Historiografias do Contemporâneo
PDF

Palavras-chave

Genealogia
Conceitualismo
Arte Conceitual
tradução.

Como Citar

ASBURY, Michael. Historiografias do Contemporâneo. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 1, n. 2, p. 88–97, 2017. DOI: 10.24978/mod.v1i2.760. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662311. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

Desde o advento da exposição Global Conceptualisms: points of origin 1950s-1980s’, realizada no Museu de Queens, Nova York, em 1999, o termo “conceitualismo” firmou-se como o principal meio para descrever “práticas artísticas globais” de 1950 até à presente data. O termo foi se consolidando e, em grande medida ultrapassou as intenções originais da exposição para tornar-se uma forma derivativa da arte conceitual norte-americana. Tenho como hipótese de que essa relação histórica com arte conceitual é metodologicamente problemática, já que ela foi um movimento amplamente descrito como tendo surgido a partir da rejeição do formalismo greenbergiano e sua crença na especificidade dos meios. Nesse sentido, é uma denominação que é cultural, geopolítica e historicamente situada. Minha palestra terá por objetivo discutir outras terminologias possíveis para essas práticas diversas, enfatizando genealogias em que propostas de caráter conceitual surgiram sem reação direta com essa genealogia específica com a arte conceitual canônica.
https://doi.org/10.24978/mod.v1i2.760
PDF

Referências

AGAMBEN, Giorgio. What is an apparatus? And other essays. Stanford University Press, 2009.

BENJAMIN, Walter. “A tarefa do tradutor”. In: Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). São Paulo: Ed. 34, 2011. Trad. Susana Kampf Lages e Ernani Chaves.

BENJAMIN, W. The task of the translator. In Illuminations, New York, Schocken Books, 1969.

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Trad. Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

CAMPOS, Haroldo et alli. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006.

CAMPOS, Haroldo. Transcriação. Marcelo Tapia (org.). São Paulo: Perspectiva, 2013.

DERRIDA, Jacques. Of Gramatology. Baltimore, MD: JHU, 1998.

DOS ANJOS, Moacir. Contraditório. Panorama da arte brasileira. São Paulo: Museu de Arte Moderna, 2007.

KOSUTH, Joseph. “Art After Philosophy”. In: HARRISON; WOOD. Art in Theory. Oxford: Blackwell, 2001 [1969].

LÓPEZ, Miguel Angel. “How Do We Know What Latin American Conceptualism Looks Like?” Afterall, nº 23 (Spring 2010), s/p.

OSBORNE, Peter. Anywhere or not at all: The Philosophy of Contemporary Art. Londres: Verso, 2013.

RAMIREZ, Mari Carmen. “Circuito das heliografias: arte conceitual e política na América Latina”. Revista Arte & Ensaios. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais EBA-UFRJ, nº 8, 2001, p. 155-163.

RICOEUR, Paul. On Translation. Trad.Eileen Brennam. London: Routledge, 2006

SMITH, Terry. Contemporary Art: World Currents. Londres: Prentice Hall, 2011.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 MODOS

Downloads

Não há dados estatísticos.