"Trapioca", de Emmanuel Nassar

arapucas modernas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i3.8668865

Palavras-chave:

Emmanuel Nassar, Arte contemporânea paraense, Interpretações do modernismo, Modernidade na Amazônia, Recepções de tradições artísticas

Resumo

O trabalho busca apresentar as matrizes artísticas híbridas e as circulações de imagens de diversas tradições materializadas no trabalho de Emmanuel Nassar (n. 1949), sobretudo na série Trapioca, feita em 2021. Pretende refletir sobre como as noções de modernidade podem ser lidas em complexos cenários periféricos, como no Brasil e na Amazônia, estabelecendo sistemas visuais e estéticos que misturam operações e imagens estrangeiras com características e princípios locais. Essa reflexão é motivada pela insurgente revisão historiográfica sobre os impactos do modernismo no panorama das artes no Brasil e na heterogeneidade da produção brasileira, especialmente fora dos principais núcleos de discussão já consagrados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Carvalho Nunes, Universidade de Lisboa

Doutor em História da Arte pela Universidade de Lisboa, com período sanduíche na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Professor convidado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Professor do Museu de Arte de São Paulo.

Agnaldo Farias, Universidade de São Paulo

Doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Referências

BARTHES, R. Fragments d’um discours amoureux. Paris: Seuil, 1977.

COSTA, G. V. Arte, Belém, do abstracionismo à visualidade amazônica (1957-1985): transições movediças e tensões globais. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal do Pará, 2019.

FARIAS, A. Apollo in the Tropics: Constructivist Art in Brazil. In: AGUILAR, N.; SULLIVAN, E. (orgs.). Brazil Body & Soul. New York: Solomon R. Guggenheim Museum, 2001, p. 398-404.

FARIAS, A. O Brasil em Veneza. Dasartes: artes visuais em revista, ano 1, n. 3, abr/mai 2009, p. 124.

FLETCHER, J.; SARRAF, A.; CHAVES, E. Visualidades Amazônicas e Interculturais nos Primeiros anos do Arte Pará. ILHA, Revista de Antropologia. Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 71-102, jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8034.2017v19n1p71

HERKENHOFF, P. Emmanuel Nassar, o Ser no precário e a má consciência. In: HERKENHOFF, P.; FINGUERUT, S. (orgs.). Amazônia XXI. Rio de Janeiro, FGV Conhecimento, 2021, p. 230-233.

JOBIM, T. Águas de março. Nova York: Phonogram/Philips, 1973, 03’56”.

MIRANDA, C.S.; CARVALHO, R. M. de; TUTYIA, D. R.. O debate regionalista na arquitetura paraense: entre o moderno e o vernáculo. In: MIRANDA, C.S.; CARVALHO, R. M. de; TUTYIA, D. R.. Uma formação em curso: esboços da graduação em arquitetura e urbanismo. Belém: UFPA, 2015, p. 71-86.

NASSAR, E. (Org.). Emmanuel Nassar – a poesia da gambiarra. Curadoria de Denise Mattar. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2003.

NUNES, M.C. O desmantelo de um modernismo brasileiro. seLecT, v. 11, n. 53, p. 138-141, mar/abr/mai 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

NUNES, M. C.; FARIAS, A. "Trapioca", de Emmanuel Nassar: arapucas modernas. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 353–370, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i3.8668865. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8668865. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - Independência ou Morte! tradições e modernidades