Desenvolvimento das universidades e bibliotecas universitárias na Idade Média até à Modernidade

Palavras-chave: Biblioteca universitária. Idade Média. Modernidade.

Resumo

O artigo analisa a origem das universidades, suas lutas pela autonomia, organização das estruturas administrativa e curricular e relata a existência das bibliotecas ligadas às universidades, desde a Idade Média até a Modernidade. No século XIX a educação é assumida pelo Estado, criando uma cobertura legal que garante às universidades a liberdade científica e pedagógica. A biblioteca universitária teve o seu desenvolvimento ao longo dos séculos, tentando acompanhar essas mudanças. Mas, é no decorrer desse século que alguns serviços e foram surgindo os entendimentos da relação da biblioteca com a universidade. Entretanto, foi a partir da Segunda Guerra que o ensino começa a ter característica de atividade de massa, e a biblioteca universitária se torna uma parte importante na universidade. Cresce a ênfase ao acesso às coleções, há financiamento do Estado para desenvolvimento de coleções e estruturação de suas bibliotecas, dão-se início às atividades de cooperação e de automação. Estas começam a mudar a forma como são oferecidos os serviços e produtos das bibliotecas universitárias. A partir de 1970, as novas tecnologias penetram nessas áreas, e as universidades e suas bibliotecas são afetadas por tais tecnologias. Propostas de reformas surgem gerando novos desafios para estas duas instituições centenárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiene Castelo Branco Diógenes, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia
Doutora na Universidade de Brasília (2012). No IBICT vem realizando acompanhamento de projetos de informação da Coordenação de Pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e participando do desenvolvimento de metodologia de aprendizagem informacional.
Murilo Bastos da Cunha, Universidade de Brasília
Doutor pela University of Michigan (EUA,1982). Professor permanente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da UnB.

Referências

ABRANTES, Paulo César Coelho. Imagens da natureza, imagens de ciência. São Paulo: Papirus, 1998.

ANDERY, Maria Amália et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 11. ed. São Paulo: EDUC, 2002.

AZEVEDO, Janete M. Lins de. A educação como política pública. São Paulo: Autores Associados, 2004.

BARROSO, J. O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 26, n. 92, p. 725-751, 2005. Disponível em: www.scielo.br/pdf/es/v26n2/v26n2a02.pdf Acesso em: 27 nov. 2010.

BOBBIO, N. Estado, governo e sociedade: para uma teoria geral da política. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

BODEN, Dana W. R. A history of the utilization of technology in academic libraries. Educational Research Information Center (ERIC), Washington, DC, 1993. Disponível em: http://www.eric.ed.gov/PDFS/ED373806.pdf. Acesso em: 13 maio 2011.

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. v. 1.

CUNHA, Murilo Bastos da. Construindo o futuro: a biblioteca universitária brasileira do ano 2000. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 1, p. 71-89, jan. /abr. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n1/v29n1a8.pdf. Acesso em: 2 dez. 2008.

DUDZIAK, E. A. Ecossistemas bibliotecários: novos paradigmas das bibliotecas universitárias e sua relação com a inovação educativa numa sociedade do conhecimento. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (SNBU), 15., 2008, São Paulo, SP. Anais eletrônicos, São Paulo: CRUESP, 2008. p. 1-11. Disponível em: http://eprints.rclis.org/bitstream/10760/12672/1/SNBU_2008.pdf. Acesso em: 4 dez. 2011.

DUPAS, Gilberto. Ética e poder na sociedade da informação: de como a autonomia das novas tecnologias obriga a rever o mito progresso. São Paulo: UNESP, 2001.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: a formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. v. 2.

ESCOLAR SOBRIÑO, Hipólito. História de las bibliotecas. 3. ed. Madrid: Fundación Geman Sanches Ruipérez, 1990.

FERREIRA, Suely. A universidade do século XXI: concepções finalidades e contradições. 2009. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2009. 305 f. Disponível em: http://bdtd.ufg.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=751. Acesso em: 16 mar. 2010.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GOODY, Jack. O roubo da história: como os europeus se apropriam das ideias e invenções do Oriente. Tradução de Luiz Sergio Duarte da Silva. São Paulo: Contexto, 2008.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 14. ed. São Paulo: Loyola, 1989.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HORTALE, Virginia Alonso; MORA, José-Ginés. Tendência das reformas da educação superior na Europa no contexto do processo de Bolonha. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 88, p. 937-960, out. 2004. Especial. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/es/v25n88/a14v2588.pdf. Acesso em: 20 abr. 2011.

