Quando a justiça entra na escola

entre a punição e a restauração

Autores

  • Ana Carolina Reis Pereira Faculdade de Tecnologia e Ciências

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v12i1.8659408

Palavras-chave:

Educação, Justiça restaurativa, Violência escolar

Resumo

Este artigo procura analisar a introdução da justiça restaurativa no contexto educacional, na cidade de Campinas-SP. Desenvolvida sob o enfoque qualitativo, foi realizada com base em entrevistas analisadas a partir do referencial metodológico da história oral de vida. As estatísticas no Estado de São Paulo apontam um crescimento dos registros de violência nas unidades escolares. O objetivo de investigar a justiça restaurativa deve-se ao fato de que esta proposta tem sido executada tendo em vista o arrefecimento da violência e das situações de conflito nas escolas. Nossa expectativa é compreender o que mobiliza o professor a introduzir a justiça restaurativa em sua prática pedagógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Reis Pereira, Faculdade de Tecnologia e Ciências

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora na Faculdade de Tecnologia e Ciências.

Referências

APEOESP. Sob gestão Alckmin, escolas estaduais vivem escalada da violência. São Paulo, 2017. Disponível em: http://www.apeoesp.org.br/publicacoes/observatorio-da-violencia/sob-gestao-alckmin-escolas-estaduais-vivem-escalada-da-violencia/> Acesso em: 11 nov. 2017.

DUSCHATZKY, Silvia. Maestros Errantes: experimentaciones sociales en la intemperie. Buenos Aires: Paidós, 2012.

EDNIR, Madza. Justiça e educação em Heliópolis e Guarulhos: parceria para a cidadania. São Paulo: CECIP, 2007. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/Cartilhas/justica-e-educacao_web.pdf. Acesso em: 28 mar. 2015.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 33ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

__________. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

__________. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

__________. Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979-1980). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014a.

__________. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2014b.

__________. Prefácio à história da sexualidade. In: Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014c. (Ditos & escritos, v. 9). p. 207-213.

GROPPA AQUINO, Julio. Disciplina e Indisciplina como representações na educação contemporânea. In: BARBOSA, Raquel Lazzane Leite (Org.). Formação de Educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 2003. p. 377-385.

GUIMARÃES, Áurea Maria. Vigilância, Punição e Depredação Escolar. Campinas: Papirus, 2003.

GUIRARDO, Marlene. Poder indisciplina: os surpreendentes rumos da relação de poder. In: Julio Groppa Aquino (Org.). Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. 16 ed. São Paulo: Summus, 1996.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA [IPEA]. Atlas da Violência, 2017. Disponível em:http://www.ipea.gov.br/portal/images/170602_atlas_da_violencia_2017.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

KOERNER, Andrei. O impossível “panóptico tropical-escravista”: práticas prisionais, política e sociedade no Brasil do século XIX. In: Revista Brasileira de Ciências Criminais, ano 9, n. 35, São Paulo, 2001. p. 211-224.

LEÃO, Geraldo Magela Pereira. Experiências da desigualdade: os sentidos da escolarização elaborados por jovens pobres. In: Educação e Pesquisa. v. 32, n. 1. São Paulo, 2006. p. 31-48.

MARTINS, Maria do Carmo. E se o Outro é o Professor? Reflexões acerca do currículo e histórias de vida. In: GALLO, Sílvio; SOUZA, Regina Maria de (Org.). Educação do preconceito: ensaios sobre poder e resistência. Campinas: Alínea, 2004. p. 103-118.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. 5ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

________. HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MELO, Eduardo Rezende. Comunidade e justiça em parceria para a promoção de respeito e civilidade nas relações familiares e de vizinhança: um experimento de justiça restaurativa e comunitária. Bairro Nova Gerty, São Caetano do Sul/SP. In: SLAKMON, Catherine; MACHADO, Maíra Rocha; BOTTINI, Pierpaolo Cruz (Org.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília: Ministério da Justiça, 2006. p. 59-80. Disponível em: http://www.cejamericas.org/Documentos/DocumentosIDRC/156JuizadosEspeciaisoprocessoinexoraveldamudanca.pdf. Acesso em: 15 mar. 2015.

________. EDNIR, Madza; YASBEK, Vania Curi. Justiça Restaurativa e Comunitária em São Caetano do Sul: aprendendo com os conflitos a respeitar direitos e promover cidadania. São Paulo: CECIP, 2008. Disponível em: http://www.tjsp.jus.br/Download/CoordenadoriaInfanciaJuventude/JusticaRestaurativa/SaoCaetanoSul/Publicacoes/jr_sao-caetano_090209_bx.pdf. Acesso em: 15 mer. 2015.

MORRISON Brenda. Justiça Restaurativa nas Escolas. In: SLAKMON, Catherine; VITTO, Renato Campos Pinto de; PINTO, Renato Sócrates Gomes (Org.). Justiça Restaurativa. Brasília: Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, 2005. p. 297-322. Disponível em: https://www.ufpe.br/ppgdh/images/documentos/jrestaurativa.pdf. Acesso em: 15 mar. 2015.

PINHO, Ângela; MARIANI, Daniel. SP tem quase 2 professores agredidos ao dia; ataque vai de soco a cadeirada. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 set. 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/09/1919146-sp-tem-quase-2-professores-agredidos-ao-dia-ataque-vai-de-soco-a-cadeirada.shtml. Acesso em: 11 nov. 2017.

POSSATO, Beatris Cristina. O “professor mediador escolar e comunitário”: uma mirada a partir do cotidiano escolar. 2014. 195 p. Tese (Doutorado) em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000931149. Acesso em: 05 mai. 2015.

SACAVINO, Suzana; CANDAU, Vera Maria. Sociedade, Direitos Humanos e Cidadania: desafios para a educação no Brasil. In: SACAVINO, Suzana; CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação em Direitos Humanos: temas, questões e propostas. Petrópolis: DP et ALLI, 2008. p. 10-51.

SCHEINVAR, Estela. Biopolítica e judicialização das práticas de direitos: conselhos tutelares em análise. In: BRANCO, Guilherme Castelo; VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Foucault: filosofia e política. 1 reimpr. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p. 143-151.

SCHULER, Betina. Veredito: escola, inclusão, justiça restaurativa e experiência de si. 2009. 231 p. Tese (Doutorado) em Educação, Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/2689. Acesso em: 18 jul. 2016.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SEESP). Manual de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania. São Paulo: FDE, 2009a. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/spec/wpcontent/uploads/2013/09/protecao_escolar_web.pdf. Acesso em: 21 set. 2014.

__________. Normas Gerais de Conduta Escolar. São Paulo: FDE, 2009b. Disponível em: http://file.fde.sp.gov.br/portalfde/Arquivo/normas_gerais_conduta_web.pdf. Acesso em: 21 set. 2014.

__________. Resolução SE nº 19, de 12-2-2010. Institui o Sistema de Proteção Escolar na rede estadual de ensino de São Paulo e dá providências correlatas. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/19_10.HTM?Time=05/09/2016%2018:19:44. Acesso em: 07 jul. 2016.

SINGER, Helena. Direitos humanos na escola: a escola democrática. In: SCHILLING, Flavia (Org.). Direitos humanos e educação: outras palavras, outras práticas. São Paulo: Cortez, 2005. p. 177-185.

SLAKMON, Catherine; VITTO, Renato Campos Pinto de; PINTO, Renato Sócrates Gomes. Prefácio. In: SLAKMON, Catherine; VITTO, Renato Campos Pinto de; PINTO, Renato Sócrates Gomes (Org.). Justiça Restaurativa. Brasília: Ministério da Justiça, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, 2005. p. 13-16. Disponível em: https://www.ufpe.br/ppgdh/images/documentos/jrestaurativa.pdf. Acesso em: 15 mar. 2015.

TIBÉRIO, Wellington. A judicialização das relações escolares: um estudo sobre a produção de professores. 2011. 155 p. Dissertação (Mestrado) em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-04082011-143218/pt-br.php. Acesso em: 15 jul. 2016.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2011: os jovens do Brasil. São Paulo: Instituto Sangari; Brasília: Ministério da Justiça, 2011. Disponível em: http://www.sangari.com/mapadaviolencia/pdf2011/MapaViolencia2011.pdf. Acesso em: 05 jul. 2011.

___________. Mapa da Violência 2012: Crianças e Adolescentes do Brasil. Rio de Janeiro: FLACSO, 2012. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2012/MapaViolencia2012_Criancas_e_Adolescentes.pdf. Acesso em: 20 mar. 2014.

___________. Homicídios e Juventude no Brasil. Brasília: Secretaria Geral da Presidência da República, 2013. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/mapa2013_homicidios_juventude.pdf. Acesso em: 20 mar. 2014.

___________. Mapa da Violência: Os Jovens do Brasil. Brasília: Secretaria Geral da Presidência da República, Secretaria Nacional de Juventude, Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, 2014. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2014_jovens.php. Acesso em: 22 jul. 2015.

___________. Mapa da Violência 2015: Adolescentes de 16 e 17 anos do Brasil. Rio de Janeiro: Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais – FLACSO, 2015. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2015_adolescentes.php. Acesso em: 22 jul. 2015.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

PEREIRA, A. C. R. Quando a justiça entra na escola : entre a punição e a restauração. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 12, n. 2, 2020. DOI: 10.20396/rfe.v12i1.8659408. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8659408. Acesso em: 25 set. 2021.