A educação como formação ou "cultivo de si" em Friedrich Nietzsche

  • Luciana da Costa Dias Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Nietzsche. Filosofia da educação. Filosofia alemã.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir a relação entre cultura e educação em Friedrich Nietzsche, filósofo conhecido pelo caráter intempestivo de seus escritos e profundo crítico de sua época. Sua abordagem da questão da educação é, na verdade, um profundo questionamento da própria função e do propósito da prática educativa, a qual ele diagnosticou como estando, já em sua época, cada vez mais submissa e atrelada aos interesses de uma economia de mercado, mero adestramento e preparação para o mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana da Costa Dias, Universidade Federal de Ouro Preto
Doutora em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, atua como Professora Adjunta de Teoria da Arte e Estética Teatral no Departamento de Artes Cênicas (DEART/IFAC) da UFOP, no Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas (PPGAC) e no Programa de Pós Graduação em Filosofia da Arte e Estética (PGFIL), ambos do. Instituto de Filosofia, Artes e Cultura da Universidade Federal de Ouro Preto (IFAC / UFOP). Pesquisadora vinculada ao Grupo de Pesquisa do CNPq: “APORIA: Núcleo de Estudos em Filosofia e Artes da Cena (líder)”, do qual é fundadora. Entre 2007 e 2008, desenvolveu parte dos estudos do doutoramento, com bolsa DAAD, na Freiburg Universität, sob orientação do Prof. Dr. Günther Figal. É ainda Bacharel, Licenciada e mestre em Filosofia pela UERJ, além de ter ampla formação em artes visuais, pintura, teatro e história da arte pela EAV – Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro. Sua área de pesquisa principal é Filosofia da Arte e Estética Teatral, atuando principalmente nos seguintes temas: História da Arte e Histórica da filosofia; Crise da Modernidade e Niilismo.

Referências

CASANOVA, M. A. O Instante Extraordinário: Vida, História e Valor na Obra de Friedrich Nietzsche. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FRAGOSO, M. X. Nietzsche e a educação. In: Revista Trans/Form/Ação. Marília, v. 1, p. 277-293, 1974.

HAAR, M. A obra de arte: ensaio sobre a ontologia das obras. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: DIFEL, 2000.

HEIDEGGER, M. Nietzsche; Metafísica e Niilismo. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

KLOSSOWSKI, P. Nietzsche e o Círculo Vicioso. Tradução de Hortência S. Lencastre. Rio de Janeiro: Pazulin, 2000.

MACHADO, R. Zaratustra, Tragédia Nietzscheana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999.

MARTON, S. Nietzsche: a transvaloração dos valores. São Paulo: Moderna, 1993.

MELO SOBRINHO, N. C. A Pedagogia de Nietzsche. In: Escritos sobre Educação. Tradução de Noéli Correia de Melo Sobrinho. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

NIETZSCHE, F. II Consideração Intempestiva: Da Utilidade e Desvantagem da História para a vida. (1874). Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

NIETZSCHE, F. III Consideração Intempestiva: Schopenhauer Educador (1874). In: Escritos sobre Educação. Tradução de Noéli Correia de Melo Sobrinho. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

NIETZSCHE, F. Sobre o Futuro de nossos Estabelecimentos de Ensino (1872). In: Escritos sobre Educação. Tradução de Noéli Correia de Melo Sobrinho. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

NIETZSCHE, F. A filosofia na idade trágica dos gregos (1873). Tradução Maria Inês M. de Andrade. Rio de Janeiro: Elfos, 1995.

NIETZSCHE, F. Assim falava Zaratustra (1885). Tradução de Mário da Silva. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral (1887). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NIETZSCHE, F. O Crepúsculo dos Ídolos ou como Filosofar com o Martelo (1888). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, F. Nascimento da Tragédia, ou Helenismo e Pessimismo (1872). Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NIETZSCHE, F. Para além do Bem e do mal (1886). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, F: Werke in zwei Band. München: Carl Hanser Verlag, 1954 (I) e 1955 (II).

LÖWITH, K. De Hegel à Nietzsche. Paris: Editions Gallimard, 1969.

NUNES, B. O Nietzsche de Heidegger. São Paulo: Àgora, 2000.

Publicado
2016-12-04
Como Citar
Dias, L. da C. (2016). A educação como formação ou "cultivo de si" em Friedrich Nietzsche. Filosofia E Educação, 8(3), 275-294. https://doi.org/10.20396/rfe.v8i3.8645892

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)