IANNI, Octavio. O Estado-Nação na época da globalização. Econômica: Revista da Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal Fluminense, Niterói, v. 1, n. 1, p. 105-118, jun. 1999. Disponível em: http://boletimef.org/biblioteca/576/O-Estado-Nacao-na-epoca-da-globalizacao. Acesso em: 15 de nov. 2011.

JAPIASSÚ, Hilton. O projeto masculino-machista da ciência moderna. In: SOARES, Luiz Carlos (org.). Da revolução científica à big (Business) science. São Paulo: HUCITEC, 2001, p. 67-104.

LE GOFF, Jacques. Os intelectuais da Idade Média. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

LYOTARD, J.F. A condição pós-moderna. Lisboa: Gradiva, 1985.

LIMA, L. C.; AZEVEDO, M. L. N.; CATANI, A. M. O processo de Bolonha, a avaliação da educação superior e algumas considerações sobre a Universidade Nova. Avaliação, Campinas, SP, v. 13, n. 1, mar. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/ v13n1/a02v13n1.pdf. Acesso em: 13 set. 2009.

MAGALHÃES, António M. A identidade do ensino superior: política, conhecimento e educação, numa época de transição. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. (Série Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas).

MCKITTERICK, David. A biblioteca como interação: a leitura e linguagem da bibliografia. In: BARATIN, Marc; JACOB, Christian (Org.). O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006. p. 94-107.

MENEGHEL, Stela Maria. A crise da universidade moderna no Brasil. REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 25., 29 set. 2002, Caxambu, MG. [Anais eletrônicos], Caxambu, 2002. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/25/stelamariameneghelt11.rtf. Acesso em: 18 mar. 2010.

MENEGHEL, Stela Maria. Políticas de modernização da universidade no Brasil: a reforma universitária de 1968 e a LDB/96. E-GOV, Portal de e-governo, inclusão digital e sociedade do conhecimento, Brasília, [2002]. Disponível em: http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/files/anexos/29119-29137-1-PB.pdf. Acesso em: 18 out. 2011.

NOBRE, Renarde Freire. Weber e o racionalismo ocidental. In: CARVALHO, Alonso Bezerra; BRANDÃO, Carlos da Fonseca. Introdução à sociologia da cultura: Max Weber e Norbert Elias. São Paulo: Avercamp, 2005.

OLLÈ, James G. Library history: an examination guidebook. London: Clive Bingley, 1971.

OPUSZKA, Paulo Ricardo. Racionalização, Civilização e história social do conhecimento: Diálogos entre Weber, Elias e Peter Burke para uma Aproximação de discursos sobre Intervenção Social. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais, Curitiba, a. 14, v. 1, p. 317-334, 2011. Disponível em: http://Apps.Unibrasil.Com.Br/Revista/Index.Php/Direito/Article/Viewfile/458/379. Acesso em: 31 nov. 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no séc. XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade nova. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; ALMEIDA FILHO, Naomar de. A universidade no séc. XXI: para uma universidade nova. Coimbra, Portugal: Almedina, 2008.

SOARES, Luiz Carlos. O nascimento da ciência moderna: os caminhos diversos da revolução científica nos séculos XVI e XVII. In: SOARES, Luiz Carlos (Org.). Da revolução cientifica à big (business) science. São Paulo: HUCITEC, 2001. p. 17-66.

SZMRECSÁNYI, Tamás. Espaços de história econômica da ciência e da tecnologia. In: SOARES, Luiz Carlos (Org.). Da revolução cientifica à big (business) science. São Paulo: HUCITEC, 2001. p. 155- 200.

VERGER, Jacques. Homens e saber na Idade Média. São Paulo: EDUSC, 1999.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Universidade de Brasília, 1994-1999. 2 v.

WEINER, Sharon Gray. The History of academic libraries in the United States: a review of the literature. Library Philosophy and Practice, Lincoln, NE, v. 7, n. 2, 2005. Disponível em: http://www.webpages.uidaho.edu/~mbolin/weiner.htm. Acesso em: 15 set. 2011.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_de_bem-estar_social. Acesso em: 6 de jun. 2011.

Publicado
2017-01-31
Como Citar
Diógenes, F. C. B., & Cunha, M. B. da. (2017). Desenvolvimento das universidades e bibliotecas universitárias na Idade Média até à Modernidade. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 15(1), 99-129. https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i1.8646007