Museu do Cordel de Caruaru
PDF

Palavras-chave

Museu do Cordel Olegário Fernandes
Patrimônio integral
Política cultural
Museologia social

Como Citar

PIZZIGNACCO, Milla Maués Pelúcio; IUMATTI, Paulo Teixeira. Museu do Cordel de Caruaru: resistências possíveis perante a vulnerabilização de acervos populares. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 396–429, 2024. DOI: 10.20396/modos.v8i1.8674462. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8674462. Acesso em: 24 jun. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

Neste artigo são expostos os processos de formação e manutenção do Museu do Cordel Olegário Fernandes (Caruaru-PE) à luz dos contextos sociais, históricos e políticos que os produzem. Objetiva-se analisar de que maneira a Fundação de Cultura do município vem se relacionando com esta instituição de origem popular, circunscrevendo a forma como seu patrimônio integral vem sendo incluído ou preterido das e nas políticas culturais de fomento e salvaguarda das manifestações locais. Nessa direção, debate-se como a ausência da participação do Estado pode determinar a vulnerabilização de coleções, de seus produtores e, assim, da função social dos Museus. Por fim, defendem-se as formulações da Museologia Social como profícuas para o empreendimento de uma atitude decolonial em relação ao patrimônio museal, capaz de inseri-lo no campo dos direitos. Metodologicamente, o texto apoia-se em revisão bibliográfica, trabalho de campo e entrevistas semiestruturadas.

https://doi.org/10.20396/modos.v8i1.8674462
PDF

Referências

A peleja do bumba-meu-boi contra o vampiro do meio-dia. Direção de Luiz Lourenço e Pedro Aarão. Caruaru: Danpe vídeo, 1986. DVD (30 min.).

ARRIAGA, I. A. Nuevas ideas de arte y cultura para nuevas perspectivas en la difusión del patrimonio. In: El Acceso al patrimonio cultural: retos y debates. Cátedra Jorge Oteiza, 2008. p. 67-118.

AMARAL, J. P. P. do. Da colonialidade do patrimônio ao patrimônio decolonial. Dissertação (Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, 2015.

CALABRE, L. Política Cultural em tempos de democracia: a Era Lula. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 58, p. 137-156, 2014.

CHAGAS, M; GOUVEIA, I. À guisa de apresentação. Museologia Social. Cadernos do CEOM. Chapecó, v. 27, n. 41, 2014. p.9-22.

CHAGAS, M. Museus e Patrimônios: por uma poética e uma política decolonial. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, v. 35, 2017, p. 121-137.

CHAUÍ, M. Cidadania cultural: o direito à cultura. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2006.

CHUVA, M. Por uma história da noção de patrimônio cultural no Brasil. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, v. 34, p. 147-165, 2012.

CURY, M. X. Museologia: marcos referenciais. Cadernos do CEOM (UNOESC), Chapecó, n. 21, p. 45-73, 2005.

FERNANDES FILHO, O. Olegário Fernandes Filho: depoimento [04 fev. 2023]. Entrevistadora: Milla Pizzignacco. Caruaru: Museu do Cordel Olegário Fernandes, 2023. MP3 [1h16min].

FRANK, J. Mestre Olegário e o Museu do Cordel. Caruaru. Medium, 2018. Disponível em: <https://medium.com/a-ponte/mestre-oleg%C3%A1rio-e-o-museu-do-cordel-2358b28e3283>. Acesso em: 12 ago. 2022.

FREIRE, P. Educação como prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

GOUVEIA, I.; FAULHABER, P. Waldisa Rússio: uma museóloga social. Anais do Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, v. 56, p. 1-21, 2022.

HARDMAN, F. F. (org.). Morte e progresso – cultura brasileira como apagamento de rastros. São Paulo: Unesp, 2005.

IBRAM. Carta de serviços ao cidadão. Brasília: Instituto Brasileiro de Museus, 2023.102 p. Disponível em: < https://www.gov.br/museus/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/carta-de-servicos-ao-cidadao-1.pdf/view>. Acesso em 12 ago. 2023.

JOST, M. A gestão cultural no Brasil (2003-201): um paradigma para relação entre Estado e o setor cultural no século XXI. In: RUBIM, A. A. C.; TAVARES, M. (org.). Cultura e política no Brasil atual. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2021, p. 79-94.

MASTROGREGORI, M. Historiografia e Tradição das Lembranças. In: MALERBA, J. (org.). A História Escrita: Teoria e história da historiografia. São Paulo: Contexto, 2006, p. 65-93.

MBEMBE, A. Necropolítica/Sobre el gobierno privado indirecto. Santa Cruz de Tenerife: Editorial Melusina, 2011.

MELO, R. A. de. Arcanos do verso: trajetórias da literatura de cordel. Rio de Janeiro: 7Letras, 2010.

MELO, R. A. de. Do rapa ao registro: a literatura de cordel como patrimônio cultural do Brasil. Revista de Estudos Brasileiros, São Paulo, v. 72, p. 245-272, 2019a.

MELO, R. A. de. Literatura de cordel: Historiografia, práticas, arquivos. Projeto História - Revista do Programa De Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 65, p. 66-99, 2019b.

MIGNOLO, W. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Argentina: Ediciones del signo, 2010.

PEREIRA, G. George Pereira: depoimento [17 abr. 2023]. Entrevistadora: Milla Pizzignacco. Caruaru/São Paulo: videoconferência (Google Meet). MP4 [1h11min].

PIZZIGNACCO, M. M. P. Emboladas Tipográficas em Campina Grande (PB): permanências e rupturas na edição dos folhetos do poeta Toinho da Mulatinha (1925-2016). Dissertação (Mestrado em Culturas e Identidades Brasileiras). Instituto de Estudos Brasileiros, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2020. 300p.

PRIMO, J.; MOUTINHO, M. Sociomuseologia e Decolonialidade: contexto e desafios para uma releitura do mundo. In: Idem. Teoria e Prática da Sociomuseologia. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, Departamento de Museologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia – ULHT, 2021, p. 19-38.

PRIMO, J. Museologia e Patrimônio: Documentos Fundamentais - Organização e Apresentação (Tradução: Marcelo M. Araújo e Maria Cristina Bruno). Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, n. 15, p. 95-104, 1999.

PRIMO, J. Os Desafios Contemporâneos na Investigação em Sociomuseologia. Cadernos de Sociomuseologia, v.58, n. 14, 3-17, 2019.

RAMOS, E. La gravure populaire au Brésil (XIXe-XXe siècle) : du marché au marchand. 2 vol. Tese (Doutorado em Estudos Brasileiros), Université Paris X -Nanterre. Nanterre, 2005. 465 p.

ROMERO, P. Caruaru ganha Espaço do Cordel. Vanguarda, Caruaru, ago. 1999. Entretenimentos.

SANTOS, S. da S. Ecomuseus e museus comunitários no Brasil: estudo exploratório de possibilidades museológicas. 2017. Dissertação (Mestrado em Museologia). Interunidades em Museologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017. 768 p.

SLATER, C. A vida no barbante: a literatura de cordel no Brasil. Tradução: Octavio Alves Velho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

TERRA, R. Mémoria de lutas. São Paulo: Global Editora, 1983.

VILHENA, L. R. Projeto e Missão: o movimento folclórico brasileiro – 1947-1964. Rio de Janeiro: Funarte; Fundação Getúlio Vargas, 1997.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Milla Maués Pelúcio Pizzignacco, Paulo Teixeira Iumatti

Downloads

Não há dados estatísticos.