A inovação no contexto da sociedade da informação

Palavras-chave: Informação, Informação, Inovação, Inovação, Cidadão., Cidadão

Resumo

O presente artigo se propôs a lançar luz sobre a importância de se publicizar o processo de inovação no Brasil, trabalhando a seguinte ideia: a coleta e a gestão de informações e de conhecimento do cidadão comum podem se revelar uma ferramenta destinada à ampliação da capacidade inovativa do País. Para tanto, foi realizada breve revisão da literatura acerca da dinâmica contemporânea característica do novo paradigma econômico-tecnológico da informação, foram levantados estudos sobre o envolvimento do cidadão comum no processo de inovação, e foram discutidos modelos desenvolvidos voltados para a sistematização da inovação. Os autores concluem que o Brasil ao deixar de publicizar a inovação, ou seja, de contemplar o fluxo livre e público de ideias, de informações e de experiências pode estar deixando de impulsionar seu potencial de inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kilma Gonçalves Cezar, Universidade de Brasília

Doutora em Desenvolvimento Sustentável pel a Universidade de Brasília. Pós-doutorado em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília. Funcionária do CNPq.

Emir José Suaiden, Universidade de Brasília

Professor Titular da Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília. Doutor em Ciência da Informação pela Universidad Complutense de Madri.

Referências

ALBAGLI, Sarita. Conhecimento, inclusão social e desenvolvimento local. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 2006. Disponível em: http://repositorio.ibict.br/bitstream/123456789/100/1/albagliIS122006.pdf. Acesso em: 10 jun. 2016.

ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lúcia. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ciência da Informação, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n3/a02v33n3. Acesso em: 10 jun. 2016.

ANDRÉ, Isabel; ABREU Alexandre. Dimensões e espaços da inovação social. Finisterra, 81, p. 121-141, 2006.

BOURDIEU, Pierre. A “juventude” é apenas uma palavra. In: QUESTÕES de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. [v. I de A Era da Informação: economia, sociedade e cultura].

CEZAR, Kilma Gonçalves; GOMES, Cristiane Barreto; PERSEGONA, Marcelo Felipe Moreira. A inovação como dimensão socioeconômica do conhecimento. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Campinas, v. 9, n.1, p.209-224, 2011. Disponível em: http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/500. Acesso em: 10 jun. 2016.

CHIARINI, Túlio; VIEIRA, Karine. Universidades como produtoras de conhecimento para o desenvolvimento econômico: sistema superior de ensino e as políticas de CT&I Revista Brasileira Economia. v.66, n.1 Rio de Janeiro Jan./Mar. 2012 http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71402012000100006

COTEC (Fundación para la Innovación Tecnológica). Pautas metodológicas en gestión de la tecnologia y de la innovación para empresas. Tomo 1. Módulo I. “Introducción, Presentación, CD y Módulo I: perspectiva empresarial” - TEMAGUIDE. 1999. 60 p http://www.bookcrossing.com/journal/8097229/

DAGNINO, Renato. (Org). Tecnologia social: ferramenta para construir outra sociedade. Campinas: Unicamp, 2009.

DAGNINO, Renato. (Org). A tecnologia social e seus desafios. In: Tecnologia social. Uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil, Rio de Janeiro, 2004. .

DAGNINO, Renato. (Org). A tecnologia social no Brasil. In: Tecnologia social: ferramenta para construir outra sociedade. DAGNINO, Renato Peixoto (Org.) Campinas, SP: IG/UNICAMP, 2009.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam seu capital. 12. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DAVENPORT, Thomas; PRUSAK, Laurence. Working knowledge: how organizations manage what tehy know. Boston: Havard Business Schol Press, 1998.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação – como gerenciar, como medir e como lucrar. Porto Alegre: Bookman, 2007.

FREITAS FILHO Fernando Luiz. Gestão da inovação: teoria e prática para implantação. São Paulo: Atlas, 2013.

LASTRES, Helena & CASSIOLATO, José Eduardo. Novas políticas da era do conhecimento: o foco em arranjos produtivos e inovativos. Parcerias Estratégicas – Centro de Gestão e Estudos Estratégicos n. 17 . Brasília:CGEE. 2003

LALL, Somik V.; GHOSH, Sudeshna. Learning by dining: informal networks and productivity in Mexican industry : [S. l.] : World Bank Development Research Group, 2002. Disponível em: http://www-wds.worldbank.org/external/default/WDSContentServer/WDSP/IB/2002/03/22/000094946_0203070403327/Rendered/PDF/multi0page.pdf. Acesso em: 15 maio 2016.

MORIN, Edgard. A noção de sujeito. In: SCHNITMAN, D. F. (Org.). Novos paradigmas: cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

MUELLER, Suzana Pinheiro. Popularização do conhecimento científico. Data Grama Zero – Revista de ciência da informação. v.3. n.2, p.1-11, 2002. Disponível em: http://dici.ibict.br/archive/00000315/01/Popularização_do_conhecimento_científicofico.pdf. Acesso em: 15 maio 2016.

NICOLSKY, Roberto. Inovação tecnológica: o novo paradigma - Ciência e Tecnologia para o Século XXI: o desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil e do Mercosul. São Paulo: Calábria, 1999.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OCDE. Managing National Innovation Systems.,1999 Paris.

RUTTAN, Vernon. La teoría de la innovación inducida del cambio técnico en el agro de los países desarrolados. In: Cambio técnico en el agro latinoamericano. San José, Costa Rica, Piñeiro y Trigo, IICA, 1985.

SCHUMPETER, Joseph Allois. O fenômeno fundamental do desenvolvimento. In: SCHUMPETER, Joseph Allois. Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Abril Cultural. p. 43-66. [Col. Os Economistas], 1982.

SCHUMPETER, Joseph Allois. Capitalismo, socialismo y democracia capítulo VII – el processo de la destruction creadora. Madrid: Aguilar S.A. de Ediciones, p.121, 1952

SOLOW, Robert. Learning from ‘learning by doing’: lessons for economic growth (Kenneth J. Arrow Lectures) Hardcover, 1997 https://books.google.com.br/books?id=VLR09gb05XIC&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 15 maio 2016.

SUAIDEN, Emir José e OLIVEIRA, Cecília Leite. Cultura da informação: os valores na construção do conhecimento. Curitiba: CRV, 2016.

SVEIBY, Karl Erik. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

VASCONCELOS, Marco Antonio; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de economia . São Paulo: Saraiva, 1998.

VIOTTI, Eduardo Baumgratz. Fundamentos e evolução dos indicadores de CT&I. In: VIOTTI,E. B.; MACEDO, M. M. (Org.). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

Publicado
2019-09-04
Como Citar
Cezar, K. G., & Suaiden, E. J. (2019). A inovação no contexto da sociedade da informação. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 17, e019026. https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8655932

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)