Ensaios por uma curadoria ao avesso

caminhando com Lygia Clark

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i2.8668470

Palavras-chave:

Curadoria, Avesso, Lygia Clark, Cuidado, Clínica, Arquivo

Resumo

A obra de Lygia Clark – abertura ao outro, dissolução do artista, ênfase na imanência do ato, práticas híbridas e fronteiriças entre arte e clínica – continua a desafiar a instituição de arte no século 21 e os conceitos de arquivo e de curadoria e suas possíveis alternativas. Ao tecer alguns fios investigativos com o seu legado, este artigo propõe um caminhando “com” sua obra e prática, trazendo questões de reencenação, outras historiografias e o uso de sua arte como dispositivo clínico no mundo. Uma peneirada dentre muitas possibilidades de sua radicalidade para o presente. Ensaios por uma curadoria ao avesso na busca de uma outra institucionalidade, alicerçada na práxis, mais do que em edifícios, exposições e acervos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessica Gogan, Universidade Federal Fluminense

Professora colaboradora no Programa de Pós-graduação de Estudos Contemporâneos das Artes na Universidade Federal Fluminense . 

Referências

AGAMBEN, G. O autor como gesto. In: Profanações. Tradução Selvino J.Assmann. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007, 49-56.

BASBAUM, R. Within the Organic Line and After. In: ALBERRO, A.; BUCHAMN, S. (Orgs.). Art after Conceptual Art. Vienna/Cambridge, MA e Londres: Generali Foundation e The MIT Press, 2006, p. 87-100.

BENJAMIN, W. Tarefa do tradutor. In: GAGNEBIN, Jeanne Marie (Org.), Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). Tradução Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34, 2011.

BISPO, N. Das confluências, cosmologias e contra-colonizações: Uma entrevista com Nego Bispo. Greice Martins et al. EntreRios. Revista do PPGCANT-UFPI, Teresina, vol. 2, n.1, 2019. DOI: https://doi.org/10.26694/rer.v2i1.10481

CAMNIZTER, L. Thinking About Art Thinking. e-flux journal 56th Venice Biennale: Supercommunity, 16 de maio 2015. Disponível em: http://supercommunity.e-flux.com/texts/thinking-about-art-thinking/. Acesso em: janeiro 2021

CARNEIRO, B. S. Relâmpagos com claror: Lygia Clark e Hélio Oiticica, vida como arte. São Paulo: Imaginário/FAPESP, 2004.

CLARK, L. Livro-obra, 1983. Disponível em : http://portal.lygiaclark.org.br/acervo/164/livro-obra. Acesso em: jan. 2021.

CLARK, L. Entrevista. A coragem e a magia de ser contemporânea. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 10 nov. 1971. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=089842_08&Pesq=%22Lygia%20Clark%22&pagfis=25986. Acesso em jan. 2021.

CLARK, L. Lygia Clark. Retrospective. Barcelona: Fundació Antoni Tàpies, 1998. Disponível em: http://portal.lygiaclark.org.br/acervo/1596/lygia-clark-retrospective. Acesso em: jan. 2021.

CLARK, L. Lygia Clark. Textos de Ferreira Gullar, Mário Pedrosa, Lygia Clark. Rio de Janeiro: Edição Funarte, 1980. Disponível: http://portal.lygiaclark.org.br/acervo/1550/lygia-clark-livro-funarte. Acesso em: jan. 2021.

COELHO, F. Of Hands and Gloves. In: BUTLER, C. H.; ORAMAS, L. P. O. The Abandonment of Art 1948-1988. New York: MoMA, 2014, p. 268-271.

CRAWLEY, A. Blackpentecostal Breath: The Aesthetics of Possibility. New York: Fordham University Press, 2016. DOI: https://doi.org/10.5422/fordham/9780823274543.001.0001

DEZEUZE, A. How to Live Precariously: Lygia Clark’s Caminhando and Tropicalism in 1960s Brazil. Women & Performance: A Journal of Feminist Theory, 2013, vol 13, n. 2, p. 226-247. DOI: https://doi.org/10.1080/0740770X.2013.825444

FABIÃO, E. Entrevista com Luiz Camillo Osório, 16 mar. 2018, Prêmio Pipa. Disponível em: https://www.premiopipa.com/2018/03/conversa-com-eleonora-fabiao-por-luiz-camillo-osorio/. Acesso em: dez. 2021.

FERREIRA DA SILVA, D. Sobre diferença sem separabilidade. In: VOLZ, J.; REBOUÇAS, J. 32º Bienal de São Paulo: Incerteza viva. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016, p. 57-65.

FERREIRA, G. (Org.). Lygia Clark: Memória do corpo: Glossário de casos clínicos. Manuscrito inédito.

FIGUEIREDO, L. (Org.). Lygia Clark. Hélio Oiticica: Cartas 1964-1974. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra: 1994 (1970).

GLISSANT, É. Poética da relação. Tradução Manuela Mendonça. São Paulo: Porto Editora, 2011 (1990).

KAMENSZAIN, T. Bordado e costura do texto. In: Histórias de amor y otros ensayos sobre poesia. Buenos Aires: Paidós, 2000. Tradução Clarisse Lyra. Disponível em: https://dtllc.fflch.usp.br/sites/dtllc.fflch.usp.br/files/Kamenszain_Bordado%20e%20costura%20do%20texto.pdf. Acesso em :dez. 2021.

KIFFER, A. Corte/Relação: Antonin Artaud e Édouard Glissant. In: OSE, E. D. 34º Bienal de São Paulo Faz escuro mais eu canto. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2021, p. 252-257.

