Ascensão e declínio da curadoria pedagógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v4i2.4328

Palavras-chave:

Bienal de São Paulo. Bienal do Mercosul. Curadoria pedagógica. Curadoria educativa. Mediação cultural.

Resumo

O artigo pretende discutir a trajetória da curadoria pedagógica em duas das principais exposições de arte no Brasil, buscando assim contribuir com a história dessas exposições no país. Nesse percurso, discute-se algumas das condições de emergência dessa atividade, assim como o que ela teria produzido. Também se especula sobre as consequências de sua diluição ou mesmo extinção. Partindo de comentários de Gabriel Pérez-Barreiro, curador da 6a Bienal do Mercosul em 2007 e da 33a Bienal de São Paulo em 2018, dos quais retira tanto um índice de questões quanto algumas categorias de análise, o artigo adota uma forma ensaística na qual as histórias dessas duas exposições se cruzam de maneira talvez inesperada. O resultado é uma reflexão sobre as questões abertas para a mediação (ou educação) em exposições de arte nessa década (de 2007 a 2017), a partir de sua “promoção” a curadoria. A conclusão é que, se a curadoria pedagógica foi extinta, talvez não seja o caso revivê-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cayo Honorato, Universidade de Brasília

Professor Adjunto no Departamento de Artes Visuais (VIS) do Instituto de Artes (IdA) da Universidade de Brasília (UnB), na área de História e Teoria da Educação em Artes Visuais; orientador credenciado no Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da UnB, com pesquisa sobre a atuação dos públicos e a mediação cultural, no âmbito das relações entre as artes e a educação; as conjunções e disjunções entre as artes e a educação; as relações entre arte, educação e política. Doutor em Educação pela Faculdade de Educação (FE) da Universidade de São Paulo (USP), na linha de Filosofia e Educação, com estágio na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Granada (UGR), Espanha; mestre em Educação pela Faculdade de Educação (FE) da Universidade Federal de Goiás (UFG), na linha de Cultura e Processos Educacionais; especialista em Arte Contemporânea e bacharel em Artes Visuais pela Faculdade de Artes Visuais (FAV) da UFG. É vice-líder do grupo Mediação em Arte e Cultura: Teorias e Práticas, cadastrado no CNPq. Integra a rede Another Roadmap for Arts Education desde 2015. É pesquisador associado do Centre for the Study of the Networked Image (CSNI) da London South Bank University (LSBU), Reino Unido, desde 2018.

Referências

BARBIERI, S. Apresentação: Mapeando pensamentos. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2011. (Material educativo da exposição Em Nome dos Artistas).

CAMNITZER, L. Introdução. In: CAMNITZER, L.; PÉREZ-BARREIRO, G. (org.). Educação para a arte/Arte para a educação. Porto Alegre: Fundação Bienal do Mercosul, 2009, p. 13-28.

CAMNITZER, L.; HONORATO, C. Arte como atitude. Revista Concinnitas, Rio de Janeiro, v. 1, n. 12 (9), p. 76-85, 2008. Disponível em: <http://bit.ly/2nFaeLY>. Acesso em: 1 out. 2019.

COHEN, A. P.; MESQUITA, I. Relatório da curadoria da 28a Bienal de São Paulo. Fórum Permanente, São Paulo, abr. 2009. Não paginado. Disponível em: <http://www.forumpermanente.org/event_pres/exposicoes/28a-bienal/relatorio>. Acesso em: 1 out. 2019.

COLETIVO AUTÔNOMO DE MEDIADORXS. Declaração. Porto Alegre: [s.n.], 05 nov. 2013. Não paginado. Disponível em: <https://coletivoam.wordpress.com/2013/11/06/declaracao-2/ >. Acesso em: 1 out. 2019.

