Quantos "modernismos" cabem numa modernidade?
PDF

Palavras-chave

Modernismo
Modernidade
Identidade cultural
Sincronia
Anacronia

Como Citar

MEDEIROS, A. Quantos "modernismos" cabem numa modernidade?. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 300–316, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i3.8668870. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8668870. Acesso em: 24 set. 2023.

Resumo

Nas intenções deste breve texto, que pretende sublinhar algumas das concepções de moderno visíveis no recente debate sobre os modernismos, configura-se a hipótese de que alguns modernismos do início do século XX, inclusive aqueles aludidos pelo Manifesto Antropófago, fundam suas raízes numa anacronia identitária que atravessa a própria figuração da modernidade euro-ocidental desde o século XVI. Consequentemente, o presente (nos dois sentidos) do modernismo brasileiro seria uma tomada de consciência sobre nosso ser antropofágico, então considerado como herança indígena. Esse ser/estar modernista naquele presente teve, como veremos, um caráter tanto histórico quanto filosófico e estético, o que nos autorizaria a tentativa de compreender a modernidade do outro (europeu) a partir das entranhas da (anti)colonialidade de si. Para tanto, recorre-se a autores que teorizaram o moderno, tais como Oswald de Andrade, Benedito Nunes, Philadelpho Menezes e Philippe Dagen, dentre outros.

https://doi.org/10.20396/modos.v6i3.8668870
PDF

Referências

ANDRADE, O. de. Manifesto Antropofago. In: Revista de Antropofagia, São Paulo, ano 1, n. 1, p. 3 e 7, maio 1928.

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec; Brasília: Universidade de Brasília, 1993.

BAUDELAIRE, C. Obras estéticas: filosofia da imaginação criadora. Petrópolis-RJ: Vozes, 1993.

DAGEN, P. Primitivismes: une invention moderne. Paris: Gallimard, 2019.

LE GOFF, J. A história deve ser dividida em pedaços? São Paulo: Unesp, 2015.

MACHADO, A. de A. Abre-alas. In: Revista de Antropofagia, São Paulo, ano 1, n. 1, p. 1, maio 1928,.

MENEZES, P. A crise do passado: modernidade, vanguarda, metamodernidade. São Paulo: Experimento, 2021.

MICHAUD, E. Las invasiones bárbaras: una genealogía de la historia del arte. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora, 2017.

NUNES, B. Oswald canibal. São Paulo: Perspectiva, 1979.

QUIJANO, A. Aníbal Quijano: textos de fundación. Buenos Aires: Del Signo, 2014.

ROLNIK, S. Antropofagia zumbi. São Paulo: n-1 edições, 2021.

VASARI, G. Vidas dos artistas. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

WARBURG, A. A renovação da Antiguidade pagã: contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu. Rio de Janeiro: Contraponto, 2015.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Afonso Medeiros

Downloads

Não há dados estatísticos.