Entre passagens

Variações no trânsito de artistas entre o século XIX e início do XX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i3.4299

Palavras-chave:

Trânsito. Viagens. Artistas. Mundos da Arte. Descentralização.

Resumo

Os deslocamentos de artistas e obras de arte formam parte da prática artística. Viagens para pintar, estudar, expor, são comuns nas trajetórias de vários pintores, seja entre cidades, seja entre países. O que veremos neste artigo, a partir de alguns casos elucidativos de questões próprias do trânsito, é como essa prática se desenvolvia ao longo do século XIX no Brasil, período em que os mundos da arte passaram por significativas mudanças. A necessidade de expandir os espaços de exibição e negociação levou muitos artistas brasileiros a investirem em viagens pelo país em busca de reconhecimento para seu trabalho e compradores para suas telas. O que iremos acompanhar, apoiados em exemplos de viagens do período, é como esse trânsito se apresenta levando em consideração, também, a mudança de regime político do Império para a República. Uma vez que artistas e obras de arte sempre estiveram em trânsito, nós devemos ir atrás dele para poder montar mais um capítulo dessa história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moema de Bacelar Alves, Universidade Federal Fluminense; Instituto Hercule Florence

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense. Pesquisadora no Instituto Hercule Florence.

Referências

ALVES, J. F. O acervo como protagonista do MARGS. In: HOLTZ, Raul. Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli. Catálogo Geral. Porto Alegre: MARGS, 2013.

ALVES, M. de B. Quando os artistas saem em viagem: Trânsito de pintores e pinturas no Brasil na virada do século XIX para o XX. Tese (Doutorado em História), Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

AMBRIZZI, M. L. O olhar distante e o próximo - a produção dos artistas-viajantes. 19&20, Rio de Janeiro, v. VI, n. 1, jan.-mar. 2011. Disponível em: ˂http://www.dezenovevinte.net/artistas/viajantes_mla2.htm˃. Acesso em: set. 2014.

BECKER, H. S. Mundos da Arte. Lisboa: Ed. Livros Horizonte, 2010.

BORGES, M. E. A pintura na “capital do café”. Franca: Unesp, 1999.

CAMPOFIORITO, Q. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 1983.

CAVALCANTI, A. M. T. Os Prêmios de Viagem da Academia em pintura. In: PEREIRA, Sonia Gomes (Org.). 185 anos da Escola de Belas Artes. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001/2002, p. 69-92.

DAMASCENO, A. Artes Plásticas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo, 1971.

FOCHESATTO, C. M. de. Fragmentos da trajetória de um pintor na transição do século XIX para o XX: Pedro Weingärtner e suas redes sociais. Métis: história & cultura. v. 15, n. 30, jul.-dez. 2001, p. 150-171.

KOSSOY, B. Hercule Florence: a descoberta isolada da fotografia no Brasil. São Paulo: Edusp, 2006.

LEVY, C. R. M. Johann Georg Grimm e as Fazendas de Café. Separata da publicação: Inventário das Fazendas do Vale do Paraíba Fluminense. Tomo 10. Instituto Estadual do Patrimônio Cultura – INEPAC, Instituto Cultural Cidade Viva e Instituto Light. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: ˂http://www.artedata.com/johanngeorggrimm/textos/CRML-Johann%20Georg%20Grimm%20e%20as%20fazendas%20de%20cafe.pdf˃. Acesso em: 23 nov. 2018.

MELLO JÚNIOR, D. Pedro Américo de Figueiredo e Melo (1843-1905): algumas singularidades de sua vida e sua obra. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 1983.

OLIVEIRA, J. M. Cardoso de. Pedro Américo: sua vida e suas obras. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943.

OLIVEIRA, V. M. de. A sobrevivência do pintor no século XIX: a pintura de retratos. In: MALTA, Marize; PEREIRA, Sonia Gomes; CAVALCANTI, Ana (orgs.). Ver para crer: visão, técnica e interpretação na Academia. Rio de Janeiro: EBA/UFRJ, 2013.

PARREIRAS, A. História de um pintor contada por ele mesmo (1881-1936). 3 ed. Niterói, RJ: Niterói Livros, 1999.

TARASANTCHI, R. S. Pintores paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002.

VALLE, A. Pensionistas da Escola Nacional de Belas Artes na Academia Julian (Paris) durante a 1ª República (1890-1930). 19&20, Rio de Janeiro, v. I, n. 3, nov. 2006. Disponível em: <http://www.dezenovevinte.net/ensino_artistico/academia_julian.htm>. Acesso em: 04 maio 2017.

WARNKE, M. O artista da corte: os antecedentes dos artistas modernos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

Downloads

Publicado

2019-09-29

Como Citar

ALVES, M. de B. Entre passagens: Variações no trânsito de artistas entre o século XIX e início do XX. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 3, p. 09–22, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i3.4299. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663188. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Colaborações