As mudanças curriculares da Biblioteconomia brasileira e suas relações com a generificação da profissão bibliotecária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v20i00.8668097

Palavras-chave:

Profissão bibliotecária, Estudosde gênero, Relações de gênero, Divisão sexual do trabalho, Currículo

Resumo

Introdução: Destaca como as relações de gênero se inserem na lógica do poder e se apoiam na produção de difusão de discursos para penetrar no cotidiano das pessoas e produzir indivíduos dóceis. Objetivo: Apresentar discussão teórica acerca de como as mudanças curriculares dos cursos de Biblioteconomia no Brasil – ora mais humanistas, ora mais técnicos – influenciaram no processo de feminização da profissão e de inserção da profissão no rol de profissões notadamente marcadas pela divisão sexual do trabalho. Método: revisão bibliográfica acerca do papel dos currículos enquanto disseminadores de discursos e de relações de poder e na generificação das profissões; percurso histórico dos currículos de Biblioteconomia no Brasil e sua inserção de discursos generificados na profissão bibliotecária. Resultados: Buscou-se evidenciar neste trabalho como o currículo foi utilizado como dispositivo para difusão de certos discursos em relação à profissão bibliotecária e como este colaborou para a feminização desta. Conclusão: Propõe-se que a profissão bibliotecária se tornou feminilizada ao longo do tempo e as mudanças de enfoque curricular colaboraram para tal movimento, onde a adoção de currículos mais técnicos colaborou na inserção da profissão no rol de profissões notadamente marcadas pela divisão sexual do trabalho. Aponta-se, finalmente, que, a partir dos anos 1980 uma tímida aproximação dos homens com a área também levou a uma mudança de enfoque curricular e no discurso em torno da profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Hugo Avelar Cardoso Pires, Instituto Federal do Paraná

Doutorando em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Bibliotecário do Instituto Federal do Paraná - Campus Foz do Iguaçu (Foz do Iguaçu, PR - Brasil).

Claudio Paixão Anastácio de Paula, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo. Professor Associado do Departamento de Teoria e Gestão da Informação (DTGI) da Escola de Ciência da Informação da UFMG e  coordenador do GEDII (Gabinete de Estudos da Informação e do Imaginário no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (Belo Horizonte, MG - Brasil).

  • Reconhecimentos: Não é aplicável.
  • Financiamento: Não é aplicável.
  • Conflitos de interesse: Os autores certificam que não têm interesse comercial ou associativo que represente um conflito de interesses em relação ao manuscrito.
  • Aprovação ética: Não é aplicável.
  • Disponibilidade de dados e material: Não é aplicável.
  • Contribuições dos autores: Conceituação, Curadoria de Dados, Análise Formal, Aquisição de Financiamento, Investigação, Metodologia, Administração de Projetos, Recursos, Software, Supervisão, Validação, Visualização, Redação – rascunho original, Redação – revisão & edição: PIRES, Hugo Avelar Cardoso; PAULA, Claudio Paixão Anastácio de.

Referências

ALVARENGA, Claudia Faria; VIANNA, Cláudia Pereira. Relações sociais de gênero e divisão sexual do trabalho: desafios para a compreensão do uso do tempo no trabalho docente. Laboreal, v. 8, n. 1, 2012. p. 1-26.

APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. 288 p.

BARBOSA, R. R.; CENDóN, B. V.; CALDEIRA, P. T.; BAX, M. P. Novo nome e novo paradigma: da biblioteconomia à ciência da informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 5, 2000. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/35621. Acesso em: 13 dez. 2021.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA EMPREENDEDORES SOCIAIS; TAKANO CIDADANIA (Orgs.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003. p. 50-57.

CASTRO, César. História da Biblioteconomia brasileira. Brasília: Thesaurus, 2000, 287 p.

CHIES, Paula Viviane. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, SC, v. 18, n. 2, p. 507-528, maio/ago. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2010000200013/13664 Acesso em: 13 dez. 2021.

COLLAZO, Mercedes. El currículo universitario como escenario de tensiones sociales y académicas. Didáskomai, Montevideo, nº 1: p. 5-23, 2010.

CORAZZA, S. M.. O que faz gaguejar a linguagem da escola. In: ENDIPE. (Org.). Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2000, p. 89-103.

CRUZ, Ederson da. Gênero e currículo: problematizando essa relação nos cursos de formação inicial de docentes. 2015.(Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Vale dos Sinos, São Leopoldo, 2015.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade crítica: o ensino superior na República Populista. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983. 260 p.

DAL’IGNA, Maria Cláudia; KLEIN, Carin, MEYER, Dagmar Estermann. Generificação das práticas curriculares: uma abordagem feminista pós-estruturalista. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 468-487, set./dez. 2016.

DEWEY, Melvil. Women in libraries: how they are a handicapped. In: WEIBEL, Kathleen; HEIM, Kathleen M. The role of women in Librarianship 1876-1976: the entry, advancement, and struggle for equalization in one profession. Londres: Oryx Press, 1979. p.10-12.

FERREIRA, Maria Mary. O profissional da informação no mundo do trabalho e as relações de gênero. Transinformação, Campinas, v.15, n.2, p. 189-201, maio/ago. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tinf/v15n2/07.pdf Acesso em: 13 dez. 2021.

FONSECA, Cláudia. Ser mulher, mãe e pobre. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2018. p. 510-553.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade, volume I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2013.171p.

FOUCAULT, Michel. Poder e saber. In: FOUCAULT, Michel; MOTTA, Manoel Barros da Motta (Org.). Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2003. p. 223-240. (Ditos & Escritos, v. 4).

