Educação escolar quilombola

do silenciamento à emancipação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i1.8664170

Palavras-chave:

Educação, Silenciamento, Emancipação

Resumo

Este artigo discorre sobre a educação escolar quilombola, comenta o processo de sua formação, características e paralelismo com a educação das relações étnico-raciais. Descreve sua importância no cenário da educação brasileira por ter como meta romper o silenciamento imposto aos quilombolas e ao mesmo tempo abrir espaços de diálogo com a emancipação iluminista, política e humana. A fim de dar efetividade a este desiderato, servimo-nos do método crítico-dialético que enxerga a situação contemporânea dos quilombolas articulada com o seu passado histórico e condicionada pelas movimentações socioeconômicas prevalecentes. Sua força emancipadora fica por conta da prática professoral.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Bezerra Silva, Universidade Federal de Alagoas

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Alagoas.

Anderson de Alencar Menezes, Universidade Federal de Alagoas

Doutor em Ciências da Educação pela Universidade do Porto/Portugal. Professor Associado da Universidade Federal de Alagoas.

Referências

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: https:www.stf. jus. br. Acesso em: 08 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: https: www.mec.gov.br. Acesso em: 08 mar. 2020.

BERTOLDO, Edna. Trabalho e Educação no Brasil: da centralidade do trabalho à centralidade da política. São Paulo: Instituto Lukács, 2015.

CARVALHO, Maria Celina Pereira de. et al. A atualização do conceito de quilombo: identidade e território nas definições teóricas. Revista ambiente & sociedade, nº 10. Campinas, jan/June, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script. Acesso em: 08 mar. 2020.

CHATELET, François. O Iluminismo - século XVIII. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1974.

CHAVES, Márcia e GAMBOA, Sílvio Sánchez. Prática de Ensino: formação profissional e emancipação. Maceió: Edufal, 2003.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL (CNBB). A Igreja e as comunidades quilombolas. São Paulo: Paulus, 2013.

FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: o quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes (1532-2004). São Paulo: Expressão Popular, 2005.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES (FCP). Informações Quilombolas. Disponível em: https:www.Palmares. gov. br. Acesso em: 15 mar. 2020.

FRERES et al. Governo e empresariado: a grande aliança em prol do mercado da educação para todos. In: Marxismo, educação e luta de classes. Fortaleza: Eduece, 2010.

GORENDER, Jacob. O Escravismo Colonial. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento - a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

IASI, Luis Mauro. Ensaios sobre Consciência e Emancipação. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: o que é esclarecimento? Disponível em: https://www.airtonjo.com/download/Kant-Esclarecimento.pdf . Acesso em: 08 mar.2020.

LOCKE, John. Ensaio acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1977.

MAESTRI, Mário. A Servidão Negra. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

MARCUSE, Herbert. Ideias sobre uma teoria crítica da sociedade. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1981.

MARCUSE, Herbert. A Ideologia da Sociedade Industrial - o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1973.

MARCUSE, Herbert. Razão e Revolução – Hegel e o advento da teoria social. Rio de Janeiro: SAGA, 1969.

MARCUSE, Herbert. Calas em nuestro tiempo (marxismo y feminismo; teoria y práxis; la nueva izquierda) Barcelona: Icaria, 1983.

MARX, Karl. Para a Questão Judaica. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MENEZES, Anderson de Alencar. Educação & Emancipação - por uma Racionalidade Ético-Comunicativa. Maceió: Edufal, 2014.

MOURA, Clóvis. O quilombo na Dinâmica Social do Brasil. Maceió: Edufal, 2001.

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do Quilombo na África. O Povo Negro. Disponível em: Revista USP, SP, p. 56-63, dezembro/fevereiro, 1995/1996. Acesso em: 28 fev.2020. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i28p56-63

REIS, João José; GOMES, Flávio dos Santos. Liberdade por um fio. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

ROCHA, Luiz Paixão da. Políticas afirmativas e educação: a Lei nº 10.639/2003 no contexto das políticas educacionais no Brasil contemporâneo. 2006. 125f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

SILVA, José Bezerra da. Educação Escolar Quilombola: limites e perspectivas. Palmeira dos Índios: FACESTA, 2015.

SILVA, Mozart Linhares da. Ciência, Raça e Racismo: caminhos da eugenia. In: SILVA, Mozart Linhares da. (Org.). Ciência, Raça e Racismo na Modernidade. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2009.

TONET, Ivo. Educação, Cidadania e Emancipação Humana. IJUÍ: Unijuí, 2005.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Silva, J. B., & Menezes, A. de A. (2022). Educação escolar quilombola: do silenciamento à emancipação. Filosofia E Educação, 14(1), 240–258. https://doi.org/10.20396/rfe.v14i1.8664170

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)