Fatos sociais como esculturas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i3.4200

Palavras-chave:

Antropologia da arte. Forma. Primitivismo. Sagrado. Ritual.

Resumo

O intento do presente artigo é cotejar um texto clássico da antropologia e um texto clássico da história da arte – no caso, respectivamente, Formas elementares da vida religiosa (1912), de Émile Durkheim, e NegerPlastik (1915), de Carl Einstein. Ambos os textos versam sobre uma diferença entre sagrado e profano, e, principalmente, sobre a necessidade de uma externalização do sagrado em objetos específicos, que servem não somente como representação do sagrado, mas também como sua apresentação. A abordagem durkheimiana enfatizará a transcendência do fenômeno social-religioso, enquanto a abordagem einsteiniana esmiuçará a materialidade mesma do sagrado. Tais diferenças de foco permitem traçar o contorno de duas epistemes e suas respectivas implicações teórico-metodológicas. Isto é: que perguntas faz a história da arte ao objeto sagrado, e que perguntas faz a antropologia ao objeto sagrado?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Guidi, Universidade de Brasília

Doutorando do Programa de Antropologia da Universidade de Brasília. Mestre em Artes Visuais da Universidade de Brasília, na área de Teoria e História da Arte.

Referências

ALVES, J. F. O acervo como protagonista do MARGS. In: HOLTZ, Raul. Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli. Catálogo Geral. Porto Alegre: MARGS, 2013.

BOURRIAUD, N. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

DURKHEIM, E. The Division of Labor in Society. New York: The Free Press. [1893] 1997.

DURKHEIM, E. The Elementary Forms of Religious Life. New York: Oxford University Press. [1912] 2001.

______. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

EINSTEIN, C. Negerplastik. Leipzig: Verlag der weissen Bücher, 1915. Tradução francesa de Liliane Meffre publicado em Travaux et Mémoires du Centre de Recherches Historiques sur les relations artistiques entre les cultures, fasc.1, Université de Paris 1, Paris 1976, republicado sob o título La sculpture nègre em Qu'est-ce que la sculpture moderne? Catálogo de exposição, Centre Georges Pompidou, Musée National d'Art Moderne, Paris, 1986.

EINSTEIN, C. Negro Sculpture. Translated by Charles W. Haxthausen and Sebastian Zeidler. October 107, Inverno 2004.

EINSTEIN, C. Negerplastik. Tradução Inês de Araújo. Organização e Introdução de Liliane Meffre. Tradução de Fernando Scheibe. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2011.

EINSTEIN, C. Carl Einstein e a Arte da África (org. Elena O‟Neill e Roberto Conduru). Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2017.

FOSTER, H. The Artist as Ethnographer?. MARCUS, G.; MYERS, F.R. (eds.). Traffic in Culture: refiguring Art and Anthropology. Los Angeles: University of California Press, 1995.

HEMNETT, I. Durkheim and Modern Sociology. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

GELL, A. Art and Agency: an Anthropological Theory. Oxford: Oxford University Press, 1998.

KOSUTH, J. Artist as Anthropologist [1975]. In: The Everyday: Documents of Contemporary Art, Stephen Johnstone (ed.). Cambridge, Mass.: MIT Press, 2008.

LEIRIS, M. The Discovery of African Art in the West. In: African Art. New York: Golden Press, 1968.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural, São Paulo: Ed. Ubu: 2018.

HENNION, A. ; LATOUR, B. Objet d'art, objet de science. Note sur les limites de l'anti-fetichisme. Paris: L'Harmattan, 1993.

RADCLIFFE-BROWN, R. Estrutura e função na sociedade primitiva. Coleção Antropologia. Petrópolis: Vozes, 1973.

MEFFRE, L. Carl Einstein 1885-1940. Itinéraires d’une pensée moderne. Paris: Presses de l’Université Paris-Sorbonne, 2002.

WAGNER, R. The Anthropology of the Subject: Holographic Worldview in New Guinea and its Meaning and Significance for the World of Anthropology. Berkeley: University of California Press, 2001.

Downloads

Publicado

2019-10-27

Como Citar

GUIDI, T. Fatos sociais como esculturas. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 3, p. 210–226, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i3.4200. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663194. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Canibalismos Disciplinares