A página arrumando letras como um espaço para a desconstrução da dominação do patriarcado

Palavras-chave: Ética. Patriarcado. Mídias sociais. Cultura musical. Gênero. Competência crítica em informação.

Resumo

Este artigo se propõe a discutir a dominação patriarcal presente nas músicas populares discutidas e reescritas na página Arrumando Letras na mídia social Facebook, bem como a compreensão dos fenômenos, valores e costumes estudados pela ética, compreendida como a Ciência da moral. Os objetivos específicos incluem: a) verificar as contribuições bibliográficas no que tange ao arcabouço teórico e conceitual sobre ética; b) discutir por intermédio das postagens da página Arrumando Letras, a dominação patriarcal e masculina contra as mulheres presente nas músicas populares entre brasileiros e brasileiras; c) analisar a página Arrumando Letras como um importante espaço de militância e promoção de debate sobre respeito entre gêneros e herança de uma cultura patriarcal; d) Refletir como a competência crítica em informação é aplicada na página e como contribui com a formação dos seguidores da mesma. A metodologia adotada foi de natureza exploratória e qualitativa caracterizada como bibliográfica. A fundamentação conceitual deste artigo discute e conceitua ética, moral, dominação patriarcal, dominação masculina e competência crítica em informação. A partir dos resultados obtidos, refletimos e desejamos que cada vez mais a dominação patriarcal seja desconstruída, e seus danos na vida das mulheres erradicados à medida que o nosso protagonismo, bem como de outros gêneros, sejam cada vez mais representados, não só na Ciência da Informação, mas em outras ciências, na política, na educação e em diferentes contextos socioeconômicos e culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nathália Lima Romeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBICT-UFRJ).

Franciéle Carneiro Garcês da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBICT-UFRJ).

Anna Cristina Caldeira de Andrada Sobral Brisola, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBICT-UFRJ).

Referências

AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION (ALA). Information literacy competency standards for higher education. Site da ACRL – Association of College & Research Libraries. Chicago, 2010. Disponível em: https://goo.gl/7b2Brn. Acesso em: 20 set. 2017.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3.ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BRASIL. Medida Provisória n° 746, de 2016 (Reformulação Ensino Médio). Brasília, 2016. Disponível em: http://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/126992. Acesso em: 11 Out. 2017.

BOURDIEU, P. Violência simbólica e lutas políticas. Meditações Pascalianas, 2001.

BEZERRA, A. Vigilância e filtragem de conteúdo nas redes digitais: desafios para a competência crítica em informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 16., 2015, João Pessoa. Anais… João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2015. Disponível em: http://bit.ly/2gKknBH. Acesso em: 08 jan. 2017.

CAPURRO, R. Desafíos téoricos y prácticos de la ética intercultural de la información. In: FLORIDI, L. Ethics in the Infosphere. The Philosophers’ Magazine, v. 6, p. 18-19, 2001. Disponível em: http://www.capurro.de/paraiba.html. Acesso em: 08 jan. 2017.

CARAN, G. M.; BIOLCHINI, J. C. A. Suporte social informacional mediado por grupos no facebook: um estudo de caso. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 16., João Pessoa, 26 a 30 de outubro de 2015. Anais... João Pessoa, 2015.

CHAUÍ, M. Ética e violência. In: COLÓQUIO INTERLOCUÇÕES COM MARILENA CHAUI. Londrina/São Paulo, 1998.

COSTA, A. A. A. O movimento feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política. Revista Gênero, v.5, n. 2, p. 1-20, 2013.

CORREA, M. de V.; ROZADOS, H. B. F. Comportamento informacional em comunidades virtuais: um estudo netnográfico do grupo de interesses seer/ojs in brazil do facebook. Biblionline, v. 12, n. 3, 2016. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/22145. Acesso em: 24 Jun. 2017.

DOSSIÊ VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES. Feminicídio. Instituto Patrícia Galvão, 2017. Disponível em: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossie/violencias/feminicidio/. Acesso em: 14 Out. 2017.

DOTTA, S. Uso de uma mídia social como ambiente virtual de aprendizagem. Brazilian Symposium on Computers in Education, v. 1, n. 1, 2011. Disponível em: http://br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/1623. Acesso em: 10 jun. 2017.

FREIRE, P. Educação Como Prática da Liberdade. Ed. Paz e Terra. Rio de Janeiro. 1967.

GASQUE, K. C. G. D. Arcabouço conceitual do letramento informacional. Ciência da Informação, Brasília, DF, (39) 3, 83-92, 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Desafios contemporâneos da ciência da informação: as questões éticas da informação. Anais do X Enancib, João Pessoa, 2009. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/xenancib/paper/viewFile/3133/2259. Acesso em 14 de jun, 2017.

KANT, I. Fundamentação da Metafísica dos Costumes e outros escritos. São Paulo: Martin Claret, 2002.

KARAWEJCZYK, M. As suffragettes e a luta pelo voto feminino. História, 2013. Disponível em http://amazonaws.com/academia.edu.documents/33267419/03suffragettes.pdf. Acesso em 12 de jun, 2017.

MARTELETO, R. Análise de redes sóciais - aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v30n1/a09v30n1.pdf. Acesso em: 10 Out. 2017.

MARTELETO, R. M.; TOMAÉL, M. I. A metodologia de Análise de Redes Sociais (ARS). In: VALENTIM, M. L. P. V. (Org.). Métodos qualitativos de pesquisa em Ciência da Informação. São Paulo: Polis, 2005.

MARTELETO, R. Redes sociais, mediação e apropriação de informações: situando campos, objetos e conceitos na pesquisa em ciência da informação. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 3, n. 1, p. 27-46, 2010. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/9339. Acesso em: 24 Jun. 2017.

MATTOS, M. A. R. P. B. de. Ética profissional do bibliotecário. [s.n.]: Campinas, 1977.

OLIVEIRA, R. M. F. S. et al. O uso da rede social como prática de informação: um estudo no grupo ‘mulher, me ajuda aqui’ do facebook. Folha de Rosto, v. 3, 2017. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/28220. Acesso em: 16 Maio 2018.

OMS (Organização Mundial da Saúde). Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: ação e produção de evidência, 2012. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44350/3/9789275716359_por.pdf?ua=1. Acesso em: 14 Out. 2017.

PIVATTO, P. S. Ética da alteridade. In: OLIVEIRA, M. A. de (Org.). Correntes fundamentais da ética contemporânea. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

PIZA, E. Identidade feminina e problemas de ensino-aprendizagem em “A mulher escondida na professora: uma leitura psicopedagógica do ser mulher, da corporalidade e da aprendizagem". Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 11, 1994.

PIZARRO, D. C. Ética profissional do bibliotecário atuante no segmento empresarial em Santa Catarina. Florianópolis. 2010. 213 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, 2010.

RIBEIRO, D. Para além da biologia: Beauvoir e a refutação do sexismo biológico. Sapere Aude-Revista de Filosofia, v. 4, n. 7, p. 506-509, 2013. Disponível em http://periodicos.pucminas.br/index.php/SapereAude/article/view/5565 Acesso em: 12 de jun, 2017.

ROSADO-NUNES, M. J. Teologia feminista e a crítica da razão religiosa patriarcal: entrevista com Ivone Gebara. Revista Estudos Feministas, v. 14, n. 1, p. 294-304, 2006.

SÁNCHEZ-VÁZQUEZ, A. Ética. 12 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, A. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

SANTOS, P. W. Q.; ALBUQUERQUE, J. P. S. Redes sociais online como espaços de memória: uma visão a partir da página “Recife de antigamente”. Biblionline, v. 13, n. 3, 2017.

SANTOS NETO, J. O. A.; ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Bibliotecas universitárias das instituições estaduais de ensino superior paranaenses e a mediação da informação no facebook. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, v. 15, n. 2, 2017. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/28002. Acesso em: 16 Maio 2018.

SILVA, R. C. et al. A competência em informação e o comportamento informacional dos usuários de bibliotecas híbridas: um estudo comparativo no brasil e na escócia. Informação & Informação, v. 23, n. 1, 2018. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/29574. Acesso em: 16 Maio 2018.

SOUZA, T. M. dos S. Patriarcado e capitalismo: uma relação simbiótica. Temporalis, v.15, n. 30, p. 475-494, 2016. Disponível em: http://negrem.blogspot.com.br/2016/02/patriarcado-e-capitalismo-uma-relacao.html. Acesso em: 13 de jun, 2017.

TUGENDHAT, E. Lições sobre ética. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

VINHAL, G. Página no Facebook 'arruma' letras machistas de canções e viraliza na web. Diário de Pernambuco, 2017. Disponível em: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/brasil/2017/03/27/interna_brasil,696140/pagina-no-facebook-arruma-letras-machistas-de-cancoes-e-viraliza-na.shtml Acesso em: 14 jun. 2017.

VITORINO, E. V.; PIANTOLA, D. Competência informacional – bases históricas e conceituais: construindo significados. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 38, n. 3, p. 130-141, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v38n3/v38n3a09.pdf. Acesso em: 25 nov. 2015.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil, 2015. (Flacso/OPAS-OMS/ONU Mulheres/SPM, 2015). Disponível em: https://apublica.org/wp-content/uploads/2016/03/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Acesso em 14 Out. 2017.

ZITKOSKI, J. J.; TROMBETTA, S. Ética e direitos humanos: um olhar da Filosofia sobre os desafios da educação contemporânea. In: HAMMES, L. J.; SELAU, B. (Orgs.) Educação, como estás? Debates na trama de temas emergentes. Lajeado: UNIVATES, 2011.

Publicado
2018-06-04
Como Citar
Romeiro, N. L., Silva, F. C. G. da, & Brisola, A. C. C. de A. S. (2018). A página arrumando letras como um espaço para a desconstrução da dominação do patriarcado. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 16(3), 317-337. https://doi.org/10.20396/rdbci.v16i3.8651276