FOUCAULT, Michel. Verdade e poder. In: FOUCAULT, Michel; MACHADO, Roberto (Org). Microfísica do poder. 23 ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007. 1-14 p.

GIACOMETTI, Maria Marta; VELLOSO, Maria de Fátima. Bibliotecária: uma profissão feminina. Boletim ABDF Nova Série, Brasília, v.10, n.1, p.15-16, jan./mar. 1987.

GOODSON, Ivor. Etimologias, epistemologias e o emergir do currículo. In: GOODSON, Ivor. Currículo: teoria e história. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 29-43.

HIRATA, Helena. Conhecimento e ação política: divisão sexual do trabalho e teorias da interseccionalidade. In: RAMOS, Marcelo Maciel; NICOLI, Pedro Augusto Gravatá; ALKMIN, Gabriela Campos (orgs.). Gênero, sexualidade e direitos humanos: perspectivas multidisciplinares. Belo Horizonte: Initia Via, p. 97-111. 2017.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 35-86.

LEMOS, Antônio Agenor Briquet de. Estado atual do ensino da Biblioteconomia no Brasil e a questão da Ciência da Informação. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 1, n. 1, 1973. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/74801. Acesso em: 13 dez. 2022.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. 184 p.

MACHADO, Roberto. Introdução. In: FOUCAULT, Michel; MACHADO, Roberto (Org). Microfísica do poder. 23 ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007. 295 p.

MARTUCCI, Elisabeth Márcia. A feminização e a profissionalização do Magistério e da Biblioteconomia: uma aproximação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.1, n.2, p.225-244, jul./dez. 1996.

NASCIMENTO, A. M. C.; FIGUEIREDO, E. K. P.; FREITAS, G. L. Redimensionamento do profissional da informação no mercado de trabalho. Infociência, v. 3, n. 1, 2003. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/60766. Acesso em: 13 dez. 2021.

OLIVEIRA, Glaurea Nádia Borges de; NEIRA, Marcos Garcia. Contribuições foucaultianas para o debate curricular da Educação Física. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 35, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/edur/v35/1982-6621-edur-35-e198117.pdf Acesso em: 13 dez. 2021.

OLIVEIRA, Jane Cordeiro. Conhecimento, currículo e poder: um diálogo com Michel Foucault. Revista Espaço Pedagógico, v. 23, n. 2, 21, nov. 2016.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo e relações de gênero: entre o que se ensina e o que se pode aprender. Linhas. Florianópolis, v. 17, n. 33, p. 206-237, jan./abr. 2016. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723817332016206/pdf_102 Acesso em: 13 dez. 2021.

PIRES, Hugo Avelar Cardoso; DUMONT, Lígia Maria Moreira. Relações de género e a profissão bibliotecária no Brasil. Cadernos BAD, Lisboa, n. 1, p. 157-171, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/68033. Acesso em: 25 fev. 2022

POPKEWITZ, Thomas S. História do currículo, regulação social e poder. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 173-210.

RADFORD, Marie L.; RADFORD, Gary P. Power, knowledge, and fear: feminism, Foucault, and the stereotype for the female librarian. Library Quarterly, [s.l.], v. 67, n. 3, p. 250-266, jul. 1997.

RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2018. p. 578-606.

ROGGAU, Zunilda. Los bibliotecarios, el estereotipo y la comunidad. Informacíon, cultura y sociedad, Buenos Aires, n. 15, dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1851-17402006000200002&lng=es&nrm=iso Acesso em: 13 dez. 2021.

RUSSO, Laura Garcia Moreno. A Biblioteconomia brasileira, 1915- 1965. Rio de Janeiro: INL, 1966.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAMPAIO, Helena. O setor privado de ensino superior no Brasil: continuidades e transformações. Ensino Superior Unicamp, v. 2, p. 28-43, 2011.

SCHILLER, Anita R. The disadvantaged majority: women employed in libraries. American Libraries, Chicago, v. 1, n.4, abr. 1970. p. 345-349.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução as teorias do currículo. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. 154 p.

SILVEIRA, Fabrício José Nascimento da. Biblioteca como lugar de práticas culturais: uma discussão a partir dos currículos de Biblioteconomia no Brasil. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

SOUSA, Beatriz Alves de. O gênero na Biblioteconomia: percepção de bibliotecárias/os. 2014. Tese (Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

SOUZA, Francisco das Chagas de. O ensino da Biblioteconomia no contexto brasileiro: século XX. Florianópolis: UFSC, 2009. 189p.

VARELA, Julia. O estatuto do saber pedagógico. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 87-96.

VEREA, Cristina Palomar. La política de género en la educación superior. La ventana, Guadalajara, v. 3, n. 21, p. 7-43, 2005. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1405-94362005000100007&lng=es&nrm=iso Acesso em: 13 dez. 2021.

WALTER, Maria Tereza Machado Teles; BAPTISTA, Sofia Galvão. A força dos estereótipos na construção da imagem profissional dos bibliotecários. Informação & Sociedade, João Pessoa, v.17, n.3, p. 27-38, dez. 2007.

XAVIER, Ana Laura Silva. A presença do feminino na Biblioteconomia brasileira: aspectos históricos. 2020. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2020.

Publicado

2022-03-12

Como Citar

PIRES, H. A. C.; PAULA, C. P. A. de. As mudanças curriculares da Biblioteconomia brasileira e suas relações com a generificação da profissão bibliotecária . RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e022008, 2022. DOI: 10.20396/rdbci.v20i00.8668097. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8668097. Acesso em: 6 dez. 2022.