Uma perspectiva de comparação na escrita histórico-social do currículo do ensino secundário

Autores

Palavras-chave:

Ensino secundário, Estudo comparado, Dissertações e teses

Resumo

Neste trabalho, apresentamos parte de resultados de uma pesquisa que toma como fontes dissertações e teses sobre o ensino secundário no sul do Mato Grosso e de Minas Gerais, produzidas no Grupo de Estudos Observatório de Cultura Escolar (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e no Centro de Pesquisa em História da Educação (Universidade Federal de Minas Gerais), no período de 1999 a 2012. Temos constituído práticas de pesquisa com os estudos comparados, alimentadas por percursos teórico-metodológicos que entendemos em uma versão particular, por recorrermos ao cruzamento da educação comparada com a história comparada da educação. Diante disso, incursionamos por histórias dos “ensinos secundários” construídas em torno de uma interpretação semelhante para suas origens do ponto de vista da organização das cidades, da caracterização socioeconômica da população-alvo e dos fetiches em torno das instituições, mesmo tratando de objetos diferenciados nos espaços e tempos históricos. O desenvolvimento empírico dessas histórias evidenciou que diferenças dos sistemas analisados, se existem ou existiram, não foram abordadas. Estamos falando de diferenças ligadas à composição, às práticas e às dinâmicas das políticas educacionais locais, das estratificações sociais e dos interesses das famílias, responsáveis por experiências socializadoras diferenciadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiany de Cássia Tavares Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pós-Doutorado pela Universidade Federal de São Paulo. Professora Titular da Faculdade de Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Eurize Caldas Pessanha, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Professora sênior da Universidade Federal da Grande Dourados. 

Referências

Assis e Silva, L. V. C. (2018). Na cadência das águas, no ritmo da política: A escola pública rural no município de Poconé-MT (1930-1945). Tese de Doutorado, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

Baczko, B. (1985). Imaginação social. In R. Romano (Dir.), Enciclopédia Einaudi: Anthropos-homem (Vol. 5, pp. 296-332). Lisboa: Imprensa Nacional.

Barros, J. D. A. (2005). História, região e espacialidade. Revista de História Regional, 10(1), 95-129.

Beisiegel, C. (1995). Educação e sociedade no Brasil após 30. In S. B. Holanda (Dir.), História geral da civilização brasileira: Vol. 4. O Brasil republicano: Economia e cultura (pp. 383-416). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Lisboa: Difel. Bourdieu, P. (1996). Razões práticas: Sobre a teoria da ação. Campinas, Papirus.

Bourdieu, P. (1998a). As categorias do juízo professoral. In M. A. Nogueira & A. Catani (Orgs.), Escritos de educação (pp. 185-216). Petrópolis: Vozes.

Bourdieu, P. (1998b). O capital social: Notas provisórias. In M. A. Nogueira & A. Catani (Orgs.), Escritos de educação (pp. 65-70). Petrópolis: Vozes.

Bourdieu, P. (1999). Las estrategias de reconversión. In M. Enguita (Ed.), Sociología de la educación. Barcelona: Editorial Ariel.

Bourdieu, P. (2007). A distinção: Crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp.

Bourdieu, P., Passeron, J.-C. (1992). A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Castro, T. P. V. (2018). Do direito à educação da infância rural do município de Cuiabá – MT (1937- 1945): Dos quintais aos bancos escolares. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

Certeau, M. (2010). A escrita da história (2a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Dallabrida, N. (2009). A reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário. Educação, 32(2), 185-191.

Decreto nº 19.890, de 18 de abril de 1931 (1931, 1º de maio). Dispõe sobre a organização do ensino secundário. Diário Oficial da União, seção 1.

Decreto nº 4.244, de 9 de abril de 1942 (1942, 10 de abril). Lei orgânica do ensino secundário. Diário Oficial da União, seção 1.

