Boas práticas científicas na elaboração de planos de gestão de dados

Palavras-chave: Plano de gestão de dados, Dados de pesquisa, Gerenciamento de dados, Ciência aberta.

Resumo

As instituições e as agências de pesquisa vêm exigindo uma conduta no contexto da agenda em prol da Ciência Aberta. Sendo que, as boas práticas na pesquisa científica estão incluindo a elaboração de um Plano de Gestão de Dados, que propõe ao pesquisador gerenciar os dados brutos de sua pesquisa, valorizando o compartilhamento em conjunto com a abertura dos dados e seu reuso em benefício aos pesquisadores e à sociedade. Diante disso, o objetivo desse trabalho foi de levantar e identificar boas práticas com relação ao reuso e interoperabilidade que a abertura dos dados possibilita, sendo que se pretendeu analisar os aspectos referentes à gestão de dados de pesquisa, visando ainda sua disponibilidade em repositórios de dados abertos, explorando a relação das instituições de ensino superior, agências financiadoras e pesquisadores com o levantamento de ações que são realizadas na criação e desenvolvimento de PGDs. A pesquisa caracterizou-se como exploratória, empregou-se métodos documentais e bibliográficos para a identificação, coleta e sistematização das informações. Considera-se a necessidade do desenvolvimento de políticas institucionais para o gerenciamento dos dados de pesquisa, porém, respeitando também as áreas do conhecimento, visto que nem todos os dados são gerados do mesmo modo. Além disso, fica evidente que há um novo paradigma na publicação e divulgação científica, o que influencia também sua comunicação, seja com o meio acadêmico ou com a sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Clara Alcina Guandalini, Universidade Federal de São Carlos

Graduanda em Biblioteconomia e Ciência da Informação na Universidade Federal de São Carlos e Bolsista na Fundação Pró-Memória de São Carlos.

Ariadne Chloë Mary Furnival, Universidade Federal de São Carlos

Professora Associada da Universidade Federal de São Carlos. Doutorado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas.

Ana Carolina Simionato Arakaki, Universidade Federal de São Carlos

Coordenadora dos Programas de Iniciação Científica e Tecnológica (CoPICT) da Pró-Reitoria de Pesquisa (ProPq) da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

ALBAGLI, S.; APPEL, A. L.; MACIEL, M. L. L. E-science, ciência aberta e o regime de informação em ciência e tecnologia. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 7, n. 1, 2014. Disponível em: http://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/854/1/124-540-1-PB.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

ALBAGLI, S. Ciência aberta em questão. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília; Rio de Janeiro: IBICT; UNIRIO, 2015. p. 9-26.

ALBAGLI, S.; CLINIO, A.; RAYCHTOCK, S. Ciência aberta: correntes interpretativas e tipos de ação. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p.434-450, 5 dez. 2014. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3593. Acesso em: 26 nov. 2018.

AVENTURIER, P. Plano de gestão de dados: uma introdução. 2017. Disponível em: https://publicient.hypotheses.org/1660. Acesso em: 07 de mar. 2018.

BOAI. Dez anos da iniciativa de Budapeste em acesso aberto: a abertura como caminho a seguir. 2012. Disponível em: http://www.budapestopenaccessinitiative.org/boai-10-translations/portuguese-brazilian-translation. Acesso em: 19 jun. 2018.

CHAN L.; OKUNE, A.; SAMBULI, N. O que é ciência aberta e colaborativa, e que papéis ela poderia desempenhar no desenvolvimento? In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília; Rio de Janeiro: IBICT; UNIRIO, 2015. p. 91-120.

DELFANTI, A.; PITRELLI, N. Ciência aberta: revolução ou continuidade? In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília; Rio de Janeiro: IBICT; UNIRIO, 2015. p. 59-70.

DUDZIAK, E. A. Gestão de dados de pesquisa: o que precisamos saber hoje! 2018. Disponível em: http://www.sibi.usp.br/noticias/gestao-de-dados-de-pesquisa-o-que-precisamos-saber-hoje/. Acesso em: 17 jan. 2018.

FECHER, B.; FRIESIKE, S. Open science: one term, five schools of thought. 2014. p.17-47.

FERRER-SAPENA, A.; PESET, F.; ALEIXANDRE-BENAVENT, R. Acceso a los datos públicos y su reutilización: open data y open government. El profesional de la información. p. 260-269, 2011, v. 20, n. 3.

FURNIVAL, A. C. M.; SILVA-JEREZ, N. S. Percepções de pesquisadores brasileiros sobre o acesso aberto à literatura científica. Inf. & Soc.:est., João Pessoa, v. 27, p.153-166, 2017. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/32667/pdf. Acesso em: 18 jun. 2018.

FORCE 11. Guiding principles for findable, accessible, interoperable and re-usable data publishing version B1.0. Disponível em: https://www.force11.org/fairprinciples. Acesso em: 30 out. 2018.

HYLA SOFT. Sistemas de Gerenciamento de Informação Laboratorial (LIMS). Disponível em: https://www.hylasoft.com/pt_br/solution/laboratory-information-management-system-lims. Acesso em: 30 out. 2018.

ICPSR. Guidelines for Effective Data Management Plans. 2012. Disponível em: https://www.icpsr.umich.edu/files/datamanagement/DataManagementPlans-All.pdf. Acesso em: 04 abr. 2018.

ICPSR. Data Management & Curation. Disponível em: https://www.icpsr.umich.edu/icpsrweb/content/datamanagement/dmp/index.html. Acesso em: 04 abr. 2018.

MACHADO, J. Dados abertos e ciência aberta. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília; Rio de Janeiro: IBICT; UNIRIO, 2015. p. 201-228.

MICHENER, W, K. Ten Simple Rules for Creating a Good Data Management Plan. PLOS Computational Biology. 2015. Disponível em: http://journals.plos.org/ploscompbiol/article?id=10.1371/journal.pcbi.1004525. Acesso em: 07 mar. 2018.

MOLLOY, J. C. The Open Knowledge Foundation: Open Data Means Better Science. PLoS Biology, United Kingdom; v.9, december, 2011.

OPEN DATA COMMONS. Legal tools for Open Data. Disponível em: <https://opendatacommons.org/licenses/>. Acesso em 20 ago. 2018.

OPEN DATA GOVERNMENT WORKING GROUP. 8 Principles of Open Government Data. 2007. Disponível em: https://public.resource.org/8_principles.html. Acesso em: 18 fev. 2018.

OPEN DEFINITION. The Open Definition. Disponível em: http://opendefinition.org. Acesso em: 29 mar. 2018.

OPEN KNOWLEDGE BRASIL. Guia de dados abertos. Disponível em: http://opendatahandbook.org/guide/pt_BR/. Acesso em: 01 mar. 2018.

OPEN KNOWLEDGE INTERNATIONAL. Open Definition. Conformant Licenses. Disponível em: http://opendefinition.org/licenses/#Dat. Acesso em: 20 ago. 2018.

OPEN SCIENCE FRAMEWORK. Disponível em: https://osf.io/tvyxz/wiki/home/. Acesso em: 15 fev. 2018.

PANTON PRINCIPLES. Principles for open data in science. Elaborado por: Murray-Rust, Peter; Neylon, Cameron; Pollock, Rufus; Wilbanks, John; (19 Feb 2010). Disponível em: https://pantonprinciples.org. Acesso em: 29 de mar. 2018.

PARRA, H. Z. M. Ciência cidadã: modos de participação e ativismo informacional. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília; Rio de Janeiro: IBICT; UNIRIO, 2015. p. 121-142.

ROYAL SOCIETY. Science as an open enterprise. London: The Royal Society, 2012.

RE3DATA.ORG. About. Disponível em: https://www.re3data.org/about. Acesso em: 08 maio 2018.

RE3DATA.ORG. Browse by country. Disponível em: https://www.re3data.org/browse/by-country/. Acesso em: 20 ago. 2018.

RESEARCH INFORMATION NETWORK. NATIONAL ENDOWMENT FOR SCIENCE, TECHNOLOGY AND THE ARTS. Open to All? Case studies of openness in research. 2010. Disponível em: http://www.rin.ac.uk/our-work/data-management-and-curation/open-science-case-studies. Acesso em: 08 fev. 2018.

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Curadoria digital: um novo patamar para preservação de dados digitais de pesquisa. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.3, 2012, p. 179-191.

SAYÃO, L. F; SALES, L. F. Dados abertos de pesquisa: ampliando o conceito de acesso livre. RECIIS – Rev. Eletron. de Comun. Inf. Inov. Saúde. 2014. p.76-92.

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Guia de gestão de dados de pesquisa para bibliotecários e pesquisadores. Rio de Janeiro: CNEN, 2015. 90 p. Disponível em: http://www.cnen.gov.br/component/content/article?id=160. Acesso em: 01 jun. 2018.

SCHELIGA, K; FRIESIKE, S. Putting open science into practice: a social dilemma? First Monday, v. 19, 2014.

SIQUEIRA, L. P. B. P. Direitos autorais e comunicação científica: desafios para bibliotecas. Bibliotecas universitárias: pesquisas, experiências e perspectivas, v. 2, n. 1, 2015. Disponível em: https://www.brapci.inf.br/v/a/21564. Acesso em: 21 ago. 2018.

TENOPIR, C. et al. Research data management services in academic research libraries and perceptions of librarians. Library & Information Science Research, v. 36, n. 2, p.84-90, abr. 2014. Elsevier BV. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0740818814000255. Acesso em: 20 ago. 2018.

THE LONDON SCHOOL OF ECONOMICS AND POLITICAL SCIENCE. LSE. Job description. Research Data Librarian. 2018.

TOLLE, K.; TANSLEY, S.; HEY, T. (Org.). Jim Gray e a eScience: um método científico transformado. In: HEY, T.; TANSLEY, S.; TOLLE, K. (Org.). O quarto paradigma: descobertas científicas na era da eScience. São Paulo: Oficina de Textos, 2011. p. 17-29.

Publicado
2019-11-05
Como Citar
Guandalini, C. A., Furnival, A. C. M., & Arakaki, A. C. S. (2019). Boas práticas científicas na elaboração de planos de gestão de dados . RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 17, e019034. https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8655895