LAURIANO, J. Entrevista com Luiz Camillo Osório. 23 ago. 2019. Prêmio Pipa. Disponível em: https://www.premiopipa.com/2019/08/luiz-camillo-osorio-conversa-com-jaime-lauriano/. Acesso em: dez. de 2021

LEPECKI, A. Decolonizing the Curatorial. Theater, 47.1, 2017, p. 100-115. Disponível em: https://doi 10.1215/01610775-3710441. Acesso em dezembro 2021 DOI: https://doi.org/10.1215/01610775-3710441

LEPECKI, A. The Body as Archive: Will to Re-Enact and the Afterlives of Dances. Dance Research Journal, 42/2 inverno 2010, p. 28-48. https://doi.org/10.1017/S0149767700001029. Acesso em: dez. de 2021 DOI: https://doi.org/10.1017/S0149767700001029

LISPECTOR, C. Um sopro de vida. Rio de Janeiro: Rocco, 2019 (1978).

Live: Lançamento do livro Lula Wanderley Silêncio que as palavras guardam, com Kaira Cabañas, Luis Pérez Oramas e Peter Pál Pelbart, University of Florida, 21 abr. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qCVdCb704QU. Acesso em: dez. de 2021.

LUZ, C. Lygia Clark na Sorbonne: Corpo-à-corpo no desbloqueio para a vivência. Vidas das artes, vol. 1, n.3, ago. 1975. Disponível em: http://portal.lygiaclark.org.br/acervo/8853/lygia-clark-na-sorbonne. Acesso em: jan. 2022.

MASSUMI, B. Of microperception and micropolitics. Interview with Joel McKim. In: Idem, Politics of Affect. Cambridge UK/Malden MA: Polity Press, 2015, p. 47-82.

MIGOZGUCHI, D. H.; PASSOS, E. Transversais da Subjectividade: Arte, Clínica e Política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2021.

NODDINGS, N. Caring: A Relational Approach to Ethics and Moral Education. Berkeley/Los Angeles/Londres: University of California Press, 2013. DOI: https://doi.org/10.1525/9780520957343

PELBART, P.P. Ao avesso do nilismo. São Paulo: N-1 publications, 2013.

RIVERA, T. A Tela e a Outra Cena Ou como Piscar nas Sessões Virtuais de Análise. Psicanalistas pela democracia, 28 mar. 2020. Disponível em: http://psicanalisedemocracia.com.br/2020/03/a-tela-e-a-outra-cena-ou-como-piscar-nas-sessoes-virtuais-de-analise-tania-rivera/?fbclid=IwAR0Q_kaPoHOZZVoLQ3zFnNzJuBsvTEJsSR4gTuRyOHXRJkXaWwzUf4rpgyE. Acesso em: janeiro 2022

RIVERA, T. Ensaio sobre o sujeito na arte contemporânea brasileira. DVD acompanhando O Avesso do Imaginário: Arte Contemporânea e Psicanálise. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

RIVERA, T. O Avesso do Imaginário: Arte Contemporânea e Psicanálise. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

RIVERA, T. para expelir o outro (ou a contra-antropofagia sexual de Lygia Clark). Psicanálise Antropofágica (identidade, gênero, arte). Porto Alegre: Artes & Ecos, 2020, p. 131-156.

RIVERA, T. Subverter o cuidado: Reflexões e ações entre arte e saúde. Revista Mesa, 2018, n.5, “Cuidado como método”. Disponível em: http://institutomesa.org/revistamesa/edicoes/5/tania-rivera/. Acesso em: janeiro 2022

ROGOFF, I. Smuggling – an embodied criticality. European Institute for Progressive Cultural Policies, 2008. Disponível em: https://xenopraxis.net/readings/rogoff_smuggling.pdf

ROLNIK, S. (Org.). Arquivo para uma obra-acontecimento. Publicação e 20 DVDs. São Paulo: SESC, 2011.

ROLNIK, S. (Org.). Lygia Clark da obra ao acontecimento: Somos o molde. A você cabe o sopro. São Paulo/Nantes: Pinacoteca do Estado do São Paulo/Musée des Beaux-arts de Nantes, 2005/2006.

SCHUBACK, M. S. C. Os desafios da arte e da estética no século XXI. Poiesis, 2019, v. 20, n. 34, p. 43-62. Disponível em: https://doi.org/10.22409/poiesis.v20i34.38532. Acesso em: dez. de 2021. DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.v20i34.38532

Seminário: Fugitivity and Endurance (What is the Time of Spectral Infrastructure?), com Adrian Heathfield e Nora Sternfeld, As for Protocols_ To Hold Things Together, 20 e 21 mai. 2021. Vera List Center, New York. Disponível em: https://veralistcenter.org/events/to-hold-things-together/. Acesso em: dez. 2021.

WANDERLEY, L. No silêncio que as palavras guardam: O sofrimento psíquico, o Objeto Relacional de Lygia Clark e as paixões do corpo. São Paulo: N-1 edições, 2020.

WANDERLEY, L. O dragão pousou no espaço: Arte contemporânea, sofrimento psíquico e o objeto relacional de Lygia Clark. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

WANDERLEY, L. Pelas amplas janelas do MAM. Lygia Clark (1920-1988) 100 anos. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 2021, p. 181-201.

WANDERLEY, L. Sensibilidade como instrumento de trabalho: Entrevista por Jessica Gogan. Revista Mesa, 2018, n.5, “Cuidado como método”. Disponível em: http://institutomesa.org/revistamesa/edicoes/5/portfolio/entrevista-em-video-sensibilidade-como-instrumento-de-trabalho-com-lula-wanderley/. Acesso em: dez. de 2021.

Downloads

Publicado

2022-05-21

Como Citar

GOGAN, J. . Ensaios por uma curadoria ao avesso: caminhando com Lygia Clark. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 22–54, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i2.8668470. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8668470. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos - Colaborações