voltou a ter a sua paz. Diário do Povo, Campinas, 05 out. 1967.

Arte Contemporânea: 79 artistas compareceram com 203 trabalhos. Correio Popular, Campinas, 4 set. 1968.

IV Salão de arte Contemporânea Correio Popular, Campinas, 5 nov. 1968.

MORAIS, Frederico. “Bovinocultura” – Sociedade do Boi. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 15 jan. 1969.

A Arte nos nossos tempos no V Salão Contemporâneo. Correio Popular, Campinas, 16 out. 1969.

Correio Popular, Campinas, 19 out. 1969.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 MODOS

Downloads

Não há dados estatísticos.