A competência em informação e midiática voltada à cidadania: o uso da informação governamental para a participação na democracia

Palavras-chave: Competência informacional. Mídia física e de comunicação. Acesso à informação. Política de informação.

Resumo

As Tecnologias de Informação e Comunicação possibilitam o desenvolvimento das sociedades democráticas na medida em que permitem o acesso à informação em diferentes suportes e contextos. Desse modo, o acesso à informação governamental é apenas o primeiro passo para tornar as pessoas cidadãs, já que corrobora com o desenvolvimento da democracia ao permitir que a população saiba como interpretar e se apropriar das informações para construir conhecimento. Defende-se, assim, que o processo de uso da informação se equipara à execução da cidadania, uma vez que qualifica o indivíduo para lidar com diferentes informações transmitidas pelas mídias nas diversas esferas: social, política e profissional.  A presente pesquisa tem como objetivo refletir sobre a relevância da Competência em Informação e Midiática para a construção da cidadania nas sociedades democráticas por meio do acesso online à portais governamentais brasileiros. Os procedimentos metodológicos envolvem uma pesquisa bibliográfica acerca das políticas públicas, a lei de acesso à informação do Brasil e a competência em informação. Para ser considerado competente em informação, o cidadão deve possui capacidades e habilidades para usar as informações disponibilizadas pelo governo.  Não se pode ignorar o fato de que os portais online no Brasil ainda possuem entraves que, contribuem com a ineficiência da transparência política no país. Portanto, ser competente em informação é fundamental para se apropriar das informações governamentais divulgadas, tornando o indivíduo crítico na seleção, retenção e disseminação capaz de interpretar dados os dados fornecidos, bem como as ideologias que regem as fontes de informação.

Biografia do Autor

Rafaela Carolina da Silva, Universidade Estadual Paulista
Mestra em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação da Unesp Marília, na linha de Pesquisa Gestão, Mediação e Uso da Informação. Foi bolsista FAPESP. Membro do Grupo de Pesquisa Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional (ICIO). Fez Mestrado Sanduíche na Robert Gordon University, Escócia, Reino Unido (Setembro a Dezembro de 2016). Faz Especialização em Psicopedagogia Institucional pela FUNDEPE, Marília/SP. Graduada em Biblioteconomia, onde também foi bolsista FAPESP. Atualmente dedica-se à pesquisa científica, trabalhando principalmente na interdisciplinaridade dos temas: Bibliotecas híbridas; Bibliotecas públicas; Gestão da informação; e Desenvolvimento de comunidades.
Selma Letícia Capinzaiki Ottonicar, Universidade Estadual Paulista
Atualmente é aluna de Doutorado da Universidade Estadual Paulista - UNESP (Câmpus Marília) do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista - UNESP (Câmpus Marília) e durante a vigência do curso recebeu bolsa CAPES. Membro do grupo de pesquisa Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional da Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho. Tecnóloga em Gestão Empresarial pela Faculdade de Tecnologia - FATEC (Garça).
Cristiana Aparecida Portero Yafushi, Universidade Estadual Paulista
Doutoranda em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, possui mestrado em Ciência da Informação também pela UNESP (2015), é especialista em Gestão de Pessoas e Sistemas de Informação pelas Faculdades Integradas de Bauru - FIB (2014) e graduada em Administração pelas Faculdades Integradas de Bauru (2011). Tem experiência de pesquisa com os temas Competência em informação, Gestão do conhecimento, Processo decisório e Gestão ambiental.

Referências

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DOS DIREITOS DA INFÂNCIA (ANDI). Direitos de acesso à informação. 2011. Disponível em: http://www.andi.org.br/direito-de-acesso-a-informacao. Acesso em: 31 jul. 2017.

AKUTSU, Luiz; PINHO, José Antonio Gomes de. Sociedade da informação, accountability e democracia delegativa: investigação em portais de governo no Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro v. 36, n. 5, p. 723-45, set./out. 2002.

BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Competência em informação: vivências e aprendizado. In: BELLUZZO, Regina Célia Baptista; FERES, Glória Georges (Org.). Competência em Informação: das reflexões às lições aprendidas. São Paulo: FEBAB, 2013, v. 1, p. 58- 74.

BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Construção de mapas: desenvolvendo competências em informação e comunicação. 2. ed. Bauru: Cá Entre Nós, 2007.

BELLUZZO, Regina Célia Baptista; FERES, Glória Georges. Competência em informação, redes de conhecimento e as metas educativas para 2021: reflexões e inter-relações. In: BELLUZZO, R. C. B; FERES, G. G.; VALENTIM, Marta Lígia Pomim (Orgs.). Redes de conhecimento e competência em informação: interfaces da gestão, mediação e uso da informação/organização. Rio de Janeiro: Interciência, 2015. p.1-35.

BOCCATO, Vera Regina Casari. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Revista de Odontologia da Universidade da Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

BRADLEY, Cara. Information literacy policy in Canada: is it time? Partnership: the Canadian Journal of Library and Information Practice and Research, v. 8, n. 2, p. 1-28, 2013.

BRAGA, Marcus Vinícius de Azevedo. A auditoria governamental como instrumento de promoção da transparência. In: CONGRESSO DE GESTÃO PÚBLICA CONSAD. 4. , Brasília, Distrito Federal. p. 3-20, 2011.

CAMARGO, Orson. O que é cidadania? Brasil Escola. Disponível em: http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/cidadania-ou-estadania.htm . Acesso em: 18 jan. 2017.

CARVALHO, Ângela Maria Grossi de. A apropriação da informação: um olhar sobre as políticas públicas sociais de inclusão digital. 2010. 169 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Filosofia e Ciências. Marília, 2010.

CASARIN, Helen de Castro. Competência informacional e midiática e a formação de professores de ensino fundamental: um relato de experiência. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 13, n. especial, p. 301-321, jan./jul. 2017. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/649/578. Acesso em: 11 maio 2017.

CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO. Acesso à informação pública: uma introdução à Lei 12.527, de 18 de novembro de 2011. Brasília: Distrito Federal, 2011. Disponível em: http://www.acessoainformacao.gov.br/central-de-conteudo/publicacoes/cartilhaacessoainformacao.pdf. Acesso em: 24 de jul. 2014.

DE FARIAS, Gabriela Belmont. Competência informacional e midiática no ensino de biblioteconomia: apontamentos para o contexto brasileiro. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 13, p. 111-135, 2017.

FREY, Klaus. Governança eletrônica: experiências de cidades europeias e algumas lições para países em desenvolvimento. In: EISENBERG, José.; CEPIK, Marco (org.). Internet e política: teoria e prática da democracia eletrônica. Belo Horizonte: UFMG, 2002. p. 141-163, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Cristiana. Democracia. 2006-2017. Disponível em: http://www.infoescola.com/sociologia/democracia/. Acesso em: 23 jan. 2017.

HABERLE, Peter. A. Dignidade humana e a democracia pluralista: seu nexo interno. In: SARLET, Ingo Wolfgang (Org.). Direitos fundamentais, informática e comunicação: algumas aproximações. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007. p.11-28.

HOLANDA, Adriana Buarque de.; OLIVEIRA, Maria Cristina Guimarães.; OLIVEIRA, Simone Rosa de. Incentivo a cultura: experiências brasileiras de políticas públicas – interesses da área da ciência da Informação. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 1., jan./abr., 2013.

NORRIS, Pippa. Digital divide: civic engagement, information: poverty and the internet in democratic societies. New York: Cambridge University Press, 2001.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Alfabetização midiática e informacional (AMI). 2017. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/communication-and-information/access-to-knowledge/media-and-information-literacy/. Acesso em: 31 jul. 2017.

OTTONICAR, Selma Letícia Capinzaiki.; FERES, Glória George. Information Literacy in Brazil. In: EUROPEAN CONFERENCE ON INFORMATION LITERACY. Springer International Publishing, 2014, p. 743-751.

PASSADOR, C. S.; FERREIRA, V. R. S. Produção acadêmica sobre redes no Brasil. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 24., Gramado: out. 2006. Anais...

Disponível em: http://www.anpad.org.br/diversos/trabalhos/Simp%C3%B3sio/simposio_2006/DCT/2006_DCT970.pdf. Acesso em: 30 mar. 2017.

PECI, Alketa; COSTA, Frederico José Lustosa da. Redes para implementação de políticas públicas: obstáculos e condições de funcionamento. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMNISTRAÇÃO, 26, 2002, Salvador, p. 1-15.

SARAIVA, Enrique. Redes, organizações em rede e organizações virtuais: as novas configurações organizacionais. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, Rio de Janeiro: FGV/EBAPE, v. 1, n. 1, p. 18-23, abr./jun. 2002.

SILVA, José Afonso da. Princípios constitucionais fundamentais. In: 20 ANOS DA CONSTITUIÇÃO CIDADÃ; CADERNOS ADENAUER, 9, 2008, Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, v. 1, p. 12-14.

WILSON, Carolyn; GRIZZLE, Alton; TUAZON, Ramon; AKYEMPONG, Kwame; CHEUNG, Chi-kim. Alfabetização midiática e informacional: currículo para formação de professores. Brasília: UNESCO, UFTM, 2013. Disponível em:

http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002204/220418por.pdf. Acesso em: 30 mar. 2017.

Publicado
2017-07-24
Como Citar
Silva, R. C. da, Ottonicar, S. L. C., & Yafushi, C. A. P. (2017). A competência em informação e midiática voltada à cidadania: o uso da informação governamental para a participação na democracia. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 15(3), 604-628. https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i3.8649535