Desenvolvimento das universidades e bibliotecas universitárias na Idade Média até à Modernidade

Fabiene Castelo Branco Diógenes, Murilo Bastos da Cunha

Resumo


O artigo analisa a origem das universidades, suas lutas pela autonomia, organização das estruturas administrativa e curricular e relata a existência das bibliotecas ligadas às universidades, desde a Idade Média até a Modernidade. No século XIX a educação é assumida pelo Estado, criando uma cobertura legal que garante às universidades a liberdade científica e pedagógica. A biblioteca universitária teve o seu desenvolvimento ao longo dos séculos, tentando acompanhar essas mudanças. Mas, é no decorrer desse século que alguns serviços e foram surgindo os entendimentos da relação da biblioteca com a universidade. Entretanto, foi a partir da Segunda Guerra que o ensino começa a ter característica de atividade de massa, e a biblioteca universitária se torna uma parte importante na universidade. Cresce a ênfase ao acesso às coleções, há financiamento do Estado para desenvolvimento de coleções e estruturação de suas bibliotecas, dão-se início às atividades de cooperação e de automação. Estas começam a mudar a forma como são oferecidos os serviços e produtos das bibliotecas universitárias. A partir de 1970, as novas tecnologias penetram nessas áreas, e as universidades e suas bibliotecas são afetadas por tais tecnologias. Propostas de reformas surgem gerando novos desafios para estas duas instituições centenárias.


Palavras-chave


Biblioteca universitária. Idade Média. Modernidade.

Texto completo:

PORTUGUÊS ENGLISH XML

Referências


ABRANTES, Paulo César Coelho. Imagens da natureza, imagens de ciência. São Paulo: Papirus, 1998.

ANDERY, Maria Amália et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 11. ed. São Paulo: EDUC, 2002.

AZEVEDO, Janete M. Lins de. A educação como política pública. São Paulo: Autores Associados, 2004.

BARROSO, J. O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 26, n. 92, p. 725-751, 2005. Disponível em: www.scielo.br/pdf/es/v26n2/v26n2a02.pdf Acesso em: 27 nov. 2010.

BOBBIO, N. Estado, governo e sociedade: para uma teoria geral da política. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

BODEN, Dana W. R. A history of the utilization of technology in academic libraries. Educational Research Information Center (ERIC), Washington, DC, 1993. Disponível em: http://www.eric.ed.gov/PDFS/ED373806.pdf. Acesso em: 13 maio 2011.

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. v. 1.

CUNHA, Murilo Bastos da. Construindo o futuro: a biblioteca universitária brasileira do ano 2000. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 1, p. 71-89, jan. /abr. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n1/v29n1a8.pdf. Acesso em: 2 dez. 2008.

DUDZIAK, E. A. Ecossistemas bibliotecários: novos paradigmas das bibliotecas universitárias e sua relação com a inovação educativa numa sociedade do conhecimento. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (SNBU), 15., 2008, São Paulo, SP. Anais eletrônicos, São Paulo: CRUESP, 2008. p. 1-11. Disponível em: http://eprints.rclis.org/bitstream/10760/12672/1/SNBU_2008.pdf. Acesso em: 4 dez. 2011.

DUPAS, Gilberto. Ética e poder na sociedade da informação: de como a autonomia das novas tecnologias obriga a rever o mito progresso. São Paulo: UNESP, 2001.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: a formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. v. 2.

ESCOLAR SOBRIÑO, Hipólito. História de las bibliotecas. 3. ed. Madrid: Fundación Geman Sanches Ruipérez, 1990.

FERREIRA, Suely. A universidade do século XXI: concepções finalidades e contradições. 2009. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2009. 305 f. Disponível em: http://bdtd.ufg.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=751. Acesso em: 16 mar. 2010.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GOODY, Jack. O roubo da história: como os europeus se apropriam das ideias e invenções do Oriente. Tradução de Luiz Sergio Duarte da Silva. São Paulo: Contexto, 2008.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 14. ed. São Paulo: Loyola, 1989.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HORTALE, Virginia Alonso; MORA, José-Ginés. Tendência das reformas da educação superior na Europa no contexto do processo de Bolonha. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 88, p. 937-960, out. 2004. Especial. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/es/v25n88/a14v2588.pdf. Acesso em: 20 abr. 2011.

