Rodas de conversa e pesquisa

reflexões de uma abordagem etnográfica

Autores

Palavras-chave:

Rodas de conversa, Narrativas, Sociabilidades, Cotidiano

Resumo

O artigo discute a produção de rodas de conversa como técnica em pesquisa qualitativa na área de educação, problematizando-a desde incursões de inspiração etnográfica em contextos de periferia urbana. Para efeito da argumentação proposta, toma-se a interlocução construída com moradoras idosas de um bairro de Porto Alegre/RS, entre os anos de 2014 e 2016, mediante a realização de encontros em seus locais de residência. Consideraram-se as contribuições de Georg Simmel e Michel de Certeau para reflexões sobre a produção da “conversa sociável”e acerca das “artes de dizer”populares, respectivamente, propondo uma interpretação da dinâmica da conversação e da forma da narração. Neste sentido, no percurso metodológico narrado, destaca-se a defluência cultural da “conversa”e, para o caso em análise, aventa-se a associação da dinâmica das rodas coproduzidas à atuação daquelas mulheres no âmbito comunitárioe consonante a uma estética relacional em prol dos laços de reciprocidade em seu cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Rogério Pinheiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-Doutorado pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Barthes, R. (2011). Introdução à análise estrutural da narrativa. In R. Barthes, A. J. Greimas, C. Bremond, U. Eco, J. Gritti, V. Morin, ... G. Genette,Análise estrutural da narrativa(pp.19-62). Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Bedin, E., & Pino, J. C.(2018). Interações e intercessões em rodas de conversa: espaços de formação inicial docente. RBEP, 99(251), 222-238.doi:10.24109/2176-6681.rbep.99i251.3383

Bosi, E. (1994). Memória e sociedade: Lembranças de velhos. São Paulo, SP: Cia das Letras.

Buaes, C. S. (2015). Educação financeira com idosos em um contexto popular. Educação e Realidade, 40(1), 105-127.doi:10.1590/2175-623646496

Certeau, M. (2011). O tempo das histórias. In A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer(pp.140-156). Petrópolis, RJ: Vozes.

ObservaPOA.(2018).Cidade dePorto Alegre. Recuperado de http://portoalegreemanalise.procempa.com.br

Fonseca, C. (2004). Família, fofoca e honra: Etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre, RS: Editora UFRGS.

Gondim, S.M. G. (2003). Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, 12(24), 149-161.doi:10.1590/S0103-863X2002000300004

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2002). Entrevista narrativa. In M. Bauer& G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático(pp.90-113). Petrópolis, RJ: Vozes.

Marras, S. (2007). Tarde reconquistado. Novos estudos CEBRAP,(78), 221-231.doi:10.1590/S0101-33002007000200018

Martins, J. S.(2009).Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo, SP: Contexto.Martins, J. S. (2011). A sociabilidade do homem simples: Cotidiano e história na modernidade anômala. São Paulo, SP: Contexto.

Meinerz, C. B. (2011). Grupos de discussão: Uma opção metodológica na pesquisa em educação. Educação e Realidade, 36(2), 485-504.

Melo, M. C. H., & Cruz, G. C. (2014). Roda de conversa: Uma proposta metodológica para a construção de um espaço de diálogo no Ensino Médio. Imagens da Educação, 4(2), 31-39.doi:10.4025/imagenseduc.v4i2.22222

Moura, A. F., & Lima, M. A. (2014). A reinvenção da roda: Roda de conversa, um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, 23(1), 98-106.

Ratts, A. (2003). Gênero, raça e espaço: Trajetórias de mulheresnegras. In Anais do 27ºEncontro Anual da Anpocs.Anpocs, Caxambú, MG.

Ricoeur, P. (2015). Memória, história e esquecimento. In Conferência Internacional “Haunting memories? History in Europe after authoritarianism.Budapeste, 2003. Recuperado de: http://www.uc.pt/fluc/uidief/textos_ricoeur/memoria_historia

Rocha, A.L. C., &Eckert, C. (1998). A interioridade da experiência temporal do antropólogo como condição da produção etnográfica. Revista de Antropologia, 41(2), 107-136.doi:10.1590/S0034-77011998000200004

Rocha, A., &Eckert, C. (2008). Etnografia: Saberes e práticas. In C. Pinto&C. Guazzelli (Orgs.),Ciências humanas: Pesquisa e método(pp.9-24). Porto Alegre, RS: Editora UFRGS.

Sacchet, T. (2009). Capital social, gênero e representação política no Brasil. Opinião Pública, 15(2), 306-332.doi:10.1590/S0104-62762009000200002

Sampaio, J., Santos, G. C., Agostini, M., & Salvador, A.S.(2014). Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: Uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface, 18(2), 1299-1311.doi:10.1590/1807-57622013.0264

Simmel, G. (2006). Sociabilidade. In Questões fundamentais da sociologia(pp.59-82). Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Tarde, G. (2005). A opinião e as massas. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Warschauer, C. (2004). Rodas e narrativas: Caminhos para a autoria de pensamento, para a inclusão e a formação. InB.Scoz,C. Feldman, M. C. Gasparion,M. I. M. Maluf,M. H. Mendes, Q. Bombonato, ... S. A. M. Pinto(Orgs.),Psicopedagogia: Contribuições para a educação pós-moderna(pp.13-23). Petrópolis, RJ: Vozes

Weller, W. (2006). Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: Aportes teórico-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, 32(2), 241-260.doi:10.1590/S1517-97022006000200003

Downloads

Publicado

2020-08-10

Como Citar

PINHEIRO, L. R. . Rodas de conversa e pesquisa: reflexões de uma abordagem etnográfica. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20190041, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8664297. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos