Considerações sobre os indicadores de formação docente no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Formação de professores, Licenciatura, Ensino superior, Evasão

Resumo

Neste artigo buscamos analisar e tecer algumas considerações a respeito dos indicadores divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira/Ministério da Educação sobre a formação de professores nos cursos de licenciatura no Brasil. Os dados selecionados para análise e discussão foram retirados das sinopses estatísticas fornecidas entre os anos de 2001 e 2015 e compreendem o número de vagas oferecidas, de ingressos e de concluintes por cursos de graduação. A partir da análise dos dados, podemos observar que, embora o número de vagas tenha aumentado no período, os cursos de licenciatura ainda apresentam baixa procura e muitas vagas ociosas. Os cursos de Física têm o menor número de concluintes em comparação com os outros cursos analisados. Essa realidade pode ser influenciada por diferentes fatores, entre os quais a baixa procura por cursos de licenciatura e a alta taxa de evasão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseli Constantino Schwerz, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Física pela Universidade Estadual de Maringá. Professora Adjunta da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Docente permanente no Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física.

Natalia Neves Macedo Deimling, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Docente do Magistério Superior na Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Cesar Vanderlei Deimling, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Física pela Universidade Federal de São Carlos. Professor Adjunto III e chefe do Departamento Acadêmico de Física da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Daniele Cristina da Silva, Faculdade de Tecnologia de Campinas

Graduação em andamento em Tecnologia em Processos Químicos pela Faculdade de Tecnologia de Campinas.

Referências

Alvarenga, C. F., Sales, A. P., Costa, A. D., Costa, M. D., Veroneze, R. B., & Santos, T. L. B. (2012). Desafios do Ensino Superior para estudantes de escola pública: um estudo na UFLA. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 6(1), 55-71.

Caôn, G. F., & Frizzo, H. C. F. (2010). Acesso, equidade e permanência no Ensino Superior: desafios para o processo de democratização da educação no Brasil. Vertentes, 19(2), 1-15.

Costa, S. L., & Dias, S. M. B. (2015). A permanência no ensino superior e as estratégias institucionais de enfrentamento da evasão. Jornal de Políticas Educacionais, 9(17-18), 51-60. doi:10.5380/jpe.v9i17/18.38650

Deimling, N. N. M. (2014). Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência: contribuições, limites e desafios para a formação docente. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Ferreira, D. L. (2011). Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a política de formação docente no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Pará, Belém.

Freitas, H. C. L. (2007). A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade, 28(100, esp.), 1203-1230.

Gatti, B. A., & Barreto, E. S. S. (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, DF: Unesco.

Gatti, B. A., Barreto, E. S. S., & André, M. E. D. A. (2011). Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: Unesco.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira (Estudos & Pesquisas: informação demográfica e socioeconômica, n. 34). Recuperado de http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91983.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2014). Nota explicativa: resultados Prova Brasil 2013. Recuperado de http://download.inep.gov.br/mailing/2014/nota_explicativa_prova_brasil_2013.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2016a). Enem 2016: resultado individual. Brasília, DF: Ministério da Educação. Recuperado de http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/downloads/2016/apresentacao _final_resultados_2016.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2016b). Sistema de Avaliação da Educação Básica: edição 2015: resultados. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2017). Sinopses Estatísticas da Educação Superior: Graduação. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior

Louzano, P., Rocha, V., Moriconi, G. M., & Oliveira, R. P. (2010). Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, 21(47), 543-568. doi:10.18222/eae214720102463

Maués, O. C. (2011). A política da OCDE para a educação e a formação docente: A nova regulação? Educação, 34(1), 75-85.

Mazzeu, L. T. B. (2009). A política de formação docente no Brasil: fundamentos teóricos e epistemológicos. In Anais da 32 Reunião Nacional da Anped (pp. 1-17). Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu.

Oliveira, D. A. (2011). A nova regulação de forças no interior da escola: carreira, formação e avaliação docente. Revista brasileira de política e administração da educação, 27(1), 25-38.

Parecer CNE/CP nº: 2/2015. (2015, 25 de junho). Diário Oficial da União, seção 1, 13.

Rosa, C. M. (2014). Limites da democratização da educação superior: entraves na permanência e a evasão na Universidade Federal de Goiás. Poíesis Pedagógica, 12(1), 240-257. doi:10.5216/rpp.v12i1.31219

Ruiz, A. I., Ramos, M. N., & Hingel, M. (2007). Escassez de professores no Ensino Médio: propostas estruturais e emergenciais. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Shiroma, E. O., Moraes, M. C. M., & Evangelista, O. (2007). Política Educacional (4a ed.). Rio de Janeiro: Lamparina.

Tardif, M. (2012). Saberes docentes e formação profissional (13a ed.). Petrópolis: Vozes.

Tartuce, G. L. B. P., Nunes, M. M. R., & Almeida, P. C. A. (2010). Alunos do ensino médio e atratividade da carreira docente no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 40(140), 445-477. doi:10.1590/S0100-15742010000200008

Tribunal de Contas da União. (2014). Auditoria coordenada educação: ensino médio. Brasília, DF: TCU.

Vaillant, D. (2006). Atraer y retener buenos profesionales en la profesión docente: políticas en Latinoamérica. Revista de Educación, (340), 117-140.

Publicado

2020-04-22

Como Citar

SCHWERZ, R. C.; DEIMLING, N. N. M. .; DEIMLING, C. V. .; SILVA, D. C. da . Considerações sobre os indicadores de formação docente no Brasil. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20170199, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660713. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos