Política de correção de fluxo escolar em Pernambuco

uma análise do programa travessia

Autores

Palavras-chave:

Política educaciona, Correção de fluxo escolar, Programa travessia, Fracasso escolar

Resumo

Analisamos no presente texto a percepção de alunos egressos do programa Travessia acerca de possíveis repercussões qualitativas dessa política pública no processo de enfrentamento da distorção idade/série escolar na rede de ensino de Pernambuco. A análise dos dados permite-nos constatar que houve efetividade do programa quanto ao processo de regularização do fluxo escolar, registrando-se redução do índice de distorção idade/série escolar no ensino médio de 61% em 2007 para 36,4% em 2013. Por outro lado, com base no referencial de análise de conteúdo, foi possível inferir dos dados coletados por meio da realização de entrevistas semiestruturadas que há limitações no que se refere aos resultados qualitativos, uma vez que os sujeitos da pesquisa reconhecem baixo impacto do programa, no tocante a sequência dos estudos, a inserção no mundo do trabalho formal e ao exercício de práticas cidadãs no contexto social em que os indivíduos vivem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Francisco de Andrade, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor do Departamento de Administração Escolar e Planejamento Educacional da Universidade Federal de Pernambuco.

Silvana Galvão de Aguiar, Universidade Federal de Pernambuco

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco. Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora da Rede Municipal de Ensino da Cidade do Recife e do Governo do Estado de Pernambuco.

Referências

Abdalla, V. (2004). O que pensam os alunos sobre a escola noturna. São Paulo: Cortez.

Andrade, E. F. (2013). Ação colegiada como estratégia de democratização da gestão educacional. Educação Unisinos, 17(2), 114-122.

Angelucci, C. B., Kalmus, J., Paparelli, R., & Patto, M. H. S. (2004). O estado da arte da pesquisa sobre o fracasso escolar (1991-2002): um estudo introdutório. Educação e Pesquisa, 30(1), 51-72.

Arroyo, M. G. (1997). Fracasso-sucesso: o peso da cultura escolar e do ordenamento da educação básica. In A. Abramowicz & J. Moll (Orgs.), Para além do fracasso escolar (pp. 11- 26). Campinas: Papirus.

Bardin, L. (2007). Análise de conteúdo (L. A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70.

Cruz, E. B. G. (2007). Projeto de regularização do fluxo escolar: profilaxia ou tratamento? Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Dayrell, J. (2007). A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação & Sociedade, 28(100), 1105-1128.

Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. (2013). Brasília, DF: MEC, SEB, Dicei.

Dourado, L. F. (2004). Gestão democrática da escola: movimentos, tensões e desafios. In A. M. Silva, & M. A. S. Aguiar (Orgs.), Retrato da escola no Brasil (pp. 59-74). Brasília, DF: CNTE.

Dourado, L. F. (2007). Plano Nacional de Educação: avaliações e retomada do protagonismo da sociedade civil organizada na luta pela educação. In N. S. C. Ferreira (Org.), Políticas públicas e gestão da educação: polêmicas, fundamentos e análises (pp. 21-50). Brasília, DF: Líber.

Granja, T. A. S. (2009). Políticas educacionais e programas compensatórios – o fracasso escolar e a exclusão: duas faces da mesma moeda. Campinas: Papirus.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese dos indicadores de 2009. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2007). Sinopse estatística da educação básica. Brasília, DF: Inep.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013). Sinopse estatística da educação básica. Brasília, DF: Inep.

Instrução Normativa nº 07, de 15 de outubro de 2008 (2008, 16 de outubro). Fixa diretrizes e orienta procedimentos para a correção de fluxo escolar no Ensino Médio, no âmbito da Rede Pública Estadual de ensino, através do Projeto Travessia. Diário Oficial do Estado de Pernambuco, seção 1.

Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014 (2014, 25 de junho). Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996, 23 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, seção 1.

Levin, H., & Soler, P. (1992). Escolas aceleradas: podem elas ser bem sucedidas no Brasil? Brasília, DF: Inep.

Lugli, R. G., & Gualtieri, R. C. E. (2012). A escola e o fracasso escolar. São Paulo: Cortez.

Ministério da Educação (BR). (2004). Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares – Conselho Escolar: democratização da escola e a construção da cidadania. Brasília, DF: MEC, SEB.

Oliveira, J. B A. (2002). Correção de fluxo escolar: um balanço do programa Acelera Brasil (1997-2000). Caderno de Pesquisa, 116.

Parente, C. (2002). “Observação: Um percurso de formação, prática e reflexão”. In J. O. Formosinho (Org.), A supervisão na formação de professores I: da sala à escola (pp. 166-216). Porto: Porto Editora.

Perrenoud, P. (1997). Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas (2a ed.). Lisboa: Dom Quixote.

Saviani, D. (2003). Escola e Democracia: teoria da educação; curvatura da vara, onze teses sobre educação e política (36a ed.). Campinas: Autores Associados.

Secretaria de Educação do Estado (PE). (2007). Projeto de aceleração de estudos do ensino médio. Recife.

Setúbal, M. A. (2000). Os programas de correção de fluxo no contexto das políticas educacionais contemporâneas. Em aberto, 17(71), 9-19.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação – o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. São Paulo: Atlas.

Downloads

Publicado

2020-04-22

Como Citar

ANDRADE, E. F. de .; AGUIAR, S. G. de . Política de correção de fluxo escolar em Pernambuco: uma análise do programa travessia. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20170026, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660711. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos