A catarse na didática da pedagogia histórico-crítica

Palavras-chave: Catarse, Pedagogia histórico-crítica, Didática, György Lukács, Antonio Gramsci

Resumo

Segundo Dermeval Saviani, no método didático da pedagogia histórico-crítica, a catarse é o momento culminante. Este artigo explora a importância dessa categoria para a didática nessa perspectiva pedagógica, tomando como referências os estudos de György Lukács (1885-1971) e Antônio Gramsci (1891-1937) sobre o processo catártico. É defendida a interpretação de que a catarse seria um salto qualitativo no processo de ampliação e enriquecimento das relações entre a subjetividade individual e a objetividade sociocultural. Trata-se de uma transformação, ao mesmo tempo, intelectual, emocional, educacional, política e ética, que modifica a visão de mundo do indivíduo e suas relações com sua própria vida, com a sociedade e com o gênero humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Newton Duarte , Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

 Doutorado na Faculdade de Educação da Unicamp.

Referências

Aristóteles. (2004). Poética (B. Abrão, Trad.). São Paulo: Nova Cultural.

Cardoso, M. M. R. (2014). Catarse e educação: contribuições de Gramsci e o significado na pedagogia histórico-crítica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba.

Carvalho, B. (2014). Ensino a distância: limites e possibilidades na formação de professores. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de São Paulo, Araraquara.

Duarte, N. (2003). Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação de professores: por que Donald Schön não entendeu Luria. Educação & Sociedade, 24(83), 601-625.

Duarte, N. (2013). A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. Campinas: Autores Associados.

Duarte, N. (2016). Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas: Autores Associados.

Duarte, N. (2017). Individualidade, conhecimento e linguagem na concepção dialética de desenvolvimento em Vigotski. Fórum Linguístico, 13(4), 1559-1571. doi: http://dx.doi.org/10.5007/47600.

Eagleton, T. (2011). Marxismo e crítica literária. São Paulo: Editora UNESP.

Engels, F. (1979). Anti-Dühring (2a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gorki, M. (1979). Pequenos burgueses. Mãe. São Paulo: Victor Civita.

Gramsci, A. (1978). Concepção dialética da história (3a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Gramsci, A. (1982). Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Halliwell, S. (1998). Aristotle’s poetic. Chicago: University of Chicago Press.

Harvey, D. (2016). 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo.

Hollanda, F. B. (1971). Cotidiano. Disco Sonoro. Rio de Janeiro: Phonogram.

Kafka, F. (1997). A metamorfose. São Paulo: Companhia das Letras.

Lukács, G. (1965). Estética: la peculiaridad de lo estético (4. Cuestiones liminares de lo estético). Barcelona: Grijalbo.

Lukács, G. (1966). Estética: la peculiaridad de lo estético (2. Problemas de la mímesis). Barcelona: Grijalbo.

Lukács, G. (1986). Zur ontologie des gesellscheftlichen seins. Darmstadt: Luchterhand.

Lukács, G. (2012). Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo.

Lukács, G. (2013). Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo.

Malanchen, J. (2015). Políticas de formação de professores a distância no Brasil: uma análise crítica. Campinas: Autores Associados.
Martins, L. M. (2010). O legado do século XX para a formação de professores. In L. M. Martins, & N. Duarte (Orgs.), Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias (pp. 13-31). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Martins, L. M. (2013). O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar. Campinas: Autores Associados.

Martins, M. F. (2011). Gramsci, os intelectuais e suas funções científico-filosófica, educativocultural e política. Pro-Posições, 22(3), 131-148. Recuperado em 01 de março de 2017, de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73072011000300010.

Marx, K. (2007) Ad Feuerbach (1845). In: K. Marx, & F. Engel, F, A ideologia alemã (pp. 533535). São Paulo: Boitempo.

Marx, K. (2011) Grundrisse. Manuscritos econômicos de 1857-1858. São Paulo: Boitempo.

Mazzeu, F. J. C. (1998). Uma proposta metodológica para a formação continuada de professores na perspectiva histórico-social. Cadernos CEDES, 19(44), 59-72.

Mészáros, I. (2003) O século XXI: socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo.

Pappas, N. (2010). Aristotle. In B. Gaut, & D. M. Lopes, The Routledge companion to aesthetics (pp. 15-26). Londres: Routledge.

Saccomani, M. C. (2016) A criatividade na arte e na educação escolar. Campinas: Autores Associados.

Saviani, D. (2007) História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados.

Saviani, D. (2008). Escola e democracia (Ed. Comemorativa). Campinas: Autores Associados.

Saviani, D. (2011). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações (11a ed.). Campinas: Autores Associados.

Saviani, D., & Duarte, N. (2012). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas: Autores Associados.

Saviani, D., Martins, M. F., & Cardoso, M. M. R. (2015). Entrevista: catarse na pedagogia histórico-crítica: a concepção de Saviani. Crítica Educativa, 1(1), 163-217.

Teixeira, L. (2011). A centralidade do conceito de conhecimento tácito na formação de professores: análise crítica da influência da epistemologia de Michael Polanyi na educação. Tese de Doutorado em Educação Escolar, Universidade Estadual de São Paulo, Araraquara.

Veloso, C.W. (2004). Depurando as interpretações da Kátharsis na Poética de Aristóteles. Síntese, 31(99), 13-25.
Publicado
2019-05-09
Como Citar
Duarte , N. (2019). A catarse na didática da pedagogia histórico-crítica . Pro-Posições, 30, 1-23. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656737
Seção
Dossiê