Disponibilidade alimentar para famílias residentes na zona rural: situação de segurança ou insegurança alimentar e nutricional

Autores

  • Luiza Veloso Dutra Universidade Federal de Viçosa
  • Luiza Monteiro Souza Universidade Federal de Viçosa
  • Ricardo Henrique Silva Santos Universidade Federal de Viçosa
  • Silvia Eloiza Priore Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v21i1.1385

Palavras-chave:

Agricultura familiar. Estado nutricional. Segurança alimentar e nutricional.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar os alimentos disponíveis para consumo, sua origem e a situação de (in)segurança alimentar e nutricional de famílias da Zona da Mata de Minas Gerais. O estudo foi realizado com 10 famílias, totalizando 40 pessoas, das quais foram avaliados o peso e a estatura. Para investigação da disponibilidade de alimentos foi utilizado questionário contendo lista de procedência e quantidade mensal destes nos últimos 30 dias. Os resultados indicaram 62,5% de indivíduos eutróficos, 30% com excesso de peso e 7,5% com baixo peso, sendo a maioria dos casos de inadequação em mulheres. A média da disponibilidade calórica supre 156,5% da necessidade calórica das famílias, classificando todas em segurança. Das calorias disponíveis, 40,5% provinham da produção para o autoconsumo e a participação dos macronutrientes indicou carboidratos 50,6%, proteínas 11,5% e lipídeos 37,8%. Apesar da classificação de segurança, o excesso de calorias disponíveis é preocupante, pois a totalidade da sua ingestão pode agravar o quadro atual de 30% da população com excesso de peso e a qualidade dos alimentos disponíveis não apresentou a adequação esperada, tornando essas famílias mais propícias a apresentarem insegurança alimentar. É importante incentivar a produção para autoconsumo, pois esta pode contribuir para o alcance da segurança alimentar e nutricional das famílias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiza Veloso Dutra, Universidade Federal de Viçosa

Mestre em Agroecologia, Programa de Pós-Graduação em Agroecologia, Universidade Federal de Viçosa, MG. 

 

 

Luiza Monteiro Souza, Universidade Federal de Viçosa

Departamento de Fitotecnia, Universidade Federal de Viçosa, MG.

Ricardo Henrique Silva Santos, Universidade Federal de Viçosa

Docente do Departamento de Fitotecnia, Universidade Federal de Viçosa, MG.

Silvia Eloiza Priore, Universidade Federal de Viçosa

Docente do Departamento de Nutrição e Saúde, Universidade Federal de Viçosa, MG.

Referências

Silva JRS. Segurança alimentar, produção agrícola familiar e assentamentos de reforma agrária no Maranhão[dissertação]. São Luis: Universidade Federal do Maranhão; 2006.

Food and Agriculture Organization – FAO. Programa Alimentar Mundial (PAM): Relatório 2010. Roma; 2010.

Brasil. Decreto no 5.079, de 12 de maio de 2004. Tem por finalidade propor a formulação de políticas públicas e diretrizes para a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Governo Federal. Diário Oficial da União. 13 maio 2004.

Maluf RS. Segurança alimentar e fome no Brasil – 10 anos da Cúpula Mundial de Alimentação: relatório técnico no 2 CERESAN. Rio de Janeiro; 2006.

Belik W. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003;12(1):12-20.

Vogt SPC, Souza RS. Políticas públicas e segurança alimentar: estudo de caso do programa de compra antecipada especial com doação simultânea (Fome Zero) no município de tenente Portela – RS. In: Livro de Resumos do VII Congresso Brasileiro de Sistemas de Produção – Agricultura Familiar, Políticas Públicas e Inclusão Social. Londrina; 2007.

Gazolla M. Agricultura familiar, segurança alimentar e políticas publicas: uma análise a partir da produção para autoconsumo no território do Alto Uruguai/RS[dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2004.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006. Agricultura Familiar. Primeiros Resultados. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. MDA/MPOG. Rio de Janeiro; 2009.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística[internet]. Rio de Janeiro; 2009[acesso em 15 mar 2009]. Disponível em http://www.ibge.gov.br/cidadesat

Anjos LA, Souza DR, Rossato SL. Desafios na medição quantitativa da ingestão alimentar em estudos populacionais. Rev. Nutr. 2009;22(1):151-161.

Smith LC. The use of household expenditure surveys for the assessment of food insecurity. In: Proceedings – Measurement and assessment of food deprivation and undernutrition. International Scientific Symposium. Roma; 2002.

