Fechamentos e aberturas da memória e da identidade nacional a partir de o Brasil, de Jaime Lauriano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i3.8668769

Palavras-chave:

Arte contemporânea, Memória, Ditadura militar, Identidade nacional, Jaime Lauriano

Resumo

Neste artigo analisamos como o vídeo O Brasil (2014), de Jaime Lauriano, usa material de arquivo de propagandas produzidas pela ditadura militar no país entre 1969 e 1976 de forma a investigar a construção de um discurso sobre a identidade nacional que sugere uma compulsória união e uma multietnicidade uníssona. Examinando como questões que emergem de O Brasil se relacionam a uma amnésia estrutural do país, evidencia-se a dialética entre lembrança e esquecimento em jogo na construção de uma narrativa nacional – narrativa esta que perpassa e molda diferentes momentos do passado e projeções futuras. A investigação aponta como tal intervenção artística tensiona arquivos e abre memórias em suas multidirecionalidades interrompidas.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Albertoni, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pós-doutoranda na Escola de Bela Artes pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. São Paulo: Jandaíra, 2019.

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ASSMANN, A. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. São Paulo: Veneta, 2020.

FANON, F. Pele negras máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523212148

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes: o legado da "raça branca", v. 1. São Paulo: Globo, 2008.

GONZALEZ, L. Por um feminismo afro-latino-americano. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HALL, S. Encoding/decoding. In: HALL, S. et al. (Orgs.) Culture, Media and Language. Londres: Routledge, 1980, pp. 117-127.

HALL, S. Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013.

HOBSBAWN, E. A invenção das tradições. Rio de Janeiro/ São Paulo: Paz e Terra, 2020.

HUYSSEN, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, Museu de Arte do Rio, 2014.

LAURIANO, J. O Brasil [vídeo, 18’56”], 2014. Disponível em: https://pt.jaimelauriano.com/o-brasil.

LAURIANO, J. Luiz Camillo Osorio conversa com Jaime Lauriano: Entrevista publicada em 23 ago. 2019. Prêmio Pipa 2019. Disponível em:: https://www.premiopipa.com/2019/08/luiz-camillo-osorio-conversa-com-jaime-lauriano/. Acesso em: 01 jun. 2020.

LAURIANO, J. Fala no XXII Encontro de Pesquisadores do PPGAV-EBA-UFRJ: Arte e memória em tempos de crise. Rio de Janeiro: Museu da República, 04 dez. 2019.

MATOS, H. Governo Médici: discurso oculto na comunicação institucional. In: II° Encontro Nacional da Rede Alfredo de Carvalho, FENAJ/UFSC, abr. 2004.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MBEMBE, A. Sair da grande noite: ensaio sobre a África descolonizada. Petrópolis: Editora Vozes, 2019.

MELENDI, M. A. Una pátria obscura: o que resta da anistia, Revista Lindonéia # 4. Grupo de Estudos Estratégias da Arte numa Era de Catástrofes. Belo Horizonte: Escola de Belas Artes-UFMG, set. 2017.

MIGNOLO, W. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade, Revista Brasileira de Ciências Sociais, v,. 32 n. 94, pp. 1-18, jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.17666/329402/2017

PICCINO, E. “Pra Frente Brasil”, “Independência ou Morte” e o uso de música e cinema como propaganda oficial, Revista Novos Olhares, v. 1, n. 2, pp. 74-83, 2012. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2012.55402

RANCIÈRE, J. O inconsciente estético. São Paulo: editora 34, 2009.

RIBEIRO, D. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ROTHBERG, M. Multidirectional Memory: Remembering the Holocaust in the Age of Decolonization. Stanford: Stanford University Press, 2009.

SANTOS, B. de S. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SCHNEIDER, N. Propaganda ditatorial e invasão do cotidiano: a ditadura militar em perspectiva comparada, Estudos Ibero-Americanos, vol. 43, n. 2, pp. 333-345, 2017. Dossiê: História, cotidiano e memória social – a vida comum sob as ditaduras no século XX. DOI: https://doi.org/10.15448/1980-864X.2017.2.24745

SCHWARCZ, L. M. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

SCHWARCZ, L.; STARLING, H. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SCHWARZ, R. Cultura e política, 1964-1969. In: _____. O pai de família e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SELIGMANN-SILVA, M. Imagens precárias: inscrições tênues de violência ditatorial no Brasil, Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 43, UnB, pp. 13-34, jan/jun 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S2316-40182014000100002

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

ALBERTONI, F. Fechamentos e aberturas da memória e da identidade nacional a partir de o Brasil, de Jaime Lauriano. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 318–351, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i3.8668769. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8668769. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - Independência ou Morte! tradições e modernidades