Pintoras e gravadoras expressivas

um capítulo à parte. Informalismo e expressionismo-abstrato no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v5i1.8664221

Palavras-chave:

Expressionismo abstrato, Informalismo, Artistas mulheres, Abordagem feminista

Resumo

Neste artigo, visa-se estabelecer considerações sobre a arte informalista e expressionista abstrata no Brasil, a partir da atuação de gravadoras e pintoras que aderiram às abstrações não-geométricas ou experimentaram nessa direção, entre as décadas de 1950 e 1960, sendo que muitas também desempenharam funções pedagógicas. Nomes como Fayga Ostrower e Yolanda Mohalyi são mais conhecidos, tendo sido objeto de textos críticos de época e de exposições individuais ao longo dos anos. Na gravura, chamam atenção Anna Bella Geiger e Edith Behring, além do ateliê de gravura do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM RJ, na qual atuaram como estudante e professora, respectivamente. Entretanto, a pintora Sheila Brannigan é uma referência pouco lembrada, embora frequente na imprensa da época. Conceitualmente esta reflexão apoiar-se-á, por um lado, na crítica brasileira de meados do século XX sobre essas artistas; por outro, nos estudos de orientação feminista sobre o Expressionismo Abstrato, trazendo novas análises sobre a produção de artistas como Elaine de Kooning, Hedda Sterne e Helen Frankenthaler. O corpus eleito para a pesquisa concentra-se na coleção do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo – MAC USP, uma vez que conta com exemplares significativos da obra das artistas mencionadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Avelar, Universidade de Brasília

Professora adjunta do curso de Teoria, Crítica e História da Arte do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília (VIS-UnB). Curadora da Casa Niemeyer (UnB).

Referências

ABRAMO, L. Presentación. In: Yolanda Mohalyi – pintura abstracta. Assunção: Centro de Estudos Brasileiros, 1976.

ALMEIDA, C. Fayga Ostrower, uma vida aberta à sensibilidade e ao intelecto. Hist. Cienc. Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 13, supl. p. 269-289, out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702006000500017&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 6 ago. 2020.

Arts District: Women of Abstract Expressionism. Rocky Mountain PBS. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=p7tlfBOjay0. Acesso em: 20 ago. 2020.

AVELAR, A. C. de. Antonio Bandeira, Caos Noturno. Quadro a Quadro. Instituto Moreira Salles. Disponível em: https://blogdoims.com.br/antonio-bandeira-cais-noturno-por-ana-candida-de-avelar/. Acesso em: 20 ago. 2020.

AYALA, W. A Pura Voz da Gravura. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, p. 2, 17 set. 1971.

AGUILAR, N. (Org.). Bienal Brasil Século XX. Nelson Aguilar. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.

BRITO, Ronaldo. Lições avançadas do mestre Pedrosa. In: Experiência crítica. São Paulo: Cosac & Naify, 1999.

COCCHIARALE, F.; GEIGER, A.B. Abstracionismo geométrico e informal. A vanguarda brasileira nos anos cinqüenta. Rio de Janeiro: Funarte, 1987.

DE KOONING, Elaine. The Spirit of Abstract Expressionism: Selected Writings. New York: George Braziller, 1994.

ECKHARDT, S. L. Consistent inconsistency: Hedda Sterne’s philosophy of flux. Champaign, Illinois, USA: Krannert Art Museum and Kinkead Pavilion, 2006.

ERBER, P. Políticas da abstração: pintura e crítica no Brasil e Japão, anos 1950. Revista Poiésis, Niterói, n. 14, p. 46-59, dez. de 2009.

ERBER, P. Breaching the Frame: The Rise of Contemporary Art in Brazil and Japan. Berkeley: University of California Press, 2014.

FARINHA, A. M. A. Coleção Yolanda Mohalyi - O Moderno e o Contemporâneo no acervo do MAC USP. 2006. Dissertação (Mestrado em Estética e História da Arte) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

GABRIEL, M. Ninth Street Women. Lee Krasner, Elaine de Kooning, Grace Hartigan, Joan Mitchell, and Helen Frankenthaler: Five Painters and the Movement That Changed Modern Art. New York: Little Brown and Company, 2018.

GIBSON, A. E. Abstract Expressionism: Other Politics, de Ann Eden Gibson. New Haven: Yale University, 1997.

GONÇALVES FILHO, A. Exposição reúne Volpi e sua aluna Lore Koch. Jornal O Estado de São Paulo, São Paulo, 20 fev. 2020. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/artes,exposicao-reune-o-mestre-volpi-e-a-aluna-lore-koch,70003203459. Acesso em: 3 ago. 2020.

HERKENHOFF, P. Maria Leontina. Rio de Janeiro: Papel e Tinta, 2010.

LINTEL, A. Von ROOS, B. Expanding Abstract Expressionism: Elaine de Kooning, Action Painting, and the American West. American Art, Smithsonian Institution, Summer 2018, 53, vol. 32, n. 2, 2018.

MACHADO, L. G. Fayga Ostrower – gravura. São Paulo: São Luiz, fev. 1962. Arquivo Histórico Wanda Svevo. Fundação Bienal.

MAURÍCIO, J. Dois críticos apresentam dois artistas. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, Primeiro Caderno, p. 14, 19 ago. 1956.

MAURÍCIO, J. Fayga Ostrower a partir de hoje na Bonino. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 14 set. 1971.

OSTROWER, F. Fayga Ostrower. Texto e curadoria Anna Bella Geiger. [S.l.]: Insight Comunicação, 2015.

OSTROWER, F. Criatividade e Processos de Criação. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1984.

OSTROWER, F. Universos da Arte. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1983.

OSTROWER, F. Acasos e Criação Artística. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1990.

OSTROWER, F. A Sensibilidade do Intelecto. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1998.

NELSON, A. Sobre el género y la superficie en la abstracción temprana de Lygia Clark. In: Lygia Clark. La pintura como campo experimental, 1948-1958. Bilbao: Museo Guggenheim, 2020.

OHTAKE, T. Pinturas cegas. Texto e curadoria Paulo Herkenhoff. Porto Alegre: Fundação Iberê Camargo, 2012.

OHTAKE, T. Tomie Ohtake: gesto e razão geométrica. Texto e curadoria Paulo Herkenhoff. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2014.

PEDROSA, M. Dos muros de Portinari aos espaços de Brasília. Org. Aracy Amaral. São Paulo: Perspectiva, 1992.

PEDROSA, M. Yolanda Mohalyi. In: Yolanda Mohalyi Rio de Janeiro: Galeria Montmartre Jorge, 1964.

POLLOCK, G. The missing future: MoMA and modern women. In: Modern Women: Women Artists at the Museum of Modern Art. New York: Alexandra Schwartz, 2010.

RUBINO, I. M. Entrevista Anna Bella Geiger 2014/2015 acerca de sua fase visceral (1965-1969). DAPesquisa, Florianópolis, v. 11, n. 17, p. 101-112, dez. 2016.

SALVATORI, M. A gestualidade em Iberê Camargo: obra gráfica de 58 a 69. Revista Estúdio, Lisboa, vol. 3, n.5, p.13-17, verão 2012.

SCHUMACHER, B. The Woman Problem: Gender Displacement in the Art of Helen Frankenthaler. Woman's Art Journal, vol. 31, n. 2, Fall/Winter 2010. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/41331080. Acesso em: 20 ago. 2020.

TAVORA, M. L. O Ateliê livre de gravura do MAM-Rio – 1959/1969 projeto pedagógico de atualização da linguagem. Disponível em: https://www.ppgav.eba.ufrj.br/wp-content/uploads/2012/01/ae15_maria_luisa_tavora.pdf. Acesso em: 20 ago. 2020.

TAVORA, M. L. Fayga Ostrower e a Gravura Abstrata no Brasil. In: SEMINÁRIO VANGUARDA E MODERNIDADE NAS ARTES BRASILEIRAS, 2005. São Paulo. Anais eletrônicos..., p. 4. Disponível em: http://www.iar.unicamp.br/dap/vanguarda/artigos_pdf/maria_luiza.pdf. Acesso em: 30 set. 2020.

TRIZOLI, T. Atravessamentos feministas: um panorama de mulheres artistas no Brasil dos anos 60/70. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2018.

Downloads

Publicado

2021-02-02

Como Citar

AVELAR, A. . Pintoras e gravadoras expressivas: um capítulo à parte. Informalismo e expressionismo-abstrato no Brasil. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 160–177, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i1.8664221. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8664221. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Arte abstrata no Brasil: novas perspectivas