Questionar para reafirmar

Reflexões sobre o “rolezinho” curatorial e político da 33ª Bienal de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i1.4088

Palavras-chave:

Bienal de São Paulo, curadoria, Goethe, Mário Pedrosa, poder, autoridade.

Resumo

O artigo analisa o projeto curatorial da 33ª Bienal de São Paulo a partir de sua estrutura conceitual. Para isso, desenvolve uma análise que confronta as duas principais referências da curadoria: Afinidades eletivas, de Goethe, e Da natureza afetiva da forma na obra de arte, de Mário Pedrosa. Ao apontar o que considera ser uma amputação conceitual que escamoteia contextos, intenções e complexidades por parte da curadoria, o texto desenvolve uma reflexão sobre o quanto o gesto curatorial dissipa sua intenção de horizontalidade ao performar e reiterar um exercício de poder e autoridade. Tal aspecto se reforçaria pela mobilização de uma espécie de pedagogia democrática que, partindo da experiência da arte, apostou na “dissolução das identidades” e no “avanço além dos discursos identitários” como seu horizonte político. Defendendo que a arte não se dá como instância à parte de seus contextos sociais, a autora discute que a aposta curatorial na relação entre sujeito e objeto de arte resultou em um projeto conservador, por não ter levado em conta a complexidade das construções históricas que constituem e circunscrevem tanto um quanto outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarissa Diniz, Escola de Artes Visuais do Parque Lage

Curadora e escritora em arte. Professora colaboradora da Escola de Artes Visuais do Parque Lage e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ. Mestre em Artes pela UERJ. Foi gerente de conteúdo do MAR-Rio entre 2013 e 2018, onde desenvolveu também projetos curatoriais. Entre 2006 e 2015, foi editora da Tatuí, revista de crítica de arte. Foi curadora-assistente do Programa Rumos Artes Visuais 2008/2009 (Instituto Itaú Cultural) e, entre 2008 e 2010, integrou o Grupo de Críticos do Centro Cultural São Paulo.

Referências

BANIWA, Denilson. Aparição do pajé-onça no pavilhão da Bienal de São Paulo. Ação realizada na 33ª Bienal de São Paulo, 17 nov. 2018a.

_____. Sobre a retomada da antropofagia como resistência da arte indígena. Texto lido na Casa do Povo, São Paulo, 13 nov. 2018b.

BORGES, Sofia. NO SOUND [texto de apresentação do projeto]. São Paulo, Galeria Milan, 2015.

_____. A infinita história das coisas ou o fim da tragédia do um. Apresentação da exposição [texto de parede]. 33ª Bienal de São Paulo, 2018.

CALDAS, Waltercio. Os aparecimentos. Disponível em: <http://33.bienal.org.br/pt/exposicao-coletiva-detalhe/5223>. Acesso em: 10 nov. 2018.

FUNDAÇÃO BIENAL DE SÃO PAULO. Bem-vindo. In: 33bienal/sp [afinidades afetivas] 2018 mapa [folder da exposição].

GOETHE, Johann Wolfgang von. As afinidades eletivas. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2014.

KELIAN, Lilian L’Abbate; WEFFORT, Helena Freire. O exercício da atenção. In: 33ª Bienal de São Paulo: afinidades afetivas: convite à atenção. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2018, p. 33-55.

PEDROSA, Mário. Arte culta e arte popular (1975). In.: MAMMI, Lorenzo (org.). Ensaios: Mário Pedrosa. São Paulo: Cosac Naify, 2015, p. 537-550.

_____. As tendências sociais da arte e Käthe Kollwitz (1933). In: MAMMI, Lorenzo (org.). Ensaios: Mário Pedrosa. São Paulo: Cosac Naify, 2015, p. 25-47.

_____. Crise do condicionamento artístico (1966). In: MAMMI, Lorenzo (org.). Ensaios: Mário Pedrosa. São Paulo: Cosac Naify, 2015, p. 351-358.

_____. Da natureza afetiva da forma na obra de arte (1949). In: Arte, forma e personalidade. São Paulo: Kairós, 1979, p. 12-86.

_____. Discurso aos tupiniquins ou nambás (1975). In: MAMMI, Lorenzo (org.). Ensaios: Mário Pedrosa. São Paulo: Cosac Naify, 2015, p. 551-559.

_____. Mundo em crise, homem em crise, arte em crise (1967). In: MAMMI, Lorenzo (org.). Ensaios: Mário Pedrosa. São Paulo: Cosac Naify, 2015, p. 432-439.

PÉREZ-BARREIRO, Gabriel. A atenção como prática curatorial. In: 33ª Bienal de São Paulo: afinidades afetivas: convite à atenção. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2018, p. 25-32.

Downloads

Publicado

2019-01-18

Como Citar

DINIZ, C. Questionar para reafirmar: Reflexões sobre o “rolezinho” curatorial e político da 33ª Bienal de São Paulo. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 250–265, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i1.4088. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662927. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Ex-posições/33ª Bienal de São Paulo