Sanitização de alface americana com água ozonizada para inativação de Escherichia coli O157:H7

Autores

  • Daniel Augusto Cavalcante Comando da Aeronáutica, Fazenda da Aeronáutica de Pirassununga
  • Bruno Ricardo de Castro Leite Júnior Universidade Estadual de Campinas
  • Alline Artigiani Lima Tribst Universidade Estadual de Campinas
  • Marcelo Cristianini Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v21i1.1662

Palavras-chave:

Micro-organismo patogênico. Ozônio. Processos não térmicos.

Resumo

As hortaliças folhosas, especialmente a alface, têm sido identificadas como veículos significativos de patógenos relevantes em saúde pública. O objetivo deste trabalho foi avaliar a redução de Escherichia coli O157:H7 intencionalmente inoculada na alface após sanitização da hortaliça com água ozonizada. Dez amostras de alface americana foram inoculadas com E. coli O157:H7 e submetidas à sanitização em água ozonizada na concentração de 1 mg.L-1 durante um minuto. A contaminação inicial das alfaces foi da ordem de 105-106 UFC.g-1 , e o processo de sanitização resultou em reduções decimais entre 2,40 e 4,49, sendo a variação observada possivelmente função da concentração inicial inoculada e da heterogeneidade da superfície da alface, o que pode afetar a aderência do micro-organismo nas amostras e, consequentemente, a efetividade do processo de sanitização. Assim, a utilização de água ozonizada mostra ser uma tecnologia promissora na etapa de sanitização em alface.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Ricardo de Castro Leite Júnior, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA), Departamento de Tecnologia de Alimentos, Campinas, SP, Brasil.

Alline Artigiani Lima Tribst, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA), Departamento de Tecnologia de Alimentos, Campinas, SP, Brasil.

Marcelo Cristianini, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA), Departamento de Tecnologia de Alimentos. Correspondência: Rua Monteiro Lobato no 80, CEP 13083-862, Telefone: (19)3521-7592, Campinas, SP, Brasil.

Referências

Abreu IMO, Junqueira AMR, Peixoto JR, Oliveira SA. Qualidade microbiológica e produtividade de alface sob adubação química e orgânica. Food Sci Technol. 2010;30(Suppl.1):108-118.

Rodrigues CS. Contaminação microbiológica em alface e couve comercializadas no varejo de Brasília – DF. Brasília: Universidade de Brasília, 2007.

Madic J, Vingadassalon N, De Garam CP, Marault M, Scheutz F, Brugère H, Jamet E, Auvray F. Detection of Shiga toxin-producing Escherichia coli serotypes O26:H11, O103:H2, O111:H8, O145:H28, and O157:H7 in raw-milk cheeses by using multiplex real-time PCR. Appl Environ Microbiol. 2011;77(6):2035-2041.

Forsythe SJ. Microbiologia da Segurança Alimentar. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Bosilevac JM, Koohmaraie M. Prevalence and Characterization of Non-O157 Shiga Toxin-Producing Escherichia coli Isolates from Commercial Ground Beef in the United States. Appl Environ Microbiol. 2011;77(6):2103-2112.

Parish ME, Beuchat LR, Suslow TV, Harris LJ, Garret EH, Farber JN, Busta FF. Methods to reduce/eliminate pathogens from fresh and fresh-cut produce. Comprehensive reviews in food science and food safety. 2001;2.

Mogharbel ADI, Masson ML. Hazard associates to the consumption of the lettuce, (Lactuca sativa), in natura. Alim. Nutr. 2005;16(1):83-88.

Cavalcante DA, Leite Júnior BRC, Tribst AAL, Cristianini M. Microbiological quality of Minas Frescal cheese treated with ozonated water. International Food Research Journal. 2013;20(5):2911-2915.

Cavalcante DA, Leite Júnior BRC, Tribst AAL, Cristianini M. Improvement of the raw milk microbiological quality by ozone treatment. International Food Research Journal. 2013;20(4):2017-2021.

Brasil. Portaria no 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União. 04 jan 2012. Seção 1:43-49.

Cavalcante DA, Leite Júnior BRC, Tribst AAL, Cristianini M. Uso de ozônio gasoso na sanitização de câmaras frigoríficas. Rev. Inst. Laticínios Cândido Tostes. 2014;69(2):121-128.

Achen M, Yousef AE. Efficacy of ozone against Escherichia coli O157:H7 on apples. J Food Sci. 2001;66(9):1380-1384.

Sharma RR, Demirci A. Application of ozone for inactivation of Escherichia coli O157:H7 on inoculated alfafa sprouts. Journal of Food Processing and Preservation. 2003;27:51-64.

Cavalcante DA, Leite Júnior BRC, Tribst AAL, Cristianini M. Inativação de Escherichia coli O157:H7 e Bacillus subtilis por água ozonizada. B.CEPPA. 2014:32(1):105-112.

Beuchat LR. Standardization of a method to determine the efficacy of sanitizers in inactivating human pathogenic microorganisms on raw fruits and vegetables. J Food Prot. 2001;64(7):1079-1084.

Rice RG. Ozone in the United States of America. Ozone: Science and Engineering. 1999;21(2):99-118.

Farmacopéia Brasileira. 4.ed. São Paulo: Atheneu; 1988.

Speck ML. Compendium of methods for microbiological examination of foods. Washington: APHA/Technical Committee on Microbiological for Foods; 1984.

Takeuchi K, Matute CM, Hassan AN, Frank JF. Comparison of the attachment of Escherichia coli O157:H7, Listeria monocyogenes, Salmonella typhimurium and Pseudomonas fluorescens to lettuce leaves. J Food Prot. 2000;63(10):1433-1437.

Takeuchi K, Frank JF. Penetration of Escherichia coli O157:H7 into lettuce tissues as affected by inoculum size and temperature and the effect of chlorine treatment on cell viability. J Food Prot. 2000;6(3):434-440.

Goularte, L. Aplicação de processos combinados – processamento mínimo e radiação ionizante (60Co) – visando o aumento da segurança microbiológica de alface (Lactuca sativa, L.) [tese]. São Paulo: Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP; 2003.

Vijayakumar C, Hall CE. Evaluation of household sanitizers for reducing levels of Escherichia coli on iceberg lettuce. J Food Prot.2002;65(10):1646-1650.

Silva N, Silveira NFA, Yokoya F, Okazaki MM. Ocorrência de Escherichia coli O157:H7 em vegetais e resistência aos agentes de desinfecção de verduras. Food Sci Technol. 2003;23(2):167-173.

Behrsing J, Winkler S, Franz P, Premier R. Efficacy of chlorine for inactivation of Escherichia coli on vegetables. Postharvest Biology and Technology. 2000;19:187-192.

Downloads

Publicado

2015-03-02

Como Citar

CAVALCANTE, D. A.; LEITE JÚNIOR, B. R. de C.; TRIBST, A. A. L.; CRISTIANINI, M. Sanitização de alface americana com água ozonizada para inativação de Escherichia coli O157:H7. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 21, n. 1, p. 373–378, 2015. DOI: 10.20396/san.v21i1.1662. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/1662. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)