Detienne, M. (2004). Comparar o incomparável. Aparecida: Ideias e Letras. Ferreira, A. G. (2009). O sentido da educação comparada: Uma compreensão sobre a construção de uma identidade. In D. B. Souza & S. A. Martinez (Orgs.), Educação comparada: Rotas de além-mar (pp. 137-166). São Paulo: Xamã.

Gonçalves Neto, W., Carvalho, C. H. (2005). O nascimento da educação republicana: Princípios educacionais nos regulamentos de Minas Gerais e Uberabinha (MG) no final do século XIX. In D. Gatti Júnior & G. Inácio Filho (Orgs.), História da educação em perspectiva: Ensino, pesquisa, produção e novas investigações (pp. 263-294). Campinas: Autores Associados.

Haidar, M. L. M. (1972). O ensino secundário no Império Brasileiro. São Paulo: Edusp. Madeira, A. I. (2009). O campo da educação comparada: Do simbolismo fundacional à renovação das lógicas de investigação. In D. B. Souza & S. A. Martinez (Orgs.), Educação comparada: Rotas de além-mar (pp. 105-135). São Paulo: Xamã.

Le Goff, J. (1994). O imaginário medieval. Lisboa: Editorial Estampa.

Menezes, F. V. (2012). Indícios das práticas curriculares na disciplina história em uma escola exemplar de Campo Grande entre 1942 e 1970. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

Minhoto, M. A. P. (2008). Articulação entre primário e secundário na Era Vargas: Crítica do papel do estado. Educação e Pesquisa, 34(3), 449-463.

Nóvoa, A. S. (2009). Modelos de análise em educação comparada: O campo e a carta. In D. B. Souza & S. A. Martinez (Orgs.), Educação comparada: Rotas de além-mar (pp. 23-62). São Paulo: Xamã.

Nunes, C. (2000). O “velho” e “bom” ensino secundário: Momentos decisivos. Revista Brasileira de Educação, (14), 35-60.

Nunes, M. T. (1962). Ensino secundário e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros.

Oliveira, S. S. (2009). A história da disciplina escolar francês no Colégio Estadual Campo-Grandense (1942- 1962). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

Pessanha, E. C. et al. (2007). Tempo de cidade, lugar de escola: Um estudo comparativo sobre a cultura escolar de escolas exemplares constituídas no processo de urbanização e modernização das cidades brasileiras. Relatório de Pesquisa Interinstitucional, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

Queiroz, P. R. C. (1997). Condições econômicas do sul de Mato Grosso no início do século XX. Fronteiras, 1(2), 113-136.

Schwartzman, S., Bomeny, H. M. B., & Costa, V. M. R. (2000). Tempos de Capanema. São Paulo: Paz e Terra.

Silva, F. C. T. (2013). Estudo histórico-comparado da produção de conhecimento sobre o ensino secundário. Projeto de Pesquisa, Observatório de Cultura Escolar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.

Silva, F. C. T. (2016). Estudos comparados como método de pesquisa: A escrita de uma história curricular por documentos curriculares. Revista Brasileira de Educação, 21(64), 209-224.

Silva, G. B. (1959). Introdução crítica do ensino secundário. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura.

Souza, R. F. (2008). História da organização do trabalho escolar e do currículo no século XX: Ensino primário e secundário no Brasil. São Paulo: Cortez.

Teixeira, A. H. L. (2011). “Uma escola sem muros”: Colégio Estadual de Minas Gerais (1956-1964). Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Vidal, D. G. (2001). História da educação comparada: Reflexões iniciais e relato de uma experiência. História da Educação, 5(10), 31-41.

Zotti, S. A. (2004). Sociedade, educação e currículo no Brasil: Dos jesuítas aos anos de 1980. Campinas: Autores Associados.

Publicado

2020-01-20

Como Citar

SILVA, F. de C. T. .; PESSANHA, E. C. Uma perspectiva de comparação na escrita histórico-social do currículo do ensino secundário. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20170100, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660695. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos