Violências no contexto escolar

percepções de alunos, professores e gestores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v11i3.8654929

Palavras-chave:

Violência, Escola, Ensino fundamental

Resumo

A violência escolar tem sido um tema de constante preocupação na comunidade escolar. Esta pesquisa objetiva analisar as percepções dos alunos, gestores e professores do Ensino Fundamental II, diante das violências encontradas em duas escolas municipais de Brusque/SC.  Realizou-se uma pesquisa exploratória com uma abordagem qualitativa. Participaram 18 professores e 60 alunos do Ensino Fundamental II das duas escolas municipais. Também, realizou-se uma entrevistada semiestruturada com 2 gestores que atuam um em cada escola. A partir do material coletado efetivou-se uma análise qualitativa. Por fim, descreve-se que a violência é recorrente nos meios escolares pesquisados, mesmo que ela não seja oriunda do ambiente escolar, ela é uma conseqüência da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graziela Boaszczyk Dalcastagner, Universidade de Brusque

 Especialista em Educação no Centro Universitário de Brusque pela Universidade de Brusque. 

Camila da Cunha Nunes, Universidade de Brusque

Doutora em Desenvolvimento Regional pela Universidade Regional de Blumenau. Professora no Centro Universitário de Brusque pela Universidade de Brusque.

Referências

ABRAMOVAY, M.; RUA, M. G. Violências na Escola. Brasília: Unesco, 2002.

ABRAMOVAY, M. Violências nas escolas. Brasília: UNESCO, 2003.

ABRAMOVAY, M. Conversando sobre violência e convivência nas escolas. Rio de Janeiro: FLACSO, 2012.

BORDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difusão Editorial. 1989.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 13.185, de novembro de 2015. Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 de nov. 2015, Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de Julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente; ECA. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 1990, Seção 1, p. 13563.

BRASIL. Lei nº 13.431, de 4 de abril de 2017. Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 5 abr. 2017, Seção 1, p. 1.

CHRISPINO, Á. Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Revista Ensaio, Rio de Janeiro, v. 15, n. 54, p. 11-28, 2007.

DEBARBIEUX, É.; BLAYA, C. (Org.). Violência nas escolas: dez abordagens européias. Brasília: UNESCO, 2002

DEBORTOLI, E, O. Em Brusque: 18º BPM implementa o projeto Policiamento Escolar de Aproximação. Disponível em: http://www.pm.sc.gov.br/noticias/em-brusque-18-bpm-idealiza-o-projeto-policiamento-escolar-de-aproximacaoasdf.html. Acesso em: 21. 11. 2018.

DURKHEIM, E. O que é fato social? As Regras do Método Sociológico. 6. ed. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1972.

FALEIROS, V. P. Escola que protege. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008.

FERRO, J. P. Violência escolar em foco: percepções e encaminhamentos de professores e gestores. Paranaíba, MS: UEMS, 2013.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2009.

GONÇALVES, L. A. O.; SPOSITO, M. P. Iniciativas públicas de redução da violência escolar no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 101-138, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HAIR JÚNIOR, J. F. et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde do escolar, 2015. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

KIL, Bertoldo. Principio da insignificância no direito penal. Cacoal: Fundação Universidade Federal de Rondônia, 2007.

MARRIEL, L.; ASSIS, S.; AVANCI, J.; OLIVEIRA, R. Violência escolar e auto-estima de adolescentes. Revista Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 127, p. 35-50, 2006.

MARTINS, M. J. Agressão e vitimação entre adolescentes, em contexto escolar: Um estudo empírico. Revista Análise Psicológica, 2005. p. 401-425.

MCMILLAN, J.; SCHUMACHER, S. Investigación edcucativa. 5. ed. Madrid: Pearson Educación, 2005

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; NETO, O. C.; GOMES, R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.

MINAYO, M. C. S.; SOUZA, E. R. Violência e saúde como um campo interdisciplinar de ação coletiva. Revista História, Ciência e Saúde, São Paulo: v. 4, n. 3, p. 513-531. [20-?]

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus, 10. ed. 2006.

OLIVEIRA, H. N.; MACHADO, C. J.; GUIMARÃES, M. D. Violência verbal contra indivíduos com transtorno mental no Brasil: prevalência e fatores associados. Belo Horizonte: J Bras Psiquiatria, 2013.

PIGATTO, N. A docência e a violência estudantil no contexto atual. Revista Ensaio, Rio de Janeiro, v. 18, n. 67, p. 303-324, 2010.

PINHEIRO, T. Meio crianças, meio adultos. Revista Nova Escola, 10. ed. 2012. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/7259/meio-criancas-meio-adultos#. Acesso em: 21. 11. 2018.

RISTUM, M. Violência na escola, da escola e contra a escola. In: In: ASSIS, S. G.; CONSTANTINO, P.; AVANCI, J. Q. (Org.). Impactos da violência na escola: um diálogo com professores. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2010.

RISTUM, M. O conceito de violência das professoras do ensino fundamental. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001.

REIS, C. E. A violência escolar: a perspectiva da folha de São Paulo. Florianópolis: Escola do Legislativo do estado de Santa Catarina, 2003.

RUSSO, G.; TRINDADE, H.; DANTAS, J.; NOGUEIRA, J. Quando a realidade cala: violência psicológica intrafamiliar contra crianças e adolescentes em Mossoró-RN. Brasília: Temporalis, 2014.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação. Diretoria de Educação Básica e Profissional. I Caderno pedagógico: reflexões para a implementação da política de educação, prevenção, atuação e atendimento às violências na escola / Diretoria de Educação Básica e Profissional - Florianópolis: DIOESC, 2015.

SANTOS, I. A. Educação para a diversidade: uma prática a ser construída na Educação Básica. Paraná: Universidade Estadual do Norte do Paraná. 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2346-6.pdf. Acesso em: 21. 11. 2018.

SILVA, A. B. B. Bullying: Mentes perigosas na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

SINGER, H. Projeto coletivo de escola para superar a violência. São Paulo: 2013. Disponível em: http://porvir.org/projeto-coletivo-de-escola-para-superar-violencia/. Acesso em: 12. 11. 2018.

SPOSITO, M. P. Um breve balando da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 87-103, 2001.

TSUKAMOTO, F. C. C. A violência escolar na perspectiva dos professores do ensino fundamental de escolas públicas municipais de Cáceres – MT. Cáceres: Unemat, 2015.

TIELLET, M. H. S. As políticas públicas de redução e prevenção dos conflitos e da violência em ambiente escolar do estado de Mato Grosso, no período de 2003-2010, e os reflexos nas escolas estaduais do município de Cáceres. Dissertação (Dissertação de Doutorado em Educação) – UNISINOS, São Leopoldo, 2012.

TIELLET, M. H. S.; CORSETTI, B. Conflitos e violência em escolas públicas estaduais em uma região de fronteira, Cáceres, MT: a percepção dos professores. Série Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB Campo Grande, n. 32, p. 223-241, 2011.

Downloads

Publicado

2020-04-22

Como Citar

Dalcastagner, G. B., & Nunes, C. da C. (2020). Violências no contexto escolar: percepções de alunos, professores e gestores. Filosofia E Educação, 11(3). https://doi.org/10.20396/rfe.v11i3.8654929