A representação do profissional de biblioteconomia

um estudo com textos culturais

Autores

  • Danielle Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ingrid Gomes Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Marina Dias Faria Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v12i3.1595

Palavras-chave:

Texto cultural, Estereótipo profissional, Bibliotecário

Resumo

Os textos culturais, como por exemplo, novelas, filmes e desenhos animados, por meio de imagens e/ ou palavras difundidas são considerados como elementos transformadores de valores e crenças, apresentando uma forte influência na representação das pessoas, no seu papel e no seu lugar na sociedade. A despeito de serem importantes veículos da cultura, dos valores e das perspectivas vigentes em uma sociedade, os textos culturais configuram possibilidades pouco exploradas em pesquisas acerca de estereótipos profissionais. Diante desse cenário, o objetivo dessa pesquisa é discutir como os profissionais de Biblioteconomia e o seu ambiente de trabalho são representados em textos culturais. A metodologia foi estruturada com base na análise de textos culturais, coletados por meio do site YouTube e através do buscador Google, com o uso de análise de conteúdo. Foram coletados e analisados, desenhos animados, telenovelas, seriados televisivos, programas de auditório e livros. Os resultados das análises dos textos, diálogos e imagens abordam questões a respeito das características físicas, comportamentais, competências, relacionamento interpessoal, percepção da sociedade sobre os bibliotecários e o espaço físico da biblioteca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Danielle Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Bacharel em Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro, RJ - Brasil).

Ingrid Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduanda em Administração pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Bacharel em Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Rio de Jeneiro, RJ - Brasil).

Marina Dias Faria, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Administração pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Instituto COPPEAD). Mestre em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro, RJ - Brasil).

Referências

ALMEIDA, E. O livro de literatura infantil no primeiro ciclo: um estudo sobre a mediação escolar da literatura em um contexto socioeconomicamente desfavorecido. 2011. 138f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

ALMEIDA, N.; BAPTISTA, S. Profissional da Informação: imagem, perfil e a necessidade da educação continuada. Rici: Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 2, n. 2, p.1-14, ago./ dez. 2009.

AMARAL, S. Marketing e gerência de biblioteca. Revista de Biblioteconomia, Brasília, DF, n. 18, p. 311-317, jul./dez. 1990.

AMARAL, S. Do marketing à auditoria em serviços de informação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, n. 25, p. 18-28, jul./ dez. 1992.

ARRUDA, M.; MARTELETO, R.; SOUZA, D. Educação, trabalho e o delineamento de novos perfis profissionais: o bibliotecário em questão. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 29, n.3, p. 14-24, set./ dez. 2000.

AZEVEDO, R. A percepção pública sobre os contadores: “bem ou mal na foto”?, 2010. 113 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade São Paulo, São Paulo, 2010.

BAPTISTA, D. Entre a informação e o sonho: o espaço da biblioteca contemporânea. Informação e Sociedade: estudos, João Pessoa, v.19, n. 1, p. 19-27, jan./ abr. 2009.

BAPTISTA, M.; LEORNADT, M. A qualidade dos serviços prestados e a satisfação dos usuários em uma biblioteca universitária. Biblioteca Universitária, Belo Horizonte, v. 1, n.1, p. 50-59, jan./ jun. 2011.

BAPTISTA, S.; MUELLER, S. Considerações sobre o mercado de trabalho do bibliotecário. Información, Cultura y Sociedad, Buenos Aires, n. 12, p. 35-50, 2005.

BARBALHO, C. Sob o olhar do usuário: um estudo semiótico da Biblioteca Pública do estado do Amazonas. 2000. 234 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2000.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977. Inclui índice.

BARROS, C.; IZEQUIEL, D.; SILVA, J. Os desafios enfrentados pelo profissional de secretariado executivo do gênero masculino nas organizações contemporâneas. Revista de Gestão e Secretariado, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 158-176, jan./ jun. 2011.

BOUTIN, R. Aspectos pedagógicos do desenho animado infantil Bob Esponja. 2006. 104 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Universidade Metodista de São Paulo, São Paulo, 2006.

BRILLION, C. The generation me: commodification of self in youtube in the age of digital reproduction. Far Eastern University Communication Journal, v. 4, n. 1, 2008.

CARVALHO, C. A ideologia dos desenhos animados. [2012?] Disponível em http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno12-02.html. Acesso em 02 jun. 2012.

DICKINSON, T. E. Looking at the male librarian stereotype. ARANT, W; BENEFIEL, C. R. (eds.). The images and roles of the librarian. New York: The Haworth Information Press, 2002.