IANNI, Octavio. O Estado-Nação na época da globalização. Econômica: Revista da Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal Fluminense, Niterói, v. 1, n. 1, p. 105-118, jun. 1999. Disponível em: http://boletimef.org/biblioteca/576/O-Estado-Nacao-na-epoca-da-globalizacao. Acesso em: 15 de nov. 2011.

JAPIASSÚ, Hilton. O projeto masculino-machista da ciência moderna. In: SOARES, Luiz Carlos (org.). Da revolução científica à big (Business) science. São Paulo: HUCITEC, 2001, p. 67-104.

LE GOFF, Jacques. Os intelectuais da Idade Média. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

LYOTARD, J.F. A condição pós-moderna. Lisboa: Gradiva, 1985.

LIMA, L. C.; AZEVEDO, M. L. N.; CATANI, A. M. O processo de Bolonha, a avaliação da educação superior e algumas considerações sobre a Universidade Nova. Avaliação, Campinas, SP, v. 13, n. 1, mar. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/ v13n1/a02v13n1.pdf. Acesso em: 13 set. 2009.

MAGALHÃES, António M. A identidade do ensino superior: política, conhecimento e educação, numa época de transição. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. (Série Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas).

MCKITTERICK, David. A biblioteca como interação: a leitura e linguagem da bibliografia. In: BARATIN, Marc; JACOB, Christian (Org.). O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006. p. 94-107.

MENEGHEL, Stela Maria. A crise da universidade moderna no Brasil. REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 25., 29 set. 2002, Caxambu, MG. [Anais eletrônicos], Caxambu, 2002. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/25/stelamariameneghelt11.rtf. Acesso em: 18 mar. 2010.

MENEGHEL, Stela Maria. Políticas de modernização da universidade no Brasil: a reforma universitária de 1968 e a LDB/96. E-GOV, Portal de e-governo, inclusão digital e sociedade do conhecimento, Brasília, [2002]. Disponível em: http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/files/anexos/29119-29137-1-PB.pdf. Acesso em: 18 out. 2011.

NOBRE, Renarde Freire. Weber e o racionalismo ocidental. In: CARVALHO, Alonso Bezerra; BRANDÃO, Carlos da Fonseca. Introdução à sociologia da cultura: Max Weber e Norbert Elias. São Paulo: Avercamp, 2005.

OLLÈ, James G. Library history: an examination guidebook. London: Clive Bingley, 1971.

OPUSZKA, Paulo Ricardo. Racionalização, Civilização e história social do conhecimento: Diálogos entre Weber, Elias e Peter Burke para uma Aproximação de discursos sobre Intervenção Social. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais, Curitiba, a. 14, v. 1, p. 317-334, 2011. Disponível em: http://Apps.Unibrasil.Com.Br/Revista/Index.Php/Direito/Article/Viewfile/458/379. Acesso em: 31 nov. 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no séc. XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade nova. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; ALMEIDA FILHO, Naomar de. A universidade no séc. XXI: para uma universidade nova. Coimbra, Portugal: Almedina, 2008.

SOARES, Luiz Carlos. O nascimento da ciência moderna: os caminhos diversos da revolução científica nos séculos XVI e XVII. In: SOARES, Luiz Carlos (Org.). Da revolução cientifica à big (business) science. São Paulo: HUCITEC, 2001. p. 17-66.

SZMRECSÁNYI, Tamás. Espaços de história econômica da ciência e da tecnologia. In: SOARES, Luiz Carlos (Org.). Da revolução cientifica à big (business) science. São Paulo: HUCITEC, 2001. p. 155- 200.

VERGER, Jacques. Homens e saber na Idade Média. São Paulo: EDUSC, 1999.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Universidade de Brasília, 1994-1999. 2 v.

WEINER, Sharon Gray. The History of academic libraries in the United States: a review of the literature. Library Philosophy and Practice, Lincoln, NE, v. 7, n. 2, 2005. Disponível em: http://www.webpages.uidaho.edu/~mbolin/weiner.htm. Acesso em: 15 set. 2011.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_de_bem-estar_social. Acesso em: 6 de jun. 2011.




DOI: https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i1.8646007

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

(c) RDBCI: Rev. Digit. Bibliotecon. e Cienc. Inf. / RDBCI : Digit. J. Libr. and Inf. Sci., Campinas (SP) - ISSN 1678-765X.