Dança e ritmo em Oiticica
PDF

Palavras-chave

Dança
Arte contemporânea brasileira
Cultura popular
Parangolés
Hélio oiticica

Como Citar

MARINO, Rafael. Dança e ritmo em Oiticica: sobre a ginga de Hélio. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 374–383, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i2.8664836. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8664836. Acesso em: 13 jun. 2024.

Resumo

Pretendemos, nesta resenha, analisar a exposição Hélio Oiticica: a dança na minha experiência, ocorrida no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP-SP) entre os dias 13 de outubro de 2020 e 22 de novembro de 2020. A exposição em questão, dando centralidade para os Parangolés de Oiticica, propõe uma leitura retrospectiva da obra heliana, cuja finalidade é buscar elementos coreográficos, performáticos e rítmicos, estruturantes dos Parangolés, já nas obras iniciais do artista carioca até as produções de 1979. À vista desta proposição e a partir de uma interpretação do que é exposto, sugerimos que o projeto curatorial: (a) propõe um ponto de vista instigante a respeito da obra do artista carioca, (b) enfrenta e indica respostas ao contraditório processo de consagração cultural e museológica do espólio de Oiticica e (c) constrói uma ligação articulada entre variados núcleos e projetos encontrados na trajetória do artista em questão. Por fim, defendemos que o recorte curatorial de Adriano Pedrosa e Tomás Toledo pode ser lido como uma resposta, intencional ou não, ao ensaio, de Michael Asbury, “O Hélio não tinha ginga”, e oferece uma abertura para pensarmos criticamente a relação do artista visual carioca com as culturas e artes populares e afro-brasileiras. 

https://doi.org/10.20396/modos.v5i2.8664836
PDF

Referências

ASBURY, M. O Hélio não tinha ginga. In: BRAGA, P. Fios soltos: a arte de Hélio Oiticica. São Paulo: Perspectiva, 2011, pp. 27-52.

BENJAMIN, W. Velhos brinquedos. In: _____. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Editora 34, 2009, pp. 81-89.

BRAGA, P. A cor da MÚSICA: há uma metafísica em Hélio Oiticica. ARS, v. 15, n. 30, pp. 49-62, ago. 2017.

BRAGA, P. Hélio Oiticica and the Parangolés: (ad)dressing Nietzsche’s Übermensch. Third Text, London, v. 17, n. 1, pp. 43-52, mar. 2003.

CONDURU, R. Índices afro na arte no Brasil nas décadas de 1960 e 1970. In: AVOLESE, C.; MENESES, P. (Orgs.). Arte não europeia: conexões historiográficas a partir do Brasil. São Paulo: Estação Liberdade; Vasto, 2020, pp. 143-153.

CONDURU, R. Metaesquema, metaforma, metaobra. ARS, v. 15, n. 30, pp. 63-73, ago. 2017.

CROCKETT. V. War heroes: por uma po-ética da negritude em Hélio Oiticica. In: PEDROSA, A.; TOLEDO, T. Hélio Oiticica: a dança na minha experiência. São Paulo: MASP, 2020, pp. 132-146.

FAVARETTO, C. A invenção de Hélio Oiticica. São Paulo: EDUSP, 2015.

NAVES, R. A forma difícil. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NUNES, B. Lygia Clark e Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1987.

OITICICA, H. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

OITICICA, H. Bases fundamentais para uma definição do Parangolé. In: PEDROSA, A.; TOLEDO, T. Hélio Oiticica: a dança na minha experiência. São Paulo: MASP, 2020, pp. 290-292.

SCHWARZ, R. A atribulação de um pai de família. In: SCHWARZ, R. O pai de família e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, pp. 22-29.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Rafael Marino

Downloads

Não há dados estatísticos.