O processo de desinformação e o comportamento informacional

uma análise sobre a escolha de voto nas eleições municipais de 2020

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v19i00.8666087

Palavras-chave:

Desinformação, Comportamento informacional, Comunicação, Política – Brasil

Resumo

Introdução: O artigo analisa como o processo de desinformação, por meio das fake news, pode influenciar o comportamento informacional de eleitores/moradores da Zona Leste da cidade de Manaus/Amazonas, na decisão do voto para as eleições municipais de 2020. Método: O método de análise teórico-metodológica foi baseado na Teoria da Ação Política, cuja aplicação do estudo deu-se a partir da coleta de dados por meio do questionário remoto no Google Forms, disponibilizado e gerenciado em grupos de WhatsApp. Resultados: Os resultados mostraram que o aspecto comportamental dos eleitores, tanto no campo informacional, quanto no seio da política e do contexto social retratado na pesquisa, se apresentou como bastante heterogêneo, sendo então observada que há uma predileção dos eleitores pelos veículos de comunicação mais tradicionais, tais como a TV e o Rádio, mesmo que o consumo da informação seja nitidamente originário de notícias veiculadas em mídias sociais e grupos de mensagem instantânea. Conclusão: Considera-se que a decisão do voto e os critérios de escolha dos candidatos sofreram influências diretas do tipo de conteúdo informacional consumido pelos eleitores, independente do tipo de mídia (tradicional ou alternativa), podendo inferir que o comportamento informacional dos mesmos tende a ser ditado por notícias falsas ou informações de baixa qualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Diego Leonardo de Souza Fonseca, Universidade Estadual de Londrina

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Bibliotecário-Documentalista no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - Campus Manaus Zona Leste-IFAM (Manaus, AM - Brasil).

João Arlindo dos Santos Neto, Universidade Estadual de Londrina

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista 'Júlio de Mesquita Filho'. Professor Colaborador do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina (Londrina, PR - Brasil).

RECONHECIMENTOS: Não é aplicável

FINANCIAMENTO: Não é aplicável.

CONFLITOS DE INTERESSE: Os autores certificam que não têm interesse comercial ou associativo que represente um conflito de interesses em relação ao manuscrito.

APROVAÇÃO ÉTICA: Não é aplicável.

DISPONIBILIDADE DE DADOS E MATERIAL: Não é aplicável.

CONTRIBUIÇÕES DOS AUTORES Conceituação, Administração do Projeto, Escrita -rascunho Original: FONSECA, D. L. S. e SANTOS NETO, J. A. de; Escrita - revisão e edição: FONSECA, D. L. S. e SANTOS NETO, J. A.

Referências

AMORIM NETO, Octavio. A crise política brasileira de 2015-2016? : diagnostico, sequelas e profilaxia. Relações Internacionais, 52, 2016, p.43-54.

BOIANOVSKY, Mauro. A formação política do Brasil segundo Furtado. Revista de Economia Política, v.34, n. 2, 2014, p. 198-211.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 1996.

BRAGA, Renê Morais da Costa. A indústria das fake news e o discurso de ódio. In: PEREIRA, Rodolfo Viana. Direitos Políticos, Liberdade de Expressão e Discurso de Ódio. Belo Horizonte: Idde, 2018. p. 203-220.

BRANDÃO, Ramon Taniguchi Piretti. Cultura política e processo eleitoral no Brasil. Estação Científica (UNIFAP), Macapá, v. 6, n. 2, p. 17-32, maio/ago. 2016.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CAUNE, Jean. As relações entre cultura e comunicação: núcleo epistêmico e forma simbólica, Líbero, ano 6, n. 22, 2008. Disponível em: https://bit.ly/2V6Jt3R. Acesso em: 24 abr., 2021.

CHOO, Chun Wei. The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge, and make decisions. 2.ed. New York: Oxford University Press, 2006.

CLAVERY, Elisa Cristina Sá Fortes. Fact-checking: jornalismo de checagem da política midiatizada. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social/ Jornalismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2015.

COUTINHO, Clara Pereira; LISBÔA, Eliana Santana. Sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem: desafios para educação no século XXI. Revista de Educação, v. 18, n. 1, 2011.

CHOMSKY, Norman; HERMAN, Edward S. Manufacturing Consent. NY: Vintage Books, 1994.

DAWKINS, Richard. O gene egoísta. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DERVIN, B. An overview of sense-making research: concepts, methods, and results to date. International Communications Association Annual Meeting, Dallas, Texas, 1983.

DUARTE, Rodrigo. Teoria Crítica da Indústria Cultural. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

ELLIS, David. A. Behavioral approach to information retrieval system design. Journal of documentation, v. 45, n. 3, 1989, p. 171-212.

FÁBIO, André Cabette. O que é ‘pós-verdade’, a palavra do ano segundo a Universidade de Oxford. NEXO Jornal, 16 nov. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3mWlX5c. Acesso em: 10 mar. 2021.

GASQUE, Kelley Cristine Gonçalves Dias. O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação científica. 2008. 242 f. 2008. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Departamento de Ciência da Informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

GASQUE, Kelley Cristine Gonçalves Dias; COSTA, Sely Maria de Souza. Evolução teórico-metodológica dos estudos de comportamento informacional de usuários. Ciência da Informação, Brasília, v.39, n.1, p.21-32, jan./abr., 2010.

GENESI, Silvio. A pós-verdade é uma notícia falsa. Revista USP, São Paulo, n. 116, p. 45-58, 2018.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GOMES, Wilson. Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2004.

HORKHEIMER, Max. Teoria Crítica. São Paulo: Perspectiva: EDUSP, 1990.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas.In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002, p.169-214.

LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002. 364p.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: 34, 1999.

MARTÍNEZ-SILVEIRA, Martha.; ODDONE, Nanci. Necessidades e comportamento informacional: conceituação e modelos. Ciência da Informação, Brasília, v. 36, n. 1, p. 118-127, maio/ago. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v36n2/12.pdf . Acesso em: 10 jun. 2021.

MIGUEL, Luis Felipe. Os meios de comunicação e a prática política. Lua nova. n. 55-56, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ln/n55-56/a07n5556.pdf. Acesso em: 05 abr. 2021.

MORAES, Sonia Cristina Bocardi de; ALMEIDA, Carlos Cândido de. Informação, Verdade e Pós-Verdade: uma crítica pragmaticista na Ciência da Informação. Encontros Bibli: Revista eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da informação, 25, 01-22, 2020.

PENA, Felipe. Teoria do Jornalismo. Editora Contexto. São Paulo. 2005.

PINHEIRO, Marta Macedo Kerr; BRITO, Vladimir de Paula. Em busca do significado da desinformação. DataGramaZero: Revista de Informação, v.15, n.6, p.01-06, 2014. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/download/45886. Acesso em: 10 jan. 2021.

PINTO, Djalma. Direito eleitoral. São Paulo: Atlas, 2003.

PRIMO, Alex. O aspecto relacional das interações na web 2.0. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília. Anais [...]. 2006. Disponível em: http://www6.ufrgs.br/limc/PDFs/web2.pdf . Acesso em: 30 jan. 2021.

RUA, Maria das Gracas. Ciência política: conceitos básicos. 2015. Disponível em: http://igepp.com.br/uploads/arquivos/igepp_texto_basico_ciencia_politica.pdf. Acesso em: 22 abr. 2021.

SAES, Decio Azevedo Marques de. A questão da evolução da cidadania política no Brasil. Estudos avançados, v.15, n.42, 2001, p.379.

SANTOS -D’AMORIM, Karen; MIRANDA, Májory K. Fernandes de Oliveira. Informação incorreta, desinformação e má informação: Esclarecendo definições e exemplos em tempos de desinfodemia. Encontros Bibli: Revista eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da informação, v.26, p. 1-23, 2021.

TOBIAS, Mirela Souza. O fenômeno da pós-verdade no facebook: análise das fake news relacionadas aos candidatos à presidência do Brasil no primeiro turno das eleições de 2018. 216 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Universidade do Estado de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação, Florianópolis, Santa Catarina, 2018.

THOMPSON, John B. A nova visibilidade. In: Matrizes, n. 2, p. 15-38, abril de 2008. Disponível em: http://www.matrizes.usp.br/ojs/index.php/matrizes/article/viewFile/40/pdf_22. Acesso em: 06 jan. 2021.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: porque as notícias são como são. 3. ed. Florianópolis: Insular, 2012.

WILSON, T. D. On user studies and information needs. Journal of Documentation, v. 31, n. 1, p. 3-15, 1981.

WILSON, T. D. Information behaviour: an interdisciplinary perspective. Information Proceeding and Management, v. 33, n. 4, p. 551-572, 1997.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5.ed. São Paulo: Bookman, 2015.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-09-01

Como Citar

FONSECA, D. L. de S.; SANTOS NETO, J. A. dos. O processo de desinformação e o comportamento informacional: uma análise sobre a escolha de voto nas eleições municipais de 2020 . RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e021020, 2021. DOI: 10.20396/rdbci.v19i00.8666087. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8666087. Acesso em: 8 dez. 2022.