Pinheiro ABV, Neves PA, Lacerda EMA, Benzecry EH, Gomes MCS, Costa VM. Tabela para Avaliação de Consumo Alimentar em Medidas Caseiras. 5.ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2004.

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação. Universidade Estadual de Campinas[NEPA/Unicamp]. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos[TACO]: versão 2. São Paulo: NEPA/Unicamp; 2006.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde Pública. 2005;39(4):530-540.

World Health Organization. Physical Status: the use and interpretation of anthropometry. WHO Technical Report Series no 854. Geneva: WHO; 1995.

World Health Organization. Obesity: Preventing and managing the global epidemic – Report of a WHO consultation on obesity. WHO Technical Report Series no 894. Geneva WHO; 2000.

Onis. M, Onyango AW, Borghi E, Siyam A, Nishida C, Siekmann J. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Bulletin of the World Health Organization; 2007.

World Health Organization. WHO Child Growth Standards: Length/height-for-age, weight-for-age, weightfor-length, weight-for-height and body mass index-for-age. Methods and development. WHO (nonserial publication). Geneva: WHO; 2006.

Institute of Medicine. In: Dietary References Intakes of energy, carboidrate, fiver, fat, fatty acids, cholesterol, protein and amino acids. Washington, DC: The National Academy Press; 2002.

Callegari-Jacques SM. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed; 2003.

International Association for the Study of Obesity (2002). Obesity in Europe: the case for action[internet].[acesso em 23 maio 2012]. Disponível em: http://www.iotf.org/media/obesity.pdf.

Fundação Getúlio Vargas. U.S. Department of Agriculture. Economic Research Service. Food consumption in Brazil: family budget surveys in the early 1960's. Jerusalem: Keter Press; 1970.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF – 2008-2009 – Aquisição alimentar domiciliar per capita – Brasil e Grandes Regiões. Rio de Janeiro; 2010.

Delgado G. Segurança alimentar e desenvolvimento rural – o Plano Safra 2003-2004 e o Plano Nacional de Reforma Agrária. In: Rocha M (org). Segurança alimentar – um desafio para acabar com a fome no Brasil. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo; 2004.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD – Segurança Alimentar – 2004. Rio de Janeiro; 2006.

Hoffmann, R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: Análise dos Dados da PNAD de 2004. Segurança Alimentar e Nutricional. 2008;15(1):49-61.

World Health Organization. Diet, Nutrition and the prevention of chronic diseases. WHO Technical Report Series no 916. Geneva: WHO; 2003.

Troian A, Troian A, Dalcin D, Oliveira SV. Agricultura familiar e autoconsumo: um estudo no município de Encantado, RS. In: Seminario Taller de la Red SIAL. Argentina; 2009.

Marinho SP, Martins IS, Perestrelo JPP, Oliveira DC. Obesidade em adultos de segmentos pauperizados da sociedade. Rev. Nutr. 2003;16(2):195-201.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF – 2008-2009 – Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro; 2010.

Hoffman DJ, Sawaya AL, Verreschi I, Tucker KL, Roberts SB. Why are nutritionally stunted children at increased risk of obesity? Studies of metabolic rate and fat oxidation in shantytown children from São Paulo, Brazil. Am J Clin Nutr. 2000;72:702-707.

Miller WC, Lindeman AK, Wallace J, Niederpruem M. Diet composition, energy intake, and exercise in relation to body fat in men and women. Am J Clin Nutr. 1990;52:426- 430.

Tucker LA, Kano MJ. Dietary fat and body fat: a multivariate study of 205 adult females. Am J Clin Nutr. 1992:56:616-622.

Freitas MCS, Pena PGL. Segurança alimentar e nutricional: a produção do conhecimento com ênfase nos aspectos da cultura. Rev. Nutr. 2007;20(1):69-81.

Faria ER. Critérios diagnósticos e fatores de risco para síndrome metabólica, em adolescentes que já apresentaram a menarca, de escolas públicas de Viçosa – MG[dissertação]. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; 2007.

Downloads

Publicado

2015-02-23

Como Citar

1.
Dutra LV, Souza LM, Santos RHS, Priore SE. Disponibilidade alimentar para famílias residentes na zona rural: situação de segurança ou insegurança alimentar e nutricional. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 23º de fevereiro de 2015 [citado 5º de dezembro de 2021];21(1):320-9. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1385

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)