Anticlassicismo da apropriação de imagem no tempo presente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v4i2.4550

Palavras-chave:

Apropriação de Imagem. Anticlassicismo. Arte no Brasil.

Resumo

Procedimento muitas vezes visto pela historiografia da arte como marginal e periférico, a apropriação de imagem tem sido fundamental para artistas contraporem valores entre tempos históricos distintos. O artigo objetiva refletir acerca dos desvios semânticos presentes nas abordagens de produções dos artistas brasileiros Caetano de Almeida, Renato Medeiros, Alex Flemming, Odires Mlászho, Camila Soato e Calasans Neto, que utilizam a apropriação de imagem de obras classiciantes, com ênfase na francesa Orlan. As reflexões originam-se de conteúdos inicialmente abordados em pesquisa de doutoramento, agora ampliados, e utiliza uma combinação dos métodos de análise e síntese, analítico-comparativo e conhecimentos do método histórico. Os artistas enfocados evidenciam olhares críticos e anticlássicos ao contrapor culturas e tradições distintas, em especial em obras classicizantes de Ingres e David. Seus tabalhos resultam em apropriações de imagens de obras-fontes de diversas origens e tempos históricos, constituindo-se em manifestações híbridas que rechaçam valores colonialistas e eurocentristas, e trazem à luz questões pluralistas relevantes do tempo presente. O artigo conclui ser a apropriação de imagem um locus preferencial das expressões da arte contemporânea, por conferir novos e diferenciados significados à arte antiga.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dilson Rodrigues Midlej, Universidade Federal da Bahia

Professor Adjunto de História da Arte da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (EBA/UFBA). Associado da ANPAP, Doutor em Artes Visuais pelo PPGAV EBA – UFBA (2017), Mestre em Artes Visuais (2008), na linha de pesquisa História da Arte Brasileira, Especializado em Crítica de Arte (1984) e Bacharel em Artes Plásticas (1982), todos os títulos fornecidos pela UFBA.

Referências

ALMEIDA, C. de. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2016.

AMARAL, A. Visita a Caetano de Almeida. In: _____. Textos do Trópico de Capricórnio: artigos e ensaios (1980-2005), vol. 3. São Paulo: Editora 34, 2006, p. 267-268.

ARGAN, G. C. Clássico anticlássico: o Renascimento de Brunelleschi a Bruegel. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BHABHA, H.K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

COELHO, T; MOLINO, D. D. B. Olhar e ser visto. São Paulo: Comunique, 2008. Catálogo de exposição (Coleção Masp).

DAVIES, P. J. E. et al. A nova história da arte de Janson: a tradição ocidental. 9. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

DIDI-HUBERMAN, G. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013 (Coleção ArteFíssil; 5).

FRAGA, M. (org.). Calasans Neto. Salvador: Oiti Editora e Produções Culturais, 2007.

GINZBURG, C. Medo, reverência, terror: quatro ensaios de iconografia política. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

MARCHI, S.M.O. Presenças do corpo feminino na arte: aproximações a partir de Orlan. 2009. 123 f. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais). Rio Grande do Sul: Universidade Federal de Santa Maria, 2009.

MASP abre espaço para a fotografia: FotoBienalMASP rompe as fronteiras da arte. In: casavogue.globo.com. 16 ago. 2013. Disponível em:<http://casavogue.globo.com/ MostrasExpos/noticia/2013/08/masp-fotografia-fotobienalmasp.html>. Acesso em: 6 jun. 2017.

MIDLEJ, D. R. Apropriação de imagens nas artes visuais no Brasil e na Bahia. 2018. 386 f. Tese (Doutorado em Artes Visuais). Salvador: EBA, Universidade Federal da Bahia, 2017.

RIBEIRO, C. F. As fontes de inspiração. In: ______. Velázquez e o realismo. 1. ed. São Paulo: Grua, 2017, p. 249-280.

SCHMIDLIN, C.; GERNER, C. E. O gótico. [s.l.]: Ullmann Publishing, 2009.

Downloads

Publicado

2020-05-25

Como Citar

MIDLEJ, D. R. Anticlassicismo da apropriação de imagem no tempo presente. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 272–287, 2020. DOI: 10.24978/mod.v4i2.4550. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662845. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - A arte antiga no tempo presente