DEWDNEY, Andrew; WALSH, Victoria. Da diversidade cultural aos limites do modernismo estético: políticas culturais da coleção nacional, mecanismos de exibição e exposição. Periódico Permanente, São Paulo, n. 6, 2016. Não paginado. Disponível em: <http://www.forumpermanente.org/revista/numero-6-1/sumario>. Acesso em: 1 out. 2019.

FOLHA DE SÃO PAULO. Bienal de São Paulo importa modelo gaúcho de gestão. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 jul. 2009. Não paginado. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1307200908.htm>. Acesso em: 1 out. 2019.

FÓRUM PERMANENTE. Encontro com Gabriel Pérez-Barreiro. Fórum Permanente, São Paulo, 13 dez. 2017. Disponível em: <http://www.forumpermanente.org/event_pres/encontros/encontro-com-gabriel-perez-barreiro/encontro-com-gabriel-perez-barreiro>. Acesso em: 1 out. 2019.

FUNDAÇÃO BIENAL DE SÃO PAULO. Relatório de gestão e contribuições à sociedade, 2011-2012. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2012. Disponível em: <https://issuu.com/bienal/docs/relatorio_gestao_2011_2012>. Acesso em: 1 out. 2019.

_____. 33a Bienal revê o papel da curadoria. Fundação Bienal de São Paulo, São Paulo, 31 out. 2017. Disponível em <http://www.bienal.org.br/post/4382>. Acesso em: 1 out. 2019.

___. Convite à atenção. Fundação Bienal de São Paulo, São Paulo, 21 mar. 2018. Disponível em: < http://www.bienal.org.br/agenda/4956 >. Acesso em: 01 out. 2019.

HELGUERA, Pablo. Introdução: In: HELGUERA, Pablo; HOFF, Mônica. Pedagogia no campo expandido. Porto Alegre: Fundação Bienal do Mercosul, 2011, p. 5-7.

HOFF, Mônica. Mediação (da arte) e curadoria (educativa) na Bienal do Mercosul, ou a arte onde ela “aparentemente” não está. Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 69-87, 2013. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tint/article/view/5543>. Acesso em: 1 out. 2019.

HONORATO, Cayo. Perishable notes about problems that do not exist: an analysis based on the 31st São Paulo Biennial Educational Program. s.l.: s.n., 2019. Disponível em: <http://www.saopaulobienalstories.org/>. Acesso em 1 out. 2019.

MINERINI NETO, José. Educação nas Bienais de Arte de São Paulo: dos cursos do MAM ao Educativo Permanente. 2014. Tese (Doutorado em Artes) – ECA USP, São Paulo, 2014. Disponível em: <https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27160/tde-01122014-161256/pt-br.php>. Acesso em: 1 out. 2019.

MOLINA, Camila. “Medidas da Incerteza” é o tema da 32ª Bienal de São Paulo, em 2016. O Estado de São Paulo, São Paulo, 4 fev. 2015. Não paginado. Disponível em: <https://cultura.estadao.com.br/noticias/artes,medidas-da-incerteza-e-o-tema-da-32-bienal-de-sao-paulo-em-2016,1629448 >. Acesso em: 1 out. 2019.

MORTON, Tom. Are you being served? Frieze, London, n. 101, p. 181-183, 2006.

O'NEILL, Paul; WILSON, Mick (ed.). Curating and the educational turn. Amsterdam: Open Editions, 2010.

VERGARA, Luiz Guilherme. Curadoria Educativa: Percepção Imaginativa/ Consciência do Olhar. In: Anais do 8º Encontro Nacional da ANPAP. São Paulo: ECA USP, 1996. (Republicado em: CERVETTO, Renata; LÓPEZ, Miguel A. (ed.). Agite antes de usar: deslocamentos educativos, sociais e artísticos na América Latina. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018, p. 39-46).

Downloads

Publicado

2020-05-04

Como Citar

HONORATO, C. Ascensão e declínio da curadoria pedagógica. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 27–37, 2020. DOI: 10.24978/mod.v4i2.4328. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662849. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos - Colaborações