DUDZIAK, E. A Information Literacy e o papel educacional das bibliotecas, 2001. 177 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

FREITAS, H.; JANISSEK, R. Análise léxica e análise de conteúdo: técnicas complementares, sequenciais e recorrentes para exploração de dados qualitativos. Canoas: Sphinx, 2000. 176 p.

HARTLEY, J. From cultural studies to cultural science. Cultural Science, Perth, v. 2, n. 1, p. 1-16, 2009.

HIRSCHMAN, E.; STERN, B. Women as commodities: prostitution as depicted in the blue Angel, pretty baby and pretty woman. Advances in Consumer Research, v. 21, p. 576-581, 1994.

LOTMAN, I. La semiosfera: semiótica de las arses y de La cultures. Madri, Cátedra, 1996.

LUCHESI, L. B; SANTOS, C. Enfermagem: o que esta profissão significa para adolescentes: uma primeira abordagem. Revista Latino Americana Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p. 158-164, mar./ abr. 2005.

LUNARDI, F. Educação e televisão: a produção de sentidos num programa de auditório. 2005. 148 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005. MARTUCCI, E. A feminização e a profissionalização do magistério e da Biblioteconomia: uma aproximação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p. 225-244, jul. / dez. 1996.

McCRACKEN, G. Cultura e consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atribuições de consumo. Rio de Janeiro: MAUAD, 2003. MEYER, D. Influence of tv shows in America. [2013?] Disponível em: <http://www.ehow.com/facts_5602506_influence-tv-shows-america.html>. Acesso em 20 fev. 2013.

MUELLER, S. Uma profissão em evolução: profissionais da informação sob a ótica de Abbott - proposta de estudo. In: BAPTISTA, S. G; MUELLER, S. P. M. (Org.). Profissional da informação: espaço de trabalho. Brasília, DF: Thesaurus, 2004, p. 23-54.

PRAZERES, P. M. Dicionário de termos da qualidade. São Paulo: Atlas, 1996.

ROCHA, D. Leitura e Biblioteconomia: entre o conceito e a prática. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 8, n.2, p. 166-189, jan./ jun. 2011. ROGGAU, Z. Los bibliotecarios, el estereotipo y la comunidad. Información, cultura y sociedade, Buenos Aires, n. 1, p. 13-34, 2006.

ROWLEY, J. A biblioteca eletrônica. 2. ed. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 1994.

SANTOS, J. O perfil do profissional bibliotecário. In: VALENTIM, M. L. P; (Org.). O profissional da informação: formação, perfil e atuação profissional. São Paulo: Polis, 2000.

SILVA, A. A auto-imagem do profissional bibliotecário na sociedade contemporânea: estudo de caso no Município de Salvador (BA). Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

SILVA, C. A inserção da realidade na ficção televisiva: um estudo sobre a novela Páginas da Vida. Revista Eletrônica Temática, João Pessoa, ano 4, n. 9, 16 set. 2008.

SILVEIRA, B. Porque estudar a representação das pessoas com deficiência na teledramaturgia brasileira. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISAS EM COMUNICAÇÃO, 4., 2010. Anais... Santa Maria: Simpecom, 2010. SILVEIRA, F. O bibliotecário como agente histórico: do “humanista” ao “Moderno Profissional da Informação”. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 18, n. 3, p. 83-94, set./ dez. 2008.

SOUSA, S. Apontamentos sobre o gênero programa de auditório. Rua: Revista Universitária do Audiovisual, Florianópolis, 15 dez. 2009.

VALIM, A. Entre textos, mediações e contextos: anotações para uma possível história social do cinema. História Social, Campinas, n. 11, p. 17-40, 2005.

WALTER, M.; BAPTISTA, S. A força dos estereótipos na construção da imagem profissional dos bibliotecários. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 17, n. 3, p. 27-38, set./ dez. 2007.

WALTER, M. Bibliotecários no Brasil: representações da profissão. 2008. 344 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação e Documentação) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2008.

WALTER, M.; BAPTISTA, S. Os docentes de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação no Brasil: alguns resultados de estudo exploratório sobre as representações da profissão bibliotecária. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 14, n. 28, p. 1-37, 2009.

Downloads

Publicado

2014-09-04

Como Citar

SANTOS, D.; GOMES, I.; FARIA, M. D. A representação do profissional de biblioteconomia: um estudo com textos culturais. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 12, n. 3, p. 75–95, 2014. DOI: 10.20396/rdbci.v12i3.1595. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1595. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos