Guerra das luzes

Visão e olhar na obra de Harun Farocki

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i1.3761

Palavras-chave:

Harun Farocki, visão sem olhar, imagens operacionais, máquinas de visão.

Resumo

A partir da análise interpretativa das obras Um dia na vida de um consumidor (1993), Eu pensei que estava vendo condenados (2000), Olho/Máquina (2000-2003) e Os criadores dos impérios das compras (2005), de Harun Farocki, este texto busca desenvolver uma aproximação entre as formas de organização social e seus sistemas armamentistas, especificamente considerando o uso de imagens técnicas em conflitos de guerra ao longo do século XX. A análise será complementada por considerações de Paul Virilio e Jonathan Crary, autores que constatam um uso crescente de dispositivos e imagens técnicas como meios de controle da percepção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Albuquerque de Almeida, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Estética e História da Arte pela Universidade de São Paulo (PGEHA-USP), com pesquisa sobre imagens de tempo nas poéticas tecnológicas, sob orientação do prof. Dr. Ricardo Nascimento Fabbrini. 

Referências

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica (1936). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. (Obras escolhidas, v. 1) São Paulo: Brasiliense, 1987.

CRARY, Jonathan. 24/7: Capitalismo tardio e os fins do sono (2013). São Paulo: Cosac Naify, 2014.

_____. Suspensões da percepção: Atenção, espetáculo e cultura moderna (1999). São Paulo: Cosac Naify, 2013.

_____. Técnicas do observador: Visão e modernidade no século XIX (1990). Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

FAROCKI, Harun. Influencia cruzada / Montaje blando (2002). Desconfiar de las imágenes. Buenos Aires: Caja Negra, 2013.

VIRILIO, Paul. A máquina de visão (1988). Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

_____. Estética da desaparição (1979). Rio de Janeiro: Contraponto, 2015.

_____. Guerra e cinema: logística da percepção (1983). São Paulo: Boitempo, 2005.

Audiovisuais

EU PENSEI QUE ESTAVA VENDO CONDENADOS. Direção e roteiro: Harun Farocki. Título original: Ich glaubte Gefangene zu sehen. Alemanha: Harun Farocki Filmproduktion; Generali Foundation, 2000. (23 min.).

OLHO/MÁQUINA I (2000). Direção e roteiro: Harun Farocki. Título original: Auge / Maschine I. Alemanha, 2000 (23 min.).

OLHO/MÁQUINA II. Direção e roteiro: Harun Farocki. Título original: Auge / Maschine II. Alemanha, 2001 (15 min.).

OLHO/MÁQUINA III. Direção e roteiro: Harun Farocki. Título original: Auge / Maschine III. Alemanha, 2003 (25 min.).

OS CRIADORES dos impérios das compras. Direção e roteiro: Harun Farocki. Título original: Die Schöpfer der Einkaufswelten. Alemanha: Harun Farocki Filmproduktion; SWR; NDR; WDR, 2005 (72 min.).

TRIUNFO da vontade. Direção: Leni Riefenstahl. Título original: Triumph des Willens. Alemanha: Leni Riefenstahl-Produktion; NSDAP – Reichsleitung, 1934 (120 min.).

UM DIA na vida de um consumidor. Direção e roteiro: Harun Farocki. Título original: Ein Tag im Leben der Endverbraucher. Alemanha: Harun Farocki Filmproduktion; Berlin for SWF; WDR, 1993 (44 min.).

Downloads

Publicado

2019-01-18

Como Citar

ALMEIDA, F. A. de. Guerra das luzes: Visão e olhar na obra de Harun Farocki. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 163–178, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i1.3761. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662936. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - A Emergência da imagem crítica