Alfabetização na Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

Autores

Palavras-chave:

Alfabetização, Modelo funcional de alfabetização, Base Nacional Comum Curricular, Texto

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar como a alfabetização é articulada na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) aprovada pelo Conselho Nacional de Educação em dezembro de 2017. Adota, como metodologia de estudo, a pesquisa documental, pois analisa documentos/textos produzidos por órgãos diretores e encarregados da educação, respectivamente, no Brasil e no mundo. Conclui que o modelo de alfabetização funcional adotado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura para subsidiar programas e projetos de alfabetização de adultos, compatível com a noção de competência adotada na BNCC, reduz a alfabetização ao desenvolvimento da consciência fonológica, à aprendizagem da técnica da escrita com o objetivo de formar pessoas adaptadas à ordem social e ao modelo produtivo vigentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Maria Mendes Gontijo, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em Educação, Cultura e Linguagens pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professora do Departamento em Linguagem, Cultura e Educação da Universidade Federal do Espírito Santo.

Dania Monteiro Vieira Costa, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. É professora adjunta do Departamento de Linguagens, Cultura e Educação da Universidade Federal do Espírito Santo

Nayara Santos Perovano, Secretaria Municipal de Educação

Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professora da Educação Infantil pela Prefeitura Municipal da Serra-Espirito Santo. 

Referências

Bakhtin, M. (2003). Estética da criação verbal (Trad. Paulo Bezerra, 4a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Bittencourt, J. (2017). A Base Nacional Comum Curricular: uma análise a partir do ciclo de políticas. In Anais do XIII Congresso Nacional de Educação (pp. 553-569). Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba. Recuperado de https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/24201_12678.pdf

Brecht, B. (1986). Perguntas de um trabalhador que lê: poemas (Trad. Paulo Cesar Souza). São Paulo: Brasiliense.

Carvalho, J. M., & Lourenço, S. G. (2018). O silenciamento de professores da Educação Básica pela estratégia de fazê-los falar. Pro-posições, 29(2), 235-258.

Comissão Interamericana de Direitos Humanos. (2000). Declaração de princípios sobre a liberdade de expressão. Recuperado de http://bit.ly/2PeCujF

Delfior, S. (1998). Conocimiento fonológico y lectura: el paso de las representaciones inconscientes a las conscientes. Revista Portuguesa de Pedagogia, 32(1), 5-27.

Freire, P. (1996). Educação como prática da liberdade (22a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Geraldi, J. W. (1991). Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes.

Geraldi, J. W. (Org.). (1995). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática.

Góes, M. S., & Gontijo, C. M. M. (2017). Relações entre desenho e escrita no processo de produção textual. Revista Educação Unisinos, 21(2), 223-232. doi:10.4013/edu.2017.212.11

Gontijo, C. M. M. (2015). Base Nacional Comum Curricular (BNCC): comentários críticos. Revista Brasileira de Alfabetização, 1(2), 174-190.

Graff, H. J. (1995). Os labirintos da alfabetização: reflexões sobre o passado e o presente da alfabetização (Trad. Tyrza M. Garcia). Porto Alegre: Artes Médicas.

Infante, M. I., & Letelier, M. E. (2013). Alfabetización y educación: lecciones desde la práctica innovadora en América Latina y el Caribe. Santiago, Chile: Unesco.

Macedo, E. (2016). Base Nacional Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, 32(2), 45-68. doi:10.1590/0102-4698153052

Marsiglia, A. C. G., Pina, L. D., Machado, V. O., & Lima, M. (2017). A Base Nacional Comum Curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola no Brasil. Germinal: marxismo e educação em debate, 9(1), 107-121. doi:10.9771/gmed.v9i1.21835

Ministério da Educação. (2017). Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF: Autor. Recuperado de http://bit.ly/2PFK5qq

Mortatti, M. R. L. (2015). Essa Base Nacional Comum Curricular: mais uma tragédia brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização, 1(2), 191-205. Oficina de Educación Iberoamericana. (1975). Simposio Internacional de Alfabetización. Persépolis: Plana. Organização das Nações Unidas. (2015). Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Recuperado de https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. (1970a). Alfabetización 1965-1967: los progresos de la alfabetización en el mundo. Paris: Autor.

Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. (1968). Alfabetización 1965-1967. Paris: Autor.

Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. (1970b). La alfabetización funcional: cómo y por qué. Paris: Autor.

Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. (1972a). La alfabetización 1969-1971: los progresos de la alfabetización en el mundo. Paris: Autor.

Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. (1972b). Tercera Conferencia Internacional sobre la educación de adultos. Paris: Autor.

Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. (1979). Actas de la Conferencia General: 20a reunión. Paris: Autor.

Publicado

2020-04-22

Como Citar

GONTIJO, C. M. M. .; COSTA, D. M. V. .; PEROVANO, N. S. . Alfabetização na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20180110, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660703. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)