Atravessando linhas

diálogos sobre epistemologias e educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i1.8668570

Palavras-chave:

Epistemologia, Educação pós abissal, Ciências humanas

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir a relação da diversidade epistemológica no campo das ciências humanas e seus pressupostos para a produção do discurso científico no campo da educação. A discussão é interpelada pela especificidade das ciências humanas em contraposição às ciências naturais, sobre realidade e sentimento de realidade. Reconhecer a existência de um pensamento abissal em educação é condição sine qua non para atravessar linhas e para pensar o impensado no ocidente moderno. É imperativo desenhar um caminho alternativo, de modo a desaprender, ignorar e esquecer alguns conhecimentos já “validados” para aprender outros que há muito tempo vêm sendo “esquecidos” e ignorados. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Cristina Bomfim, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Professora da Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG.  Líder do grupo de pesquisa DIFEduCC-Diferença, Educação, Cultura e Currículo.

Referências

APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. 1. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

DAMATA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1981.

FOUREZ, Gérard. A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências. 1. ed. São Paulo: Ed. Unesp, 1995.

HERÁCLITO. Fragmentos. In: Heráclito: Fragmentos Contextualizados. Ed. Bilíngüe, trad. e comentários Alexandre Costa. Rio de Janeiro: Difel, 2002.

HOBBES, Thomas. O Leviatã ou Matéria, forma e poder de um Estado Eclesiástico e Cívil (Os Pensadores). 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradutor Fernando Costa Mattos. 1. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

KAYAPÓ, Edson; BRITO, Tamires. A pluralidade étnico-cultural indígena no Brasil: o que a escola tem a ver com isso? Mneme – Revista de Humanidades. Caicó, jul./dez. 2014, v.15, n.35, p.38-68.

KRENAK, A. Entrevista. In: Guerras do Brasil.doc. As guerras da conquista. Direção de Luiz Bolognesi. São Paulo: Buriti filmes, 2019.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções cientificas. 5 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998.

MILLS, Charles Wright. Sobre o artesanato intelectual e outros ensaios. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Para Além do Pensamento Abissal – Das linhas globais a uma ecologia dos saberes. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, nov. 2007, nº. 79, p. 71-94. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004

SANTOS, B.S. A ecologia de saberes. In: SANTOS, B.S. A gramática do tempo São Paulo: Cortez, 2006. p. 137-165.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Bomfim, J. C. (2022). Atravessando linhas : diálogos sobre epistemologias e educação . Filosofia E Educação, 14(1), 92–111. https://doi.org/10.20396/rfe.v14i1.8668570