Pluralismo lógico e epistemografia interativa como ferramentas desclassificadoras do conhecimento

Autores

  • Maria Sueny Barbosa Soares Universidade Federal de Pernambuco - UFPE https://orcid.org/0000-0003-1786-7711
  • Mariana Thamires Martins Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Marivalde Moacir Francelin Universidade de São Paulo - USP

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v11i1.1651

Palavras-chave:

Organização do conhecimento, Classificação, Exomemória, Desclassificação, Lógica paraconsistente

Resumo

Diante dos novos parâmetros informacionais e suas estruturas de rede, surgem novas oportunidades de comunicação, acesso e participação, fazendo emergir não só do entorno digital como também dos tradicionais ambientes de rede o que poderíamos chamar de exomemórias. Onde há memória, há também necessariamente a organização dessa memória. Usando os sistemas de classificação vigentes teríamos uma organização (des)fragmentada, o que implicaria na perda de alguns desses fragmentos. Assim, é necessário retomar o debate sobre a classificação, visando não só esses novos ambientes, mas também seu antigo caráter epistemológico, trazendo à tona o novo conceito de desclassificação e os princípios da lógica paraconsistente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Sueny Barbosa Soares, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Graduanda em Biblioteconomia da UFPE.

Mariana Thamires Martins, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Graduanda em Biblioteconomia da UFPE.

Marivalde Moacir Francelin, Universidade de São Paulo - USP

Professor do Departamento de Biblioteconomia e Documentação. ECA/USP.

Referências

BURKE, Peter. Hibridismo cultural. Tradução Leila Souza Mendes. Rio Grande do Sul: UNISINOS, 2003.

CORRÊA, Carlos Alberto. Indexação automática e visualização de informações: um estudo baseado em lógica paraconsistente. 2011.152f.Tese (Doutoradoem Ciência da Informação) –Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

COSTA, Newton Carneiro Affonso da. Paixão e contradição. Pesquisa Fapesp, São Paulo, n.148, jun. 2008. Entrevista concedida a Neldson Marcolin. Disponível em: <http://revistapesquisa2.fapesp.br/?art=3536&bd=1&pg=1&lg=> Acesso em: 29 fev. 2012.DELEUZE, Gilles. Prólogo: de Lewis Carroll aos Estóicos. In:________. Lógica do sentido. Tradução Luiz Roberto Salinas Fortes. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

D'OTTAVIANO, Ítala Maria Loffredo; FEITOSA, Hércules de Araújo. Sobre a história da lógica, a lógica clássica e o surgimento das lógicas não-clássicas. 2003. Disponível em: <ftp://ftp.cle.unicamp.br/pub/arquivos/educacional/ArtGT.pdf>. Acesso em: 08 ago. 2011.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade.Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão.4.ed. São Paulo: EDUSP, 2003.

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia. Transinformação, Campinas, v.18, n.2, p.103-112, maio/ago. 2006.

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Desclasificados: pluralismo lógico y violencia de la clasificación. Barcelona: Anthoropos, 2007.

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Epistemología de la documentación. Barcelona: Stonberg, 2011.

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Outra memória é possível: estratégias descolonizadoras do arquivo mundial. Petrópolis: Vozes, 2008.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa.Tradução Vera Mello Joscelyne.8.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução Beatriz Sidou. 2.ed. São Paulo: Centauro, 2009.KRAUSE, Décio. Lógica paraconsistente.Crítica, 23 nov. 2003. Disponível em: <http://criticanarede.com/log_paraconsistente.html>. Acesso em: 10 ago. 2011.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. Tradução Luiz Paulo Rouanet. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo.Tradução Eliane Lisboa.Porto Alegre: Sulina, 2005.

MURCHO, Desidério. Sentido/Referência. In: BRANQUINHO, João; MURCHO, Desidério; GOMES, Nelson Gonçalves. (Ed.) Enciclopédia de termos lógico-filosóficos. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

PIMENTA, Ricardo Medeiros. Conhecer para esquecer. A identidade e os caminhos para a memória: perspectivas nietzschianas sobre a identidade e o esquecimento como elementos constitutivos da memória no lócus social. Morpheus–Revista eletrônica em Ciências Humanas, Rio de Janeiro, n.6, 2005. Disponível em <http://www.unirio.br/morpheusonline/Ricardo%20Pimenta.htm> Acesso em: 16 fev. 2012.

POMBO, Olga. Da classificação dos seres à classificação dos saberes. Leituras –Revista da Biblioteca Nacional de Lisboa, n.2, p.19-33, primavera, 1998.

ROSÁRIO, Claúdia Cerqueira do. O lugar mítico da memória. Morpheus–Revista eletrônica em Ciências Humanas, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, 2002. Disponível em: <http://www.unirio.br/morpheusonline/Numero01-2000/claudiarosario.htm> Acesso em: 14 fev. 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Helenice Rodrigues da. "Rememoração"/comemoração: as utilizações sociais da memória.RevistaBrasileira de História, v.22, n. 44, p. 425-438, 2002. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-01882002000200008>. Acesso em: 12 set. 2011.

Downloads

Publicado

2013-01-04

Como Citar

SOARES, M. S. B.; MARTINS, M. T.; FRANCELIN, M. M. Pluralismo lógico e epistemografia interativa como ferramentas desclassificadoras do conhecimento. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 55–71, 2013. DOI: 10.20396/rdbci.v11i1.1651. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1651. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos