Significados e contextos: leitura e interpretação na Ciência da Informação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v16i3.8652462

Palavras-chave:

Leitura. Semiótica. Conhecimento e Informação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre a relação entre as leituras, os significados, as interpretações e seus contextos, na ótica da Ciência da Informação. A pesquisa quanto aos objetivos, é exploratória, quanto aos procedimentos é bibliográfica, e traz como hipótese que as interpretações dependem diretamente do contexto espaço-tempo do leitor. O artigo traz uma revisão bibliográfica elegendo como temas principais de investigação os significados e seus contextos de significação. As considerações finais confirmam, mesmo que a priori, que as leituras são resultados de vivências dos leitores, sejam elas, resultantes de leituras textuais ou leituras de mundo. Além disso, o artigo defende que essas questões são fundamentais nos trabalhos de organização da informação e do conhecimento, e que as vivências podem acontecer nos processos de formação de leitores, facilitando a leitura das pessoas em estruturas significantes mais complexas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lourival Pinto, Universidade Federal de Pernambuco

Professor adjunto do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

BLUMER, Herbert. Symbolic Interactionism: perspective and method. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1969.

CASTRO, Fabiano Ferreira de; SANTOS, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa. Uso das tecnologias na representação descritiva: o padrão de descrição bibliográfica semântica MarcOnt Initiative nos ambientes informacionais digitais. Ciência da Informação, v. 38, n. 1, p. 74-85, jan./abr. 2009.

CROATTO, Joaquim Severino. Hermenêutica Bíblica: para uma teoria da leitura como produção de significado. São Leopoldo, RS: Sinodal; São Paulo: Paulinas, 1985.

ECO, Umberto. O conceito de texto. São Paulo: Queiroz, EDUSP, 1984.

ECO, Umberto. O signo. 5. ed. Lisboa: Editorial Presença, 1997.

ECO, Umberto. Os limites da interpretação. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FARRADANE, Jason. The nature of information: definitions and concepts of information. Journal of Information Science, v. 1, n.1, p. 13-17, abr. 1979.

FERREIRA, Sandra Patrícia Ataíde; DIAS, Maria da Graça Bompastor Borges. A leitura, a produção de sentidos e o processo inferencial. Psicologia em Estudo, v. 9, n. 3, p. 439-448, set./dez. 2004.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo, parte 1. 13. ed. Petrópolis, 2004.

HUSSERL, Edmund. Investigações lógicas, sexta investigação: elementos de uma elucidação fenomenológica do conhecimento. São Paulo: Nova Cultural, 1996 (Os Pensadores).

LARA, Marilda Lopez Ginez de. O unicórnio (o rinoceronte, o ornitorrinco...), a Análise Documentária e a Linguagem Documentária. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, v. 2, n. 6, dez. 2001.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: ed. 34, 1996.

LIMA, Gercina Ângela Borém. Interfaces entre a ciência da informação e a ciência cognitiva. Ciência da Informação, v. 32, n. 1, p. 77-87, jan./abr. 2003.

MASSONI, Neusa Teresinha. Ilya Prigogine: uma contribuição à filosofia da ciência. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 30, n. 2, São Paulo, 2008.

MENDONÇA, Ercília Severina. A lingüística e a ciência da informação: estudos de uma intersecção. Ciência da Informação, v. 29, n. 3, p. 50-70, set./dez. 2000.

O ENIGMA de Kaspar Hauser. Direção: Werner Herzog. Produção: Werner Herzog. Intérpretes: Helmut Doring; Bruno S.; Walter Ladengast; Brigitte Mira e outros. Roteiro: Werner Herzog, 1974. (110 min.), son., color.

OGDEN, Charles Kay; RICHARDS, Ivor Armstrong. O significado de significado: um estudo da influência da linguagem sobre o pensamento e sobre a ciência do simbolismo. São Paulo: Zahar, 1976.

PEIRCE, Charles Sanders. O que é significado?, de Lady Welb. In: PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1977. p. 157-164.

PINTO, Lourival Pereira. A representação documentária e o paradigma social. 2005. 108 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SARACEVIC, Tefko. Interdisciplinary nature of information science. Ciência da Informação. Brasília, v. 24, n. 1, p. 36-41, 1995.

SEARLE, John. Expressão e Significado: estudos da teoria dos atos da fala. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira. A pesquisa: recepção da informação e produção do conhecimento. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, v. 5, n. 2, abr. 2004.

TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira. Terminologia e Documentação. TradTerm, n. 7, p. 141-151, 2001.

THORNLEY, Clare; GIBB, Forbes. Meaning in philosophy and meaning in information retrieval (IR). Journal of Documentation, v. 65, n. 1, p. 133-150, 2009.

WERSIG, Gernot. Information Science: the study of postmodern knowledge usage. Information Processing & Management, v. 29, n. 2, p. 229-239, 1993.

WIDDOWSON, Henry George. Discourse Analysis. Oxford, UK: Oxford University Press, 2007.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. 5. ed. Bragança Paulista, SP: Ed. Universitária São Francisco; Petrópolis: Vozes 2008.

Publicado

2018-08-02

Como Citar

PINTO, L. Significados e contextos: leitura e interpretação na Ciência da Informação. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 16, n. 3, p. 338–354, 2018. DOI: 10.20396/rdbci.v16i3.8652462. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8652462. Acesso em: 8 dez. 2022.