Imagens de atelier na crítica de arte de Adalberto Mattos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i2.4090

Palavras-chave:

Adalberto Mattos, atelier do artista, studio studies, crítica de arte, arte brasileira.

Resumo

O trabalho propõe-se a analisar a série de reportagens Os nossos artistas e os seus ateliers, do crítico de arte Adalberto Mattos (1888-1966). Os textos foram publicados ao longo da década de 20 na Revista Illustração Brasileira, junto a fartas reproduções fotográficas, permitindo-nos não só conhecer os ateliers de artistas de sua geração quanto questionar os sentidos dados a esses espaços.  A partir do material acima e de referências sobre o recente campo dos studio studies, pretende-se refletir sobre os modelos de ateliers estabelecidos por Mattos e como eles, por sua vez, se relacionam aos seus juízos críticos sobre a imagem do artista, a boa obra de arte e os anseios sociais de sua época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Victor Rossetti Brancato, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em História pela Universidade Estadual de Campinas. Mestre, bacharel e licenciado em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Uma versão parcial desse artigo foi apresentada no III Encontro de Pesquisas em História da Arte, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em História da Arte da Unifesp, em novembro de 2018

Referências

BRANCATO, João Victor Rossetti. Crítica de arte e modernidade no Rio de Janeiro: intertextualidade na imprensa carioca dos anos 20 a partir de Adalberto Mattos (1888-1966). 2018. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas, UFJF, Juiz de Fora.

______. A imprensa bate à porta: Adalberto Mattos e Angyone Costa nos ateliers do Rio de Janeiro na década de 20. Atas do XI Encontro de História da Arte. Campinas: UNICAMP/IFCH, 2015. Disponível em: <https://www.ifch.unicamp.br/eha/atasXIeha.html>. Acesso em: 18 dez. 2018.

BRANDÃO, Gilda Vilela. Resenhando O momento literário, de João do Rio. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 6, 2002. Disponível em: <http://revista.abralic.org.br/index.php/revista/article/view/89>. Acesso em: 18 dez. 2018.

COSTA, Angyone. A inquietação das abelhas: (o que pensam e o que dizem os nossos pintores, esculptores, architectos e gravadores, sobre as artes plásticas no Brasil). Pimenta de Mello, 1927.

CREMONA, Ercole. O atelier de J. Baptista da Costa. Revista Illustração Brasileira, Rio de Janeiro, ano III, n. 28, dez. 1922.

______. Atelier Rodolpho Chambelland. RIB, ano IV, n. 37, set. 1923.

DAZZI, Camila Carneiro. “Pôr em prática a reforma da antiga Academia”: a concepção e a implementação da reforma que instituiu a Escola Nacional de Belas Artes em 1890. 2011. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – EBA/UFRJ, Rio de Janeiro.

ESNER, Rachel. Pourquoi l’atelier compte-t-il plus que jamais? Perspective, Paris, n. 1, 2014. Disponível em: <https://journals.openedition.org/perspective/4297>.Acesso em: 18 dez. 2018.

______. In the Artist’s Studio with L’Illustration. RIHA Journal, n. 69, 18 mar. 2013. Disponível em: <https://www.riha-journal.org/articles/2013/2013-jan-mar/esner-lillustration>. Acesso em: 18 dez. 2018.

FRACCARO, Glaucia. Os direitos das mulheres: organização social e legislação trabalhista no entreguerras brasileiro (1917-1937). 2016. Tese (Doutorado em História) – IFCH/Unicamp, Campinas

KRIS, Ernst; KURZ, Otto. Lenda, mito e magia na imagem do artista: uma experiência histórica. Lisboa: Editorial Presença, 1988.

LICHTENSTEIN, Jacqueline (org.). A pintura: textos essenciais. São Paulo: Ed. 34, 2006, vol. 3.

MATTOS, Adalberto. Mostras de Arte: Exposição Brazileira. RIB, ano I, n. 3, nov. 1920.

______. Os nossos artistas e os seus ateliers. RIB, ano II, n. 9, maio 1921.

______. Os nossos artistas e os seus ateliers. RIB, ano II, n. 13, set. 1921.

______. Os nossos artistas e os seus ateliers. RIB, ano II, n. 15, nov. 1921.

______. Os nossos artistas e os seus ateliers. RIB, ano III, n. 20, abril 1922.

______. Os nossos artistas e os seus ateliers. RIB, ano III, n. 21, maio 1922.

______. Atelier Antonino Mattos. RIB, ano IV, n. 33, maio 1923.

______. Atelier Bernardelli. RIB, ano IV, n. 36, ago. 1923.

______. Atelier Parreiras. RIB, ano IV, n. 28, out. 1923.

________. Artistas da corporação. RIB, Rio de Janeiro, ano V, n. 48, ago. 1924.

______. Um lar de artistas. RIB, ano VI, n. 60, ago.1925.

______. A decoração da cidade. Para todos, Rio de Janeiro, ano VIII, n. 376, 27 fev. 1926.

NOGUEIRA, Manuela Henrique. Georgina de Albuquerque: trabalho, gênero e raça em representação. 2016. Dissertação (Mestrado em Estudos Brasileiros) – IEB/USP, São Paulo.

OLIVEIRA, Ana Lúcia Machado de; GENS, Rosa Maria de Carvalho. Flanando pela alma encantadora das ruas. In: RIO, João do. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

PANOFSKY, Erwin. Idea: a evolução do conceito de belo. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

PITTA, Fernanda Mendonça. Um povo pacato e bucólico: costume, história e imaginário na pintura de Almeida Júnior. 2013. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – ECA/USP, São Paulo.

RIO, João do. O momento literário. Fundação Biblioteca Nacional, s/d. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br.> Acesso em: 18 dez. 2018.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Entre convenções e discretas ousadias: Georgina de Albuquerque e a pintura histórica feminina no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 2002, vol. 17, n. 50. Disponível em: <http://ref.scielo.org/7z55jb>. Acesso em: 18 dez. 2018.

SOUZA, Nabil Araújo de. O advento da moderna crítica literária na França do século XIX: de Mme. Stäel a Gustave Lanson. Caligrama: Revista de Estudos Românicos, Belo Horizonte, vol. 11, dez. 2006. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/caligrama/article/view/203>. Acesso em: 18 dez. 2018.

SQUEFF, Leticia. O Brasil nas letras de um pintor: Manoel de Araújo Porto Alegre (1806-1879). Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

STURGIS, Alexander; CHRISTIANSEN, Rupert; OLIVER, Lois; WILSON, Michael. Rebels and Martyrs: The Image of the Artist in the Nineteenth Century. Londres: National Gallery Company Limited, 2006.

VALLE, Arthur; DAZZI, Camila. Artistas brasileiros em Paris através da fotografia. Revista de História da Arte e Arqueologia, Campinas, n. 23, jan-jun. 2015. Disponível em: <http://www.unicamp.br/chaa/rhaa/revista23.htm>.Acesso em: 18 dez. 2018.

______. Studio studies e fotografias de atelier de pintores brasileiros. AURA. Revista de Historia y Teoría del Arte, n. 3, jun. 2015. Disponível em: <http://www.ojs.arte.unicen.edu.ar/index.php/aura/article/download/252/208>. Acesso em: 18 dez. 2018.

Downloads

Publicado

2019-05-24

Como Citar

BRANCATO, J. V. R. Imagens de atelier na crítica de arte de Adalberto Mattos. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 2, p. 221–237, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i2.4090. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663038. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - O artista em representação