Centralizando Angelina Agostini no cânone
PDF

Palavras-chave

Angelina Agostini
Vaidade
Nu masculino de costas
Virada cultural
História da arte feminista

Como Citar

OLIVEIRA, Cláudia. Centralizando Angelina Agostini no cânone: rumo a uma história da arte feminista. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 37–57, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i2.8665321. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8665321. Acesso em: 13 jun. 2024.

Resumo

Partindo da constatação da completa obliteração da artista Angelina Agostini e de suas obras, e de que as mulheres ainda são subalternas aos homens, o que é mais evidente no campo artístico, o artigo visa, primeiramente, centralizar a artista no cânone artístico brasileiro, abordando, em seguida, a virada cultural e o surgimento da história da arte feminista enquanto enquadramento histórico, social, cultural e político para uma compreensão contemporânea da artista e seu reposicionamento no cânone  artístico brasileiro, a partir de uma visão crítica pós-moderna que abandona a noção filosófica e instituída pela história da arte de gênio masculino. Por fim, fundamentada nas concepções e reflexões anteriores, farei duas “inscrições feministas” em duas obras da artista, Academia Nu Masculino de Costas (1912) e Vaidade (1913).

https://doi.org/10.20396/modos.v5i2.8665321
PDF

Referências

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: Fatos e Mitos e A Experiência Vivida. Rio de Janeiro: Difusão Europeia do Livro, 1963.

CALLEN, A. Looking at Men: Anatomy, Masculinity and the Modern Male Body. New Haven: London: Yale University Press, 2018.

CAVALCANTI SIMIONI, A. P. O corpo inacessível: as mulheres e o ensino artístico nas academias do século XIX”. Artcultura, Uberlândia, v. 9, n.14, p.83-97, jan./jun. 2007. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/1450/1297. Acesso em: 07 abr. 2021.

CHADWICK, W. Women, Art and Society. 4th ed. London: Thames & Hudson, 2007.

CHAVES, E. Tradução: “A Cabeça de Medusa” (Sigmund Freud, 1940/1922). Clínica & Cultura, Sergipe, v. 2, n. 2, p. 91-93, jul./dez. 2013.

CHERRY, D. The forbidden gaze: women artists and the male nude in late nineteenth-century France” In: Beyond the Frame: Feminism and Visual Culture Britain, 1850-1900. New York: Routledge, 2000, p.7.

GARB, T. The Body Imagined: The Human Form and visual Culture since the Renaissance. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

HIGONNET, A. Berthe Morisot`s Images of Women. Harvard: Harvard University Press, 1992.

HERKENHOFF, P.; HOLLANDA, H. B. de. Manobras Radicais: Artistas Brasileiras (1886-2006). São Paulo: Associação dos Ami¬gos do Centro Cultural Banco do Brasil/SP, 2006.

JONES, A. The Sexual Politics of the Dinner Party. In: BROUDE, N.; GARRARD, M. D. Reclaiming Female Agency: Feminist Art History After Postmodernism. Berkeley: University of California Press, 2005, p.45.

NOCHLIN, L. Why Have There Been No Great Women Artists?. In: NOCHLIN, L. (Ed.), Women, Art, and Power and Other Essays. New York: Westview Press, 1988, p. 145-78.

OLIVEIRA, C. de. Angelina Agostini e a tela Vaidade – uma intervenção feminista. In: ENCONTRO INTERNACIONAL HISTÓRIA & PARCERIAS. 2., 2019, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: Anpuh-Rio, 2019, p.1-12.

PEDERNEIRAS, M. Fon-Fon!, Rio de Janeiro, ano VII, n. 37, p. 35, 1913.

POLLOCK, G. DIferencing the cannon. Feminist Desire and the Writing of Art’s Historians. London: New York: Routledge, 1999.

O IMPARCIAL, ano II, n. 282, 12 set. 1913, p. 7.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. Estética e Política. São Paulo: Editora 34, 2015.

VICENTE, F. L. Porque é Que Não Houve Grande Mulheres Artistas. Faces de Eva. Estudos sobre a mulher, Lisboa, n. 39, p.183-189, 2018.

VICENTE, F. L. Arte sem história - mulheres artistas (Sécs. XVI-XVIII)”, ARTIS - Revista do Instituto de História da Arte, da Faculdade de Letras de Lisboa, Lisboa, n. 4, p.205-242, 2003.

ZENI, B. S. A Evolução Histórico-Legal da Filiação no Brasil. Revista Direito/Debate, Ijuí, ano XVII, n. 31, p.409-426, jan./jun. 2009.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Cláudia Oliveira

Downloads

Não há dados estatísticos.