A estética do Assombro nas coleções de arte popular de Jacque, Lina e Emanoel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i3.4335

Palavras-chave:

Arte popular. Coleções. Museu. Carrancas.

Resumo

Partiremos da análise da trajetória de três colecionadores de arte com diferentes perfis.  Jacque Van de Beuque, artista plástico  francês,  nascido em 1922,  buscou no Brasil, através do imaginário dos trópicos, esquecer os horrores da guerra  e acabou por construir uma coleção que deu origem ao Museu Casa do Pontal; Lina Bo Bardi,  arquiteta italiana nascida em 1914, chegou ao Brasil a convite de Assis Chateaubriand para construir do Museu de Arte de São Paulo e acabou por morar alguns anos na Bahia, período em que formou sua coleção de arte popular brasileira  e, por fim, Emanoel Araújo, artista plástico baiano, nascido no Recôncavo em  1940, amealhou durante sua vida uma numerosa coleção que deu origem ao  Museu Afro Brasil em São Paulo.  Pretendemos então, avaliar o papel exercido pelos colecionadores e pelos museus no processo de formação de discursos sobre arte popular a partir da seleção e classificação dos artistas e de suas obras, ao definir quais os objetos que se destacam em suas coleções. Nossa comparação levará em conta como cada um dos três vê as carrancas do Rio São Francisco criadas do Mestre Francisco Biquica Guarany.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Ortega Caetano dos Santos, Unirio/Museu de Astronomia e Ciências Afins

Bacharel e Licenciada em História pela USP. Mestre em estudos ético-africanos pela CEAO-UFBA. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio (PPG PMUS UNIRIO/MAST).

Priscila Faulhaber, Unirio/Museu de Astronomia e Ciências Afins

Pesquisadora do MAST, professora do PPGPMUS, pós-doutorado em Antropologia (Universidade da Califórnia em Los Angeles), doutora em Ciências Sociais (Unicamp) e mestre em antropologia social (UnB). Apoio do Programa de Produtividade em Pesquisa do CNPq desde 1993. 

Referências

ANDRADE, O. Manifesto Pau Brasil. Correio da Manhã, 18/03/1924.

__________ Manifesto Antropofágico. Piratininga. Revista de Antropofagia, Ano I, n. I, maio de 1928. Disponível em: ˂http://static.recantodasletras.com.br/arquivos/3629805.pdf-˃. Acesso em: 09 jul.2019.

BARDI, L. B. Tempos de grossura: o design no impasse. São Paulo: Instituto Lina Bo P. M. Bardi, 1994.

BARDI, P. M. História da arte brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1975.

BASTIDE, R. Arte e sociedade. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1971.

CANCLINI, N. G. A Produção simbólica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Caminhos da identidade. São Paulo: UNESP / Paralelo 15, 2016.

COELHO, L. Arte do Povo. 1976. Disponível em: ˂http://www.museucasadopontal.com.br/sites/default/files/artigos/pdf/Artigo%202%20Lelia%20Coelho%20Frota.pdf˃. Acesso em: 7 jul. 2019.

DESVALLÉS, A. ; MAIRESSE, F. (ed.). Conceitos-Chaves de Museologia. São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura, 2013.

FABIAN, J. Time and Movement in Popular Culture (cap 3). In:____. Moments of Freedom: Anthropology and Popular Culture. London: University of Virgina Press, 1998. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=9JcxW6bHUXsC&pg=PA70&hl=pt-BR&source=gbs_toc_r&cad=3#v=onepage&q&f=false >. Acesso em: 9 jul. 2019.

FERNANDES, F.; BASTIDE, R. Brancos e Negros em São Paulo: ensaio sociológico sobre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulistana. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971.

GOMBRICH, E. H. A História da Arte. Rio de Janeiro: LTC, 1995.

GRIGOLETO, Maria Cristina. Informação e Documentação: expressão material no patrimônio. In: InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação. Disponível em: ˂http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/42369/4604˃ Acesso em: jul. 2019.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. Martins Fontes, 2000.

HAUSER, Arnold. Sociologia da arte. Madrid: Guadarrama, 1975, v. 2.

INSTITUTO ITAÚ CULTURAL. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: ˂http://enciclopedia.itaucultural.org.br˃. Acesso em: 30 jun. 2019.

INSTITUTO LINA BO E PIETRO MARIA BARDI. Sítio Oficial. Disponível em: ˂http://institutobardi.com.br/?page_id=87˃.Acesso em: 30 jun. 2019.

LIMA, D. F. C. Musealização e patrimonialização: formas culturais integradas, termos e conceitos interlaçados. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. 15. In: Anais... Belo Horizonte: ECI/UFMG, 2014. Disponível em: ˂http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000015700/26b27e9e2cd56150bd7a902ff14bec97/˃. Acesso em: 21 jul. 2019.

LONDRES, C. O Patrimônio histórico na sociedade contemporânea. Texto baseado em palestra proferida por ocasião da cerimônia de posse da autora como membro correspondente no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no Rio de Janeiro, em 29 de junho de 2005. Disponível em: ˂http://www.casaruibarbosa.gov.br/escritos/numero01/FCRB_Escritos_1_7_Cecilia_Londres.pdf˃. Acesso em: 21 jul. 2019.

MASCELANI, A. Arte popular brasileira e a criação da Casa do Pontal. Um olhar antropológico. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) - EBA/UFRJ. Rio de Janeiro, 1996.

MATTOS, J. P. L. de. A construção do artista popular e sua obra: a trajetória de Adalton Fernandes Lopes no Museu Casa do Pontal. Dissertação (Mestrado em Memória Social) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2013.

MENESES, U. T. B. de. A história cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das ciências sociais, Rev. Inst. Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 34, p. 9-23, 1992.

____________________. Do teatro da Memória ao laboratório da história: a exposição museológica e o conhecimento histórico, Anais do Museu Paulista. São Paulo. v.2, p.9-42, jan./dez. 1994. Disponível em: ˂http://www.scielo.br/pdf/anaismp/v2n1/a02v2n1.pdf˃. Acesso em: jul. 2019.

MUSEU AFRO BRASIL. Site Oficial. Disponível em: ˂http://www.museuafrobrasil.org.br/o-museu/hist%C3%B3ria˃. Acesso em: 30 jun. 2019.

MUSEU CASA DO PONTAL. Jacques Van de Beuque: da França ao Brasil. Site Oficial. Disponível em: ˂http://www.museucasadopontal.com.br/pt-br/jacques-van-de-beuque˃. Site Oficial. Acesso em: 30 jun. 2019.

MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO. A mão do povo brasileiro 1969/2016. Catálogo de exposição. São Paulo: MASP, 2016.

PARDAL, P. Carrancas do São Francisco. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação Geral da Marinha, 1974.

PRICE, S. A arte dos povos sem história. Afro-Ásia, Salvador, UFBA, n.18, p. 205-224, 1996.

SAUDERS, B. From a colonized consciousness to autonomous identity: shifting relations between the kwakwaka´wakw and canadian nations. Dialectical Anthropolog, v. 22, n. 2, p. 137-158, 1997.

SILVA, D. de M. Arte afro-brasileira: origens e desdobramentos. 1989. Tese de Livre-docência. Universidade de São Paulo. São Paulo, 1989.

SOUZA, M. de S. A configuração da curadoria de arte afro-brasileira de Emanoel Araújo. Dissertação (Mestrado em Estética e História da Arte) - Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

VAN BEUQUE, J. Arte Popular Brasileira: peças da coleção casa do pontal. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1994.

Downloads

Publicado

2019-10-20

Como Citar

SANTOS, D. O. C. dos; FAULHABER, P. A estética do Assombro nas coleções de arte popular de Jacque, Lina e Emanoel. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 3, p. 228–241, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i3.4335. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663180. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Canibalismos Disciplinares