Volpi e o concretismo

uma controvérsia crítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v5i1.8664007

Palavras-chave:

Abstracionismo geométrico, Arte concreta, Alfredo Volpi, Mário Pedrosa, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Resumo

O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM Rio – era uma instituição recém-inaugurada no cenário artístico nacional da década de 1950. Visando a ser palco da arte mais recente, o Museu realizou mostras de arte abstrato-geométrica e também informal. Foi ainda, no Rio de Janeiro, a instituição que aglutinou os agentes da arte concreta e neoconcreta. Ali realizaram-se exposições, palestras e cursos. Duas exposições em particular, a segunda coletiva do Grupo Frente e a I Exposição neoconcreta, são centrais para os estudos sobre a vertente concreta no Brasil. Nesse contexto, é importante pesquisar sobre a Retrospectiva de Alfredo Volpi, organizada por Mário Pedrosa em 1957. Essa mostra foi amplamente abordada pela crítica da época, com textos de Mário Pedrosa, Antonio Bento, Jayme Maurício, José Roberto Teixeira Leite, Manuel Bandeira e Ferreira Gullar. Ao estudar exposições individuais como a de Volpi, pretendemos revelar conexões até então não estudadas na abstração-geométrica vivenciada no Brasil. Considerando-se que Volpi já era um pintor de prestígio, sua participação na vertente concreta reafirmava o valor do movimento. Este estudo buscará reconstituir o debate crítico ocorrido, destacando suas principais linhas de tensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizabeth Catoia Varela, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Doutora em Artes Visuais pelo Programa de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

PERGUNTAS sobre Volpi: um debate sobre arte brasileira. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2009. Mediadora Vanda Klabin.

AMARAL, A. Volpi: construção e reducionismo sob a luz dos trópicos. In: Volpi: obras selecionadas, décadas de 40, 50, 60, 70, 80. São Paulo: Sylvio Nery da Fonseca Escritório de Arte, 1999, p. 2-5. Catálogo.

AMARAL, A. (Coord.). Alfredo Volpi: pintura (1914-1972). Rio de Janeiro: MAM Rio, 1972. Catálogo.

ARAÚJO, O. T. de. Apresentação. In: Volpi: projetos e estudos em retrospectiva 40-70. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 1993, p. V-XXVIII. Catálogo.

ARAÚJO, O. T. de. Com os olhos da história. In: Volpi: 90 anos. São Paulo: Museu de Arte Moderna, 1986, p. 3-12. Catálogo.

BANDEIRA, M. Volpi. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 5, 26 jun. 1957.

BARATA, M. Razões de ser e importância do museu de arte moderna. In: Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Rio de janeiro, 1952, p. 4-14. Catálogo.

BENTO, A. A retrospectiva Volpi: mestre da pintura popular. Diário Carioca, Rio de Janeiro, p. 6, 16 jun. 1957.

BENTO, A. O fim da festa concretista. Diário Carioca, Rio de Janeiro, p. 6, 22 fev. 1957.

BENTO, A. O mestre brasileiro de sua época. Diário Carioca, Rio de Janeiro, p. 3, 23 jun. 1957.

BRASIL JR., A. “Alfredo Volpi na Berlinda”: crítica de arte e projetos estéticos concorrentes. Teoria e Cultura, Juiz de Fora, v. 14, n.1, p. 14-30, jun. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/TeoriaeCultura/article/view/25998. Acesso em: 09 ago. 2020.

COUTO, M. de F. M. Por uma vanguarda nacional: a crítica brasileira em busca de uma identidade artística (1940-1960). Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2004.

CRÍTICOS e artistas discutem Volpi. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 jun. 1957. Primeiro caderno, p. 8.

GULLAR, F. Volpi. Mestre Brasileiro. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 16-17 jun. 1957. Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, p. 9.

GULLAR, F. Volpi: pintor popular mas não muito... Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 jun. 1957. Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, p. 9.

VOLPI: glosa 8. Saber pictórico. In: HERKENHOFF, P. Pincelada, pintura e método: projeções da década de 50. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2009, p. 156-175.

LEITE, J. R. T. Uma “enquete” incompreensível. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 28 jun. 1957. Segunda seção, p. 2. Coluna Vida das artes.

LEITE, J. R. T. Volpi no Museu de Arte Moderna. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 19 jun. 1957. Segunda seção, p. 2. Coluna Vida das Artes.

MAURÍCIO, J. Volpi: do impressionismo ao concretismo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 7 jun. 1957. Primeiro caderno, p. 1, 14.

NAVES, R. A complexidade de Volpi: notas sobre o diálogo do artista com concretistas e neoconcretistas. Novos estudos: CEBRAP, São Paulo, n. 81, p. 139-155, jul. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S0101-33002008000200011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 9 ago. 2020.

NAVES, Rodrigo. Anonimato e singularidade em Volpi. In: NAVES, Rodrigo. A forma difícil: ensaios sobre arte brasileira. São Paulo: Ática, 1996, p. 179-195.

NELSON, A. Tres vanguardias: continuidad y desunión en el concretismo brasileño. In: HERRERA, L.; KOCH, K.; SANTANA, R. Cruce de Miradas: visiones de América Latina; Colección Patricia Phelps de Cisneros. Cidade do México: Fundación Cisneros, 2006, p. 73-82.

PEDROSA, M. Apresentação. In: Volpi: 1924-1957. Rio de Janeiro: Museu de Arte Moderna, 1957. p. [2-8]. Catálogo.

PEDROSA, M. Apresentação. In: Grupo Frente: segunda mostra coletiva. Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna, 1957, p. 1-5. Catálogo.

PEDROSA, M. A exposição de Volpi. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 12 jun. 1957. Primeiro caderno, p. 8.

PEDROSA, M. Introdução a Alfredo Volpi. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2 jun. 1957. Suplemento Dominical Jornal do Brasil, p. 9.

PEDROSA, M. Itinerário de uma retrospectiva. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 13 jun. 1957. Primeiro caderno, p. 8.

PEDROSA, M. Não é nosso mas está no “Jornal do Brasil” para entregar ao dono um quadro de Volpi. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 21 fev. 1957. Primeiro caderno, p. 8.

PEDROSA, M. Paulistas e cariocas. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 19 fev. 1957. Primeiro caderno, p. 8.

PEDROSA, M. Volpi, uma lição de ética. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 08 jun. 1957. Primeiro caderno, p. 8.

PIGNATARI, D. Décio Pignatari depõe: a exposição de arte concreta e Volpi. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 13 jan. 1957. Suplemento Dominical Jornal do Brasil, p. 9.

PONTUAL, R. A floração abstracionista. In: PONTUAL, R. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na Coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: JB, 1987, p. 191-258.

TROTA, T. Alfredo Volpi na berlinda. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 23 jun. 1957. Suplemento Dominical Jornal do Brasil, p. 7.

VOLPI: ensaísta. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 5 jul. 1957. Primeiro caderno, p. 8.

Downloads

Publicado

2021-02-08

Como Citar

VARELA, E. C. Volpi e o concretismo: uma controvérsia crítica. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 216–229, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i1.8664007. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8664007. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Arte abstrata no Brasil: